Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
Fechar Coronavírus: Informações sobre COVID-19 Ler mais
O que você precisa saber?

Sistema urinário: principais doenças, sintomas e tratamento

Dezembro 2019

A infecção urinária é a doença mais frequentemente associada ao sistema urinário e pode acontecer tanto em homens quanto em mulheres independente da idade. No entanto, outras doenças podem afetar o sistema urinário, como insuficiência renal, doença renal crônica, cálculos renais e câncer de bexiga e de rim, por exemplo.

É importante que sempre que existir sinal ou sintoma de alteração no sistema urinário, como dor ou ardor ao urinar, urina com espuma ou com cheiro muito forte ou presença de sangue na urina, o nefrologista ou urologista seja procurado para que seja feitos exames que possam indicar a causa dos sintomas e, assim, o tratamento possa ter início.

Sistema urinário: principais doenças, sintomas e tratamento

1. Infecção urinária

A infecção urinária corresponde à proliferação de um microrganismo, bactéria ou fungo, em qualquer parte do sistema urinário, causando sintomas como dor, desconforto e sensação de queimação ao urinar, por exemplo. Na maioria das vezes, os sintomas de infecção surgem devido ao desbalanço da microbiota da região genital, devido ao estresse ou à falta de higiene, por exemplo.

A infecção urinária pode receber uma classificação específica de acordo com a estrutura do sistema urinário acometida:

  • Cistite, que é o tipo de infecção urinária mais frequente e acontece quando microrganismo atinge a bexiga, causando urina turva, dor abdominal, sensação de peso no fundo da barriga, febre baixa e persistente e sensação de queimação ao urinar;
  • Uretrite, que acontece quando a bactéria ou o fungo atinge a uretra, causando inflamação e levando ao aparecimento de sintomas como vontade frequente para urinar, dor ou ardor para urinar e corrimento amarelo.
  • Nefrite, que é a infecção mais grave e acontece quando o agente infeccioso chega aos rins, causa inflamação e leva ao aparecimento de sintomas como vontade urgente para urinar, mas em pequena quantidade, urina turva e com cheiro turva, presença de sangue na urina, dor abdominal e febre.

Como tratar: O tratamento para infecção urinária deve ser recomendado pelo urologista de acordo com os sinais e sintomas apresentados pela pessoa, bem como de acordo com o resultado dos exames de urina solicitados, sendo normalmente indicado o uso do antibiótico Ciprofloxacino. Nos casos em que não são observados sintomas, normalmente não é recomendado o uso de antibióticos, apenas acompanhamento da pessoa com o objetivo de verificar se houve aumento da quantidade de bactérias. Conheça outros remédios para infecção urinária.

2. Insuficiência renal

A insuficiência renal é caracterizada pela dificuldade do rim de filtrar o sangue corretamente e promover a eliminação de substâncias nocivas para o organismo, ficando acumuladas no sangue e podendo resultar em doenças, como aumento da pressão arterial e acidose sanguínea, que leva ao aparecimento de alguns sinais e sintomas característicos, como falta de ar, palpitações e desorientação, por exemplo.

Como tratar: Quando a insuficiência renal é identificada logo que aparecem os primeiros sintomas, é possível revertê-la através do uso de medicamentos indicados pelo urologista ou nefrologista e por meio de mudança nos hábitos alimentares com o objetivo de evitar a sobrecarga renal. Além disso, em alguns casos pode ser recomendada a realização de hemodiálise para que o sangue seja filtrado e as substâncias acumuladas sejam removidas.

Saiba no vídeo a seguir como deve ser a alimentação no tratamento da insuficiência renal:

3. Doença renal crônica

A doença renal crônica, também chamada de DRC ou insuficiência renal crônica, é a perda progressiva da função do rim que não leva ao aparecimento de sinais ou sintomas que indiquem a perda de função, sendo apenas percebida quando o rim já encontra-se quase sem função.

Os sintomas de DRC são mais frequentes em pessoas com idade mais avançada, hipertensas, diabéticas ou com histórico na família de DRC e surgem quando a doença já encontra-se em fase mais avançada, podendo a pessoa apresentar inchaço nos pés, fraqueza, urina com espuma, coceira no corpo, cãibras e perda do apetite sem causa aparente, por exemplo. Saiba como identificar a doença renal crônica.

Como tratar: O tratamento da DRC é feito, nos casos mais graves, através da hemodiálise para remover as substâncias que encontram-se em excesso no sangue e que não foram devidamente removidas pelos rins. Além disso, pode ser recomendado pelo médico o uso de alguns medicamentos e a mudança na dieta para evitar a sobrecarga renal. Veja como deve ser o tratamento da DRC.

4. Cálculos renais

Os cálculos renais são popularmente chamados de pedra nos rins e surgem de forma repentina, podendo ser eliminados através da urina ou ficar presor na uretra, causando bastante dor, principalmente na região lombar e que pode causar dificuldade para se movimentar, e presença de sangue na urina. As pedras nos rins podem ter diversas composições e sua formação está muito relacionada aos hábitos de vida, como falta de prática de atividade física, alimentação incorreta e pouco consumo de água durante o dia, mas também pode estra diretamente ligada a fatores genéticos.

Como tratar: O tratamento para os cálculos renais pode variar de acordo com intensidade dos sintomas e do tamanho e da localização das pedras, que é verificado por meio de exame de imagem. Em alguns casos, o médico pode recomendar o uso de medicamentos para aliviar as dores e facilitar a eliminação da pedra. No entanto, quando a pedra é grande ou está obstruindo a uretra ou o ureter, por exemplo, pode ser recomendada a realização de uma pequena cirurgia para que a pedra seja removida.

Em todos os casos, é importante beber bastante água e ter cuidados com a alimentação, pois dessa forma, além de tratar a pedra já existente, previne o aparecimento de outras. Entenda como deve ser a alimentação para evitar as pedras no rim:

5. Incontinência urinária

A incontinência urinária é caracterizada pela perda involuntária da urina e que pode acontecer tanto em homens quanto em mulheres independente da idade. A incontinência pode acontecer devido ao aumento da pressão na bexiga, que é mais frequente na gravidez, ou devido a alterações nas estruturas musculares que sustentam o assoalho pélvico.

Como tratar: Nesses casos, a recomendação é que sejam feitos exercícios para fortalecer a musculatura pélvica e evitar a perda involuntária da urina. Além disso, pode ser indicado o uso de remédios ou cirurgia, nos casos mais graves. Saiba como deve ser feito o tratamento para incontinência urinária.

6. Câncer

Alguns tipos de câncer podem afetar o sistema urinário, como é o que acontece no câncer de bexiga e dos rins, que podem acontecer quando células malignas desenvolvem-se nesses órgãos ou ser foco de metástases. De forma geral, o câncer de bexiga e de rim causa sintomas como dor e queimação ao urinar, aumento da vontade para urinar, cansaço excessivo, perda de apetite, presença de sangue na urina, aparecimento de massa na região abdominal e perda de peso sem causa aparente.

Como tratar: O tratamento deve ser indicado após identificação do tipo e grau do câncer, podendo ser indicado pelo nefrologista ou oncologista a realização de cirurgia, para remoção do tumor, seguida de quimio ou radioterapia ou imunoterapia. Em alguns casos pode também ser necessária a realização de transplante renal quando é verificado que o rim está muito prejudicado.

Como é feito o diagnóstico

O diagnóstico de doenças do sistema urinário deve ser feito pelo urologista ou nefrologista de acordo com o sinais e sintomas apresentados pela pessoa. Normalmente é indicada a realização de exame de urina e urocultura, para verificar se há qualquer alteração nesses exames e se há infecções.

Além disso, é recomendada a realização de exames bioquímicos que avaliam a função renal, como a dosagem de ureia e creatinina no sangue. Pode ser recomendada também a realização da dosagem de alguns marcadores bioquímicos de câncer, como BTA, CEA e NPM22, que normalmente estão alterados no câncer de bexiga, além de exames de imagem que permitem a visualização do sistema urinário.

Bibliografia >

  • MCANINCH, Jack W.; LUE, Tom F. Urologia Geral de Smith e Tanagho. 18 ed. Porto Alegre: Artmed, 2014. 47-59.
Esta informação foi útil?   
Sim  /  Não

Ficou alguma dúvida. Deixe aqui a sua questão para que possamos melhorar o nosso texto:

Atenção! Só poderemos responder diretamente se deixar o seu email.
Irá receber um email com um link que deverá aceder para confirmar que o email lhe pertence.
Mais sobre este assunto:

Publicidade
Carregando
...
Fechar

Pode perguntar

Fechar
É hora de acabar com todas as suas dúvidas!
Erro
Erro
Erro
Marque a caixa de verificação acima.
Enviar Mensagem