Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

Dor na sola do pé ao acordar (Fascite plantar): causas e tratamento

A fascite plantar corresponde à inflamação do tecido que encontra-se na sola do pé, a fáscia plantar, que resulta em alguns sintomas como dor na sola do pé, sensação de queimação e desconforto ao caminhar e ao correr. Essa situação é mais comum de acontecer em mulheres que usam salto alto por muito tempo, corredores e pessoas com sobrepeso.

O tratamento para fascite plantar é lento e pode durar cerca de 1 ano à 18 meses mas é importante para diminuir a dor e melhorar a qualidade de vida da pessoa. Algumas opções são os analgésicos, anti-inflamatórios e a fisioterapia que pode ser feita com aparelhos como ultrassom e ondas de choque, por exemplo.

Dor na sola do pé ao acordar (Fascite plantar): causas e tratamento

Principais sintomas

O sintoma mais característico da fascite plantar é a dor na região do meio do calcanhar ao pisar o pé no chão logo após acordar, mas outros sintomas que podem estar presente são:

  • Dor na sola do pé que piora ao usar salto alto ou correr;
  • Sensação de queimação na sola do pé;
  • Sensação de 'areia' ao pressionar o local onde se encontra a fáscia. 

Os sintomas estão relacionados ao espessamento da fáscia devido a inflamação e a presença de fibrose e calcificação neste tecido. O diagnóstico pode ser feito pelo ortopedista ou fisioterapeuta, levando em consideração apenas os sintomas e realizando testes específicos que provocam dor exatamente no local afetado. Exames de imagem como raio-x não evidenciam diretamente a fascite, mas podem ser úteis para descartar outras doenças.

Causas da Fascite plantar

As causas da fascite plantar podem ser relacionadas com longas caminhadas ou corridas, com o uso de sapatos muito duros, além de poder estar relacionado com o fato do pé do indivíduo ser muito cavo e dele estar acima do peso. A junção desses fatores podem contribuir para a inflamação desse tecido, que se não for tratada pode causar intensa dor, dificultando as atividades diárias.

O uso do salto alto de forma contínua leva a diminuição da mobilidade do tendão de Aquiles, o que também favorece a fascite. É comum também que além das fascite, esteja presente o esporão do calcanhar, que é caracterizada por dor forte nessa região. Conheça outras causas de dor na sola do pé.

Como é o tratamento

O tratamento para fascite plantar pode ser feito com o uso de anti-inflamatórios, sob indicação do ortopedista, e fisioterapia, onde o objetivo será desinflamar a região, melhorando a circulação sanguínea e desfazer os nódulos formados nos tendões, se for o caso.

Outras dicas úteis para o tratamento da fascite plantar podem ser:

  • Aplicar uma compressa de gelo por 15 minutos na sola dos pés, cerca de 2 vezes ao dia;
  • Utilizar uma palmilha indicada pelo ortopedista ou fisioterapeuta;
  • Fazer um alongamento da planta do pé e do músculo da "batata da perna", permanecendo sob uma superfície levemente inclinada, como a subida de uma rampa, por exemplo. O alongamento é bem feito quando sente-se a "batata" da perna esticando. Deve-se manter este posicionamento por pelo menos 1 minuto, por 3 a 4 vezes seguidas.
  • Utilizar calçados confortáveis que apoiem adequadamente os pés, evitando o uso de sapatos duros.

Esta lesão é muito comum nos corredores devido ao uso de tênis que não é adequado para corrida ou pelo uso prolongado de tênis para corrida, durante muito tempo. Normalmente é recomendado o uso de tênis de corrida por apenas 600 km, devendo ser trocado após esse período, no entanto, é possível usar esse tênis para o dia a dia, sendo apenas contraindicado nos treinos e nas provas de corrida.

Saiba mais sobre o tratamento para fascite plantar.


Bibliografia

  • Revista Brasileira de Ortopedia. Talalgias: fascite plantar. FERREIRA, Ricardo C. Vol 49. 3 ed; 213-217, 2014
  • DA SILVA, Rafael Henrique; PONTIN, José Carlos B.; COSTA, Thiago R. Manual de Exercícios e Orientações para Pacientes com Fasciíte Plantar. Acta Fisiatr. 2014;21(2):75-79. Vol 21. 2 ed; 75-79, 2014
Esta informação foi útil?   
Sim  /  Não

Se ficou com alguma dúvida ou encontrou algum erro escreva aqui para que possamos melhorar o texto. Não lhe iremos responder directamente. Se quiser uma resposta clique em Contato.

Mais sobre este assunto:


Publicidade
Carregando
...
Fechar

Pode perguntar

Fechar
É hora de acabar com todas as suas dúvidas!
Erro
Erro
Erro
Marque a caixa de verificação acima.
Enviar Mensagem