Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
Fechar Coronavírus: Informações sobre COVID-19 Ler mais
O que você precisa saber?

O que é tricotilomania (mania de arrancar cabelo) e como é feito o tratamento

A tricotilomania é um transtorno psicológico conhecido pela mania de arrancar os cabelos, onde existe uma obsessão em arrancar fios de cabelos da cabeça ou pelos do corpo, como sobrancelha e barba, de forma incontrolável. A pessoa com este tipo de transtorno pode começar arrancando apenas alguns pelos ou fios, no entanto, pode ir progredindo até retirar mexas inteiras de cabelo.

Esta mania de arrancar o cabelo tem cura e o tratamento deve ser indicado por um psiquiatra que, geralmente, receita medicamentos para ansiedade e depressão, além de sessões de terapia com psicólogo. Entretanto, é importante iniciar logo o tratamento, pois pode se demorar muito tempo, a tricotilomania pode provocar calvície, e como algumas pessoas com este transtorno engolem os cabelos, pode acontecer complicações devido ao acúmulo de cabelos no estômago ou intestino.

O que é tricotilomania (mania de arrancar cabelo) e como é feito o tratamento

Principais sintomas

A tricotilomania, conhecida como mania de arrancar o cabelo, é um transtorno que provoca sinais e sintomas como:

  • Mexer no cabelo constantemente;
  • Puxar ou enrolar repetidamente os fios de cabelo ou os pelos das sobrancelhas ou cílios;
  • Ter regiões do corpo ou da cabeça com falta de pelos ou cabelo;
  • Chupar, mastigar, morder ou engolir fios de cabelo;
  • Sentir alívio ou prazer depois de arrancar pelos ou fios de cabelo.

O diagnóstico é geralmente feito por um psiquiatra ou psicólogo, com auxílio de familiares ou amigos, através da observação do comportamento, da verificação da falta de cabelo na região do couro cabeludo, por exemplo, e em alguns casos, o transtorno é identificado por meio de sintomas como dor abdominal, náuseas e vômitos causados pela ingestão em excesso de fios de cabelo.

Muitas vezes, as pessoas com tricotilomania sentem vergonha e tristeza profunda, pois a falta de cabelo causada pela doença pode ser muito evidente, sendo visível por espaços carecas na cabeça.

Além disso, a mania de arrancar o cabelo pode piorar em algumas situações, como em períodos de mais estresse ou ansiedade ou até mesmo em momentos de relaxamento, como assistindo a televisão, na praia ou dirigindo, por exemplo.

O que é tricotilomania (mania de arrancar cabelo) e como é feito o tratamento

Como é feito o tratamento

A tricotilomania tem cura e o tratamento deve ser indicado por um psiquiatra que poderá recomendar o uso de medicamentos antidepressivos e ansiolíticos, pois muitas vezes, a pessoa que tem essa mania também pode ter transtorno obsessivo compulsivo ou depressão. O acompanhamento com psicólogo também pode ser aconselhado para que sejam realizadas sessões de psicoterapia, como a terapia cognitivo-comportamental. Saiba mais como é feita a terapia cognitivo-comportamental.

Nos casos menos graves da doença, algumas pequenas mudanças nos hábitos diários podem ser suficientes para tratar o problema, como por exemplo:

  • Molhar o cabelo nos momentos em que a vontade de arrancar cabelos surge;
  • Fazer atividades que mantém as mãos ocupadas, como fazer jardinagem, pintar ou cozinhar, por exemplo;
  • Prender o cabelo com uma tiara ou usar uma blusa com capuz, especialmente para dormir;
  • Escovar o cabelo ou lavá-lo, substituindo a vontade de arrancar cabelo.

Também pode-se realizar atividades de relaxamento e meditação para tentar controlar a ansiedade e o estresse, como por exemplo, fazer algumas sessões de yoga. Veja mais sobre os benefícios do yoga para a saúde.

Possíveis causas

As causas da tricotilomania ainda não são totalmente conhecidas, mas sabe-se que fatores como traumas na infância, sofrer com depressão ou transtorno obsessivo compulsivo e ter ansiedade ou estresse possam influenciar no surgimento desta mania.

Alguns estudos vêm sendo desenvolvidos para mostrar que algumas alterações em regiões específicas do cérebro podem estar envolvidas no surgimento deste transtorno, assim como, pessoas com história familiar de tricotilomania, são mais propensas a desenvolverem o mesmo problemas. Além disso, a tricotilomania acontece mais na infância, entre os 9 e 13 anos de idade, no entanto, pode atingir pessoas de qualquer idade.

Quais são as complicações

As principais complicações que aparecem por causa da tricotilomania podem ser calvície, espaços sem cabelo no couro cabeludo, ausência de sobrancelha ou cílios, falhas nas barbas e doenças no estômago ou intestino que ocorrem devido o acúmulo de cabelo nestes órgãos.

Para ajudar a controlar os sintomas deste transtorno é importante controlar o estresse e ansiedade, veja um vídeo com dicas de como se fazer isto:

Bibliografia >

  • NATIONAL ORGANIZATION FOR RARE DISORDERS. Trichotillomania. Disponível em: <https://rarediseases.org/rare-diseases/trichotillomania/>. Acesso em 20 Dez 2019
  • TOLETO, Edson L. et al. Tricotilomania. Rev Psiq Clín. Vol.37, n.6. 251-259, 2010
  • LIMA, Maria C. P. et al. Tricotilomania: dificuldades diagnósticas e relato de dois casos. Rev Paul Pediatr. Vol.28, n.1. 104-108, 2010
Esta informação foi útil?   
Sim  /  Não

Ficou alguma dúvida. Deixe aqui a sua questão para que possamos melhorar o nosso texto:

Atenção! Só poderemos responder diretamente se deixar o seu email.
Irá receber um email com um link que deverá aceder para confirmar que o email lhe pertence.
Mais sobre este assunto:

Publicidade
Carregando
...
Fechar

Pode perguntar

Fechar
É hora de acabar com todas as suas dúvidas!
Erro
Erro
Erro
Marque a caixa de verificação acima.
Enviar Mensagem