Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

O que é Espasticidade

A espasticidade consiste no aumento involuntário da contração muscular que pode surgir em qualquer músculo e que impede o indivíduo de fazer as suas atividades diárias, como andar, comer ou falar, por exemplo.

Normalmente, a espasticidade é mais frequente após uma alteração neurológica como AVC ou como consequência de paralisia cerebral e, por isso, pode afetar apenas um pequeno grupo muscular, como o braço, ou surgir em vários locais como do lado direito do corpo, dependendo das lesões neurológicas.

A espasticidade não tem cura, mas é possível reduzir a incapacidade do paciente através de fisioterapia, uso de remédios para espasticidade ou aplicações localizadas de botox. 

O que é Espasticidade

Tratamento para espasticidade

O tratamento para espasticidade deve ser orientado por um neurologista, pois é necessário avaliar a causa neurológica que está causando o surgimento do problema. As opções incluem:

Remédios para espasticidade

Normalmente são utilizados remédios para espasticidade, como Baclofeno ou Diazepam, que ajudar os músculos a relaxar e aliviar os sintomas. Outros remédios indicados são Baclofen, Benzodiazepinas, Clonidina ou Tizanidina, que reduzem a transmissão de estímulos e facilitam o relaxamento muscular.

Fisioterapia na espasticidade

Contra a espasticidade também é recomendado fazer pelo menos, 2 vezes por semana para manter a amplitude das articulações e evitar outras complicações, como rigidez articular, devido à falta de uso da articulação do membro afetado.

A fisioterapia na espasticidade pode ser feita com a utilização de:

  • Crioterapia: aplicação de frio nos músculos afetados para reduzir temporariamente o sinal de reflexo que provoca a contração do músculo;
  • Aplicação de calor: permite o relaxamento temporário do músculo, reduzindo a dor;
  • Cinesioterapia: técnica para ensinar o paciente a viver com a espasticidade, através de exercícios ou uso de órteses;
  • Estimulação elétrica: estimulação com pequenos choques elétricos que ajudam a controlar a contração muscular.

Os exercícios de fisioterapia devem ser feitos 2 vezes por semana com o fisioterapeuta e todos os dias em casa. Estes tratamentos servem para reduzir os sintomas de espasticidade e facilitar a realização das atividades diária.

Sabia mais sobre a fisioterapia para espasticidade em: Fisioterapia para hemiplegia.

Aplicações de botox

As injeções de toxina botulínica A podem ser úteis para diminuir a rigidez muscular e facilitar a movimentação das articulações, facilitando assim o cuidado diário do paciente e até mesmo as sessões de fisioterapia.

Estas injeções podem ser indicadas pelo médico e tem efeito entre 4 meses e 1 ano, sendo mais comum ter que recorrer a uma nova dose desta substância após 6 meses da primeira aplicação e a cada 6 meses.

Seu efeito paralisa ou diminui a contração muscular involuntária por tempo determinado, e quando o efeito vai diminuindo a pessoa volta a apresentar novamente um maior tônus muscular que pode causar até mesmo uma forte contratura, sendo necessário uma nova dose.

O uso do botox é indicado para tratar a espasticidade inclusive de crianças que nascem com microcefalia, devido a contaminação materna com o Zika vírus. Saiba mais detalhes dessa indicação em: Botox pode ajudar no tratamento de bebês com Microcefalia.

Sintomas de espasticidade

Os principais sintomas de espasticidades incluem:

  • Contração involuntária dos músculos;
  • Dificuldade para dobrar as pernas ou braços;
  • Dor nos músculos afetados;
  • Postura incorreta.

Nos casos mais graves, o paciente pode ficar em posição de espasticidade, que se caracteriza por braços dobrados, pernas e pés esticados e cabeça inclinada para um lado.

Graus de espasticidade

Os graus de espasticidade podem ser avaliados de acordo com a escala de Ashworth:

  • Grau 0: o paciente não apresenta contração do músculo;
  • Grau 1: leve contração muscular;
  • Grau 2: aumento da contração muscular, com alguma resistência a movimentos;
  • Grau 3: grande aumento da concentração muscular, com dificuldade em dobrar os membros;
  • Grau 4: músculo rígido e sem possibilidade de movimento.

Com o tratamento sendo realizado diariamente, o paciente pode diminuir o seu grau de espasticidade pouco a pouco.

Mais sobre este assunto:


Carregando
...