8 exames de vista mais comuns: para que servem e quando fazer

Revisão médica: Dr. Arthur Frazão
Oftalmologista
março 2022

O exame de vista, ou exame oftalmológico, serve para avaliar a capacidade visual e a saúde dos olhos, permitindo identificar alterações que podem causar ou ser sinal de problemas de visão ou doenças, como glaucoma ou retinopatia diabética. 

Existem vários tipos de exame de vista, como o exame de fundo de olho, a topografia da córnea ou o exame de campo visual, que podem ser indicados pelo oftalmologista para avaliar as estruturas do olho, como retina, íris, córnea e vasos sanguíneos, além da avaliação externa do canal lacrimal e pálpebras.

É recomendado realizar consultas com o oftalmologista pelo menos uma vez ao ano, especialmente após os 40 anos, ou sempre que surgirem sintomas relacionados à visão como dificuldade para enxergar, visão dupla ou embaçada, dor de cabeça frequente ou olhos vermelhos, por exemplo. Veja uma lista mais completa dos sintomas que podem indicar problemas de visão

Teste de Snellen
Teste de Snellen

Principais exames de vista

Existem vários tipos de exame de vista que podem ser realizados de acordo com a condição que se está tentando identificar.

Os principais exames de vista incluem:

1. Teste do olhinho

O teste do olhinho é um exame de vista, simples e indolor, feito pelo pediatra na primeira semana de vida do recém-nascido para avaliar as estruturas do olho, garantindo que estão corretamente desenvolvidas.

Esse exame de vista permite que o médico identifique alterações que podem indicar doenças oculares no recém-nascido, como catarata congênita, glaucoma, retinoblastoma, graus elevados de miopia, astigmatismo, hipermetropia e, até mesmo, cegueira. Veja outras indicações do teste do olhinho

Quando fazer: o teste do olhinho normalmente é feito ainda na maternidade, após o nascimento do bebê, mas também pode ser realizado na primeira consulta do bebê após a saída da maternidade. Para fazer o exame, o médico utiliza um oftalmoscópio, que é um pequeno aparelho que projeta uma luz nos olhos do recém-nascido, permitindo avaliar suas estruturas e o reflexo da retina. 

2. Teste de motilidade ocular

O teste de motilidade ocular é feito pelo oftalmologista para avaliar a força dos músculos que movimentam os olhos, assim como a falta de controle ou coordenação desses músculos.É normalmente indicado para identificar problemas como estrabismo, dificuldade de convergência ou falta de capacidade visual.

Geralmente, esse teste é realizado colocando um pequeno objeto à frente da pessoa, como uma caneta ou uma luz. Depois, o médico faz movimentos com o objeto para que se possa seguir os movimentos com os olhos.

Quando fazer: o teste de motilidade ocular é feito em exames oftalmológicos de rotina, mas também podem ser indicado quando a pessoa apresenta sintomas como dor de cabeça, cansaço, visão dupla ou dificuldade de concentração, especialmente após ler.

3. Exame de refração

O exame de refração, também chamado de teste de Snellen ou exame de medida de grau, é o exame de vista mais comum feito pelo oftalmologista e, serve para avaliar o quanto a pessoa enxerga, tendo de observar letras de uma escala ou números, através de um aparelho, chamado autorrefrator ou autorefrator, colocado na frente do rosto.

Esse exame permite ao médico avaliar a presença de miopia, a hipermetropia, a presbiopia e o astigmatismo, e verificar a necessidade de óculos, lentes de contato ou cirurgia refrativa.

Quando fazer: o exame de refração deve ser feito sempre que a pessoa apresenta alterações da visão para perto, longe ou dificuldade de foco, por exemplo.

4. Exame de campo visual

O exame de campo visual, também chamado de campimetria, é feito para avaliar a capacidade de perceber o campo visual central e periférico, sendo indicado principalmente para diagnóstico e acompanhamento do tratamento do glaucoma.

Além disso, esse exame pode ser feito para identificar alterações no campo visual e doenças da retina, como retinopatia diabética, degeneração ou edema macular, retinite pigmentar, tumores ou retinose. Veja outras indicações do exame de campo visual e como é feito.  

Quando fazer: o exame de campo visual deve ser feito no caso de dor nos olhos ou quando existe diagnóstico de glaucoma, hipertireoidismo, esclerose múltipla, diabetes, pressão alta, tumor cerebral, ou doenças da hipófise, pois permite verificar se existem alterações do campo visual.

5. Topografia da córnea

A topografia da córnea, também chamada de ceratoscopia ou topografia corneana, é um exame que mede a espessura e curvatura da córnea, permitindo identificar deformações da córnea, como no caso do ceratocone, por exemplo.

Esse exame também pode ser realizado no pré e pós operatório de cirurgias para o tratamento da catarata, pterígio, miopia, astigmatismo, hipermetropia, ou até para transplante de córnea, de forma a verificar se a pessoa está apta para a realização da cirurgia, ou para verificar os resultados da cirurgia. Entenda como é feita a topografia da córnea.  

Quando fazer: a topografia da córnea é feita pelo oftalmologista sempre que existe suspeita de alterações no formato e espessura da córnea, ou para avaliar a córnea antes ou após cirurgias oftalmológicas

6. Exame de fundo de olho

O exame de fundo de olho, também chamado de fundoscopia ou mapeamento de retina, é um tipo de exame de vista que permite avaliar as estruturas do olho, como nervo óptico, vasos sanguíneos da retina e a região da mácula.

Esse exame permite visualizar detalhadamente e em cores as artérias, veias e nervos do olho, facilitando a identificação de alterações na retina, ou até mesmo doenças sistêmicas que podem causar retinopatia.

Quando fazer: o exame de fundo de olho pode ser feito em consultas de rotina anuais em adultos, especialmente após os 40 anos ou quando a pessoa tem diabetes ou pressão alta. Além disso, esse exame pode ser feito em recém nascidos prematuros para avaliar a presença de problemas oftalmológicos como retinoblastoma, ou infecções como sífilis, rubéola, toxoplasmose ou citomegalovírus, no caso da mãe ter apresentado alguma infecção durante a gravidez.

7. Teste Ishihara

O teste Ishihara, também conhecido como exame de senso cromático, é um exame de vista que avalia a percepção das cores e serve para diagnosticar o daltonismo.

Esse exame tem como objetivo avaliar a capacidade da pessoa em distinguir várias tonalidades de cores, o que pode ser feito utilizando cartões com imagens circulares e que possuem pontilhados de várias tonalidades diferentes. Veja outras exames para identificar o daltonismo.  

Quando fazer: o teste de Ishihara pode ser feito por crianças ou adultos, sempre que se identifica alguma dificuldade em identificar cores. 

8. Teste OCT

O teste OCT, ou tomografia de coerência ótica, é um exame feito pelo oftalmologista, utilizando uma máquina que emite uma luz, que é captada pelo computador, produzindo imagens em cores, das estruturas do olho, como retina, íris, cristalino, vítreo e córnea.

Esse exame permite diagnosticar várias doenças dos olhos que afetam a córnea, retina, vítreo ou nervo óptico, como degeneração ou edema macular, glaucoma ou retinopatia diabética, por exemplo. 

Quando fazer: o teste OCT deve ser feito sempre que o oftalmologista suspeitar de doenças do vítreo ou da retina, especialmente quando a pessoa apresenta outras condições de saúde como diabetes, ou para acompanhar o pós operatório de cirurgias oftalmológicas.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Flávia Costa - Farmacêutica, em março de 2022. Revisão médica por Dr. Arthur Frazão - Oftalmologista, em fevereiro de 2016.

Bibliografia

  • WU, T-Y.; et al. Applications of dynamic visual acuity test in clinical ophthalmology. Int J Ophthalmol. 14. 11; 1771-1778, 2021
  • GHEMAME, M.; et al. Corneal topography in clinical practice. J Fr Ophtalmol. 42. 10; e439-e451, 2019
Mostrar bibliografia completa
  • BELL, A. L.; et al. Childhood eye examination. Am Fam Physician. 88. 4; 241-8, 2013
  • STEIN, J. D.; et al. Glaucoma in Adults-Screening, Diagnosis, and Management: A Review. JAMA. 325. 2; 164-174, 2021
  • PODOLEANU, A. G. Optical coherence tomography. J Microsc. 247. 3; 209-19, 2012
Revisão médica:
Dr. Arthur Frazão
Oftalmologista
Médico generalista, especialista em Oftalmologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte, em 2008, com registro profissional no CRM/PE 16878

Tuasaude no Youtube

  • Conjuntivite viral, alérgica ou bacteriana? Como tratar | com Dr. Arthur Frazão

    10:33 | 165289 visualizações
  • GLAUCOMA: diagnóstico e tratamento

    10:07 | 97540 visualizações