Pílula anticoncepcional: como funciona, como tomar e dúvidas

Pílula anticoncepcional, ou simplesmente "pílula", é um método hormonal muito seguro para evitar uma gravidez indesejada, e é tomada regularmente por via oral, sendo, geralmente, composta por dois hormônios estrogênios e progestagênios, ou somente com progestagênios, e nesse caso é chamada de "minipílula".

Existem diferentes marcas de anticoncepcionais orais, como Diane 35, Yasmin ou Cerazette, por exemplo, e embora geralmente funcionem de forma semelhante, o ginecologista é quem deve orientar qual é a pílula mais adequada que a mulher deve tomar.

O uso correto da pílula tem algumas vantagens sobre outros métodos contraceptivos, como a regulação da menstruação, o combate da acne ou a diminuição das cólicas menstruais. No entanto, as pílulas têm efeitos colaterais e não protegem contra infecções sexualmente transmissíveis, sendo necessário usar um método contraceptivo de barreira, como a camisinha. Conheça os principais métodos contraceptivos, vantagens e desvantagens.

Imagem ilustrativa número 1

Como funciona a pílula

As principais ações da pílula anticoncepcional são:

  • Inibir a ovulação, impedindo a fecundação;
  • Aumentar a viscosidade do muco cervical, tornando mais difícil o espermatozoide alcançar o útero;
  • Alterar o endométrio, impedindo a implantação do embrião.

A pílula anticoncepcional é um método muito confiável de prevenção de gravidez indesejada e sua eficácia foi estimada em 99%.

Entretanto, para que as pílulas sejam eficazes, as instruções de uso devem ser seguidas corretamente, não devem ser esquecidas e devem sempre ser receitadas pelo ginecologista. 

Leia também: Quem toma pílula anticoncepcional ovula ou tem período fértil? tuasaude.com/periodo-fertil-de-quem-toma-anticoncepcional

Como usar corretamente

As pílulas combinadas são as pílulas anticoncepcionais mais usadas e possuem ambos os hormônios estrogênio e progestagênio, que podem vir em embalagens com 28 ou 21 comprimidos, com as seguintes indicações de dosagem:

  • Pílula de 21 dias: deve-se tomar 1 comprimido por dia durante 21 dias seguidos (3 semanas). Depois, na quarta semana, durante os 7 dias seguintes, não se deve tomar nenhum comprimido. É durante esse período que ocorre a "menstruação, chamada de sangramento por privação. Após essa pausa de 7 dias, uma nova cartela de 21 pílulas deve ser iniciada;
  • Pílula de 28 dias: tomar 1 pílula por dia, durante 28 dias consecutivos (4 semanas) e iniciar uma nova cartela no 29º dia, ou seja, sem pausa entre as cartelas. As últimas pílulas das embalagens blister de 28 dias de pílulas combinadas não têm hormônios, geralmente são chamadas de pílulas "placebo", pois servem para ajudar a se lembrar de tomar a pílula todos os dias. É nos dias em que se toma as pílulas de placebo que a "menstruação" desce.

Além disso, recomenda-se que a pílula anticoncepcional seja tomada aproximadamente no mesmo horário, junto com um copo de água.

Como tomar a minipílula

A minipílula é um tipo de pílula anticoncepcional que, ao contrário dos anticoncepcionais orais combinados, contém apenas progesterona como ingrediente ativo e é usada como alternativa para mulheres que querem ou precisam evitar o estrogênio por motivos médicos.

A minipílula deve ser tomada diariamente e de forma contínua, ou seja, sem período de descanso ou período de placebo entre as cartelas. Com esse tipo de pílula, deve-se ser mais rigorosa e exata com o horário de tomar a pílula, que deve ser o mesmo todos os dias.

O que acontece se esquecer de tomar?

Em caso de esquecimento de tomar o anticoncepcional, recomenda-se tomar a pílula esquecida assim que possível, quando se lembrar, para que se possa ter o efeito desejado de evitar a gravidez.

Se a mulher esquecer de tomar um comprimido no horário exato e tomá-lo antes do atraso de 12 horas, o anticoncepcional ainda será eficaz, portanto, não haverá risco de gravidez. Para isso, deve-se tomar o comprimido no momento em que se lembrar (dentro de 12 horas) e continuar com o restante das pílulas como de costume.

Entretanto, se mais de 12 horas se passaram desde que o comprimido deveria ter sido tomado, a eficácia contraceptiva pode ser afetada. Há um risco maior de gravidez se a mulher esquecer de tomar um comprimido no início da cartela ou próximo à semana de descanso ou de placebo. Veja o que fazer em caso de esquecimento da pílula anticoncepcional.

Efeitos colaterais da pílula

Os efeitos colaterais mais comuns da pílula anticoncepcional são dor de cabeça, sensibilidade e desconforto nos seios, humor deprimido, alterações de humor, irritabilidade ou tontura.

Outros efeitos colaterais comuns são náusea, vômito, diarreia, fraqueza, cansaço, ganho de peso ou sangramento irregular.

Além disso, tomar contraceptivos hormonais pode aumentar o risco de coágulos sanguíneos venosos ou arteriais.

Leia também: Trombose por anticoncepcional: sintomas e o que fazer tuasaude.com/trombose-causada-por-anticoncepcional

Quem não deve usar

As principais contraindicações para o uso das pílulas anticoncepcionais são:

  • Coágulos sanguíneos, ataque cardíaco ou derrame (ou histórico);
  • Distúrbios de coagulação sanguínea;
  • Diabetes;
  • Pressão alta;
  • Doença ou tumor hepático;
  • Níveis elevados de colesterol ou triglicerídeos;
  • Hiper-homocisteinemia;
  • Câncer de mama, ovário, colo do útero ou útero;
  • Sangramento vaginal inexplicável;
  • Enxaqueca com aura;
  • Pancreatite.

Por isso, é importante consultar o ginecologista para avaliar os possíveis riscos e o estado de saúde, antes de tomar qualquer tipo de pílula anticoncepcional.

Dúvidas comuns sobre a pílula

Algumas das dúvidas mais comuns sobre a pílula são:

1. A pílula engorda?

Algumas pílulas anticoncepcionais possuem como efeito colateral o inchaço e um ligeiro aumento de peso, entretanto, isto é mais comum nas pílulas de uso contínuo e nos implantes subcutâneos.

2. A pílula é abortiva?

A pílula anticoncepcional não é abortiva, mas quando ela é tomada durante a gravidez pode trazer prejuízos ao bebê.

3. Como tomar a pílula pela primeira vez?

Para tomar a pílula pela primeira vez, deve-se tomar o primeiro comprimido no primeiro dia da menstruação. Saiba ainda como trocar de anticoncepcional sem correr o risco de engravidar.

4. Posso ter relações no período de pausa?

Sim, não há risco de gravidez nesse período se a pílula foi tomada corretamente durante todo o mês anterior.

5. É necessário parar de tomar o anticoncepcional de vez em quando para "descansar"?

Não é necessário parar de tomar o anticoncepcional de vez em quando.

6. O homem pode tomar a pílula?

Não, a pílula anticoncepcional é indicada somente para mulheres, não tendo nenhum efeito contraceptivo nos homens. Veja quais são os anticoncepcionais que podem ser usados pelo homem.

7. A pílula faz mal?

Assim como qualquer outro medicamento, a pílula pode fazer mal para algumas pessoas, e por isso suas contraindicações devem ser respeitadas.

8. A pílula muda o corpo?

Não, mas no início da adolescência as meninas passam a ter um corpo mais desenvolvido, apresentando mamas e quadris mais largos, e isto não se deve ao uso da pílula, nem ao início das relações sexuais.

9. A pílula pode falhar?

Sim, a pílula pode falhar quando a mulher esquece de tomar o comprimido todos os dias, não respeita o horário da toma ou quando vomita ou tem uma diarreia até 2 horas após tomar a pílula. Alguns remédios também podem cortar o efeito da pílula. Confira quais são os remédios que cortam o efeito do anticoncepcional.

10. Quando a pílula começa a fazer efeito?

A pílula anticoncepcional começa a fazer efeito logo no primeiro dia de sua toma, no entanto, é melhor esperar terminar uma cartela para ter relações.

11. A pílula protege contra doenças?

Existem alguns estudos que indicam que ela pode diminuir o risco de alguns tipos de câncer, no entanto, ela não protege contra doenças sexualmente transmissíveis e, por isso, além de tomar a pílula, deve-se também usar preservativo em todas as relações sexuais.

12. Tenho que tomar a pílula sempre no mesmo horário?

Sim, de preferência, a pílula deve ser tomada sempre no mesmo horário, mas pode haver uma pequena tolerância no horário, de até 12 horas, mas isso não deve se tornar rotina. Se houver dificuldade em tomá-la sempre no mesmo horário, talvez seja mais seguro optar por outro método anticoncepcional.

Vídeos relacionados