Ausência de menstruação: 8 causas e quando ir ao médico

Revisão médica: Drª. Sheila Sedicias
Ginecologista
maio 2022

A falta da menstruação pode acontecer como consequência de diversos fatores, como prática de exercício física intenso, estresse, transtornos alimentares ou ser indicativo de gravidez, por exemplo. A ausência de menstruação está normalmente relacionada com a diminuição do estrogênio que pode impedir a ovulação e a formação do tecido do útero que descama durante a menstruação, assim pode haver alterações menstruais como ausência de fluxo ou irregularidade do ciclo.

A falta da menstruação por mais de 3 meses seguidos também acontece na pré menopausa, nos primeiros ciclos após a menarca e não volta a ocorrer após cirurgia para retirada do útero e dos ovários, não sendo uma situação preocupante, na maioria dos casos. Conheça outras causas de menstruação atrasada.

1. Gravidez

A gravidez é uma das principais causas de ausência de menstruação, já que devido à implantação do embrião no útero ocorre alterações hormonais que impedem que exista um novo ciclo menstrual.

O que fazer: Para confirmar a gravidez é importante que seja feito o exame de beta-HCG, pois assim é também possível verificar a semana de gestação de acordo com os níveis circulantes desse hormônio. Saiba mais sobre o exame de beta-HCG.

Além disso, é importante que o ginecologista seja consultado para que seja feita uma avaliação e, caso seja confirmada a gravidez, possa ser dado início ao pré-natal.

2. Exercício físico intenso

A prática de atividade física intensa, como é realizado por maratonistas, nadadoras de competição ou ginastas, leva ao aumento dos níveis de endorfinas e ACTH no sangue, o que pode interferir nos níveis dos hormônios femininos relacionados com o ciclo menstrual, podendo resultar na falta de menstruação.

O que fazer: Nesse caso, o ideal é reduzir a intensidade dos treinos para regular a menstruação novamente. Pode ser também interessante consultar um endocrinologista ou ginecologista para que a variação hormonal seja devidamente acompanhada e seja avaliada a necessidade de realizar algum tratamento.

3. Estresse

O estresse também pode levar à falta de menstruação, pois faz com que exista aumento da quantidade de cortisol circulante, o que pode interferir no ciclo menstrual.

O que fazer: Para solucionar essa situação, é recomendado adotar hábitos que possam ajudar a relaxar, como prática de atividade física de forma regular e sessões de psicanálise, por exemplo. Veja mais dicas simples para aliviar o estresse.

4. Distúrbios alimentares

Distúrbios alimentares como anorexia ou bulimia ou ter uma alimentação pobre em vitaminas podem também causar a falta de menstruação como consequência da desnutrição, o que interfere nos níveis hormonais.

O que fazer: É importante que o nutricionista seja consultado para que seja possível melhorar a relação com a comida e para que sejam feitas alterações na alimentação para garantir todos os nutrientes necessários para a pessoa, o que pode ajudar a regular a menstruação. Além disso, é fundamental que a pessoa tenha acompanhamento psicológico para que seja possível também tratar a causa do distúrbio alimentar.

5. Alterações da tireoide

Alterações no funcionamento da glândula tireoide, como hiper ou hipotireoidismo, podem também ter como consequência da falta de menstruação, já que influenciam os níveis de estrogênio e progesterona circulantes. Confira outros sintomas de problemas na tireoide.

O que fazer: É importante que o ginecologista seja consultado para que seja feita uma avaliação e seja indicada a realização da dosagem dos hormônios tireoidianos. Caso seja observada alguma alteração, pode ser indicado o uso de medicamentos para regular o funcionamento da tireoide.

6. Uso de medicamentos

Alguns medicamentos, como corticoides, antidepressivos, quimioterapia, anti-hipertensivos ou imunossupressores podem ter como efeito colateral a ausência de menstruação.

O que fazer: Neste caso é importante consultar o médico para que seja verificado se é possível realizar a suspensão ou troca do medicamento sem causar prejuízos para a saúde.

7. Doenças do aparelho reprodutor

A presença de ovários policísticos, endometriose, mioma ou tumores no sistema reprodutor podem resultar na alteração do ciclo menstrual, uma vez que são situações em que há grande variação dos níveis dos hormônios femininos.

O que fazer: Caso a ausência de menstruação seja devido a alterações no sistema reprodutor feminino, é importante seguir o tratamento indicado pelo médico, que pode envolver o uso de medicamentos ou a realização de procedimento cirúrgico de acordo com a doença a ser tratada.

8. Alterações no funcionamento do cérebro

Algumas alterações cerebrais, como como mau funcionamento da hipófise e hipotálamo, também podem causar a ausência de menstruação, isso porque essas estruturas estão relacionadas com a produção e ativação de hormônios. 

O que fazer: É importante que sejam realizados exames que ajudem a avaliar o funcionamento da hipófise e do hipotálamo para que assim possa ser iniciado o tratamento mais adequado.

Quando ir ao ginecologista

É necessário ir ao ginecologista quando:

  • A menina não tenha sinais de puberdade até aos 13 anos, como falta de crescimento de pelo pubiano ou axilar, não crescimento dos seios e não arredondamento dos quadris;
  • Caso a menstruação não desça até aos 16 anos;
  • Se, além da ausência da menstruação, a mulher apresentar outros sintomas como batimentos cardíacos acelerados, ansiedade, suores, emagrecimento;
  • Quando a mulher, tem mais de 40 anos e não tem menstruação há mais de 12 meses e já rejeitou a chance de gravidez ou tem a menstruação irregular.

Em qualquer um dos casos a mulher deve ir ao ginecologista que pode indicar a necessidade de fazer exames de sangue ou realizar uma ecografia, para avaliar os valores hormonais e excluir a existência de algum problema ou doença, nos ovários, tireoide ou nas glândulas supra-renais. Veja mais detalhes sobre quando ir ao ginecologista.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Equipe Editorial do Tua Saúde, em maio de 2022. Revisão médica por Drª. Sheila Sedicias - Ginecologista, em fevereiro de 2016.
Revisão médica:
Drª. Sheila Sedicias
Ginecologista
Médica mastologista e ginecologista formada pela Universidade Federal de Pernambuco, em 2008 com registro profissional no CRM PE 17459.