Alopecia: o que é, sintomas, causas e tratamento

Revisão médica: Drª. Aleksana Viana
Dermatologista
abril 2022

A alopecia é uma condição que causa perda repentina de cabelo do couro cabeludo ou de pelos de qualquer outra região do corpo. Na alopecia o cabelo cai em grande quantidade em determinadas áreas, proporcionando a visualização do couro cabeludo (em manchas) ou da pele que antes era coberta.

A queda do cabelo pode ter várias causas, desde estresse, uso de medicamentos ou doenças, como lúpus ou hipertireoidismo. De acordo com a causa, a alopecia pode também ser dividida em vários tipos, sendo que os mais comuns são a alopecia areata, a alopecia androgênica e o eflúvio telógeno.

O tratamento para a alopecia é feito de acordo com a causa, no entanto, na maior parte dos casos a queda é tratada com o uso de medicamentos que são aplicados diretamente no local afetado e que devem ser recomendados por um dermatologista.

Principais sintomas

O principal sinal indicativo de alopecia é a perda de mais de 100 fios de cabelos por dia, o que pode ser percebido ao se encontrar muitos fios de cabelo no travesseiro ao acordar, quando se lava ou penteia o cabelo, ou quando se passa a mão pelos fios, por exemplo.

Além disso, é possível também identificar a alopecia quando são visualizados no couro cabeludo regiões com pouco ou nenhum cabelo.

Apesar de acontecer principalmente na cabeça, os sinais indicativos de alopecia podem ser notados em qualquer região do corpo com pelo.

Possíveis causas

A queda de cabelo pode acontecer devido a diversas situações, sendo as principais:

  • Micose no couro cabeludo;
  • Uso de medicamentos;
  • Estresse;
  • Reação hormonal pós parto;
  • Uso de produtos químicos inadequados;
  • Lúpus eritematoso sistêmico;
  • Doenças como hipotireoidismo, hipertireoidismo, sífilis secundária ou líquen plano;
  • Deficiência de proteínas, ferro, biotina e zinco.

Além disso, alguns tipos de câncer também podem favorecer a queda de cabelo, como o câncer de pele, por exemplo.

De acordo com a causa da queda de cabelo, a alopecia pode ainda ser classificada em diferentes tipos:

  • Alopecia areata: causada por fatores autoimunes ou emocionais, caracterizada por intensa queda de cabelo em determinadas áreas, resultando no aparecimento de placas redondas no couro do cabeludo com ausência de pelo.
  • Alopecia androgênica: também chamada de calvície, é causada por fatores genéticos, associados à taxa de testosterona na corrente sanguínea, e por isso é mais frequente nos homens;
  • Alopecia traumática: causada pelo hábito de arrancar os fios de cabelos constantemente ou por traumatismos na cabeça;
  • Alopecia seborreica: causada por uma dermatite, que pode ser tratada com o uso de medicamentos;
  • Eflúvio telógeno: que se caracteriza por um período em que o cabelo cai naturalmente, porém, quando este mecanismo se encontra desregulado, pode haver um período maior de queda de cabelo, que geralmente responde bem aos tratamentos clínicos.

É importante que a causa da alopecia seja identificada pelo dermatologista, pois assim é possível que o tratamento mais adequado para a causa seja indicado e, assim, seja possível prevenir a queda de mais fios e favorecer o crescimento do pelo.

Como é feito o tratamento

Para o tratamento da alopecia, é recomendado fazer uma consulta com um dermatologista para que as causas sejam identificadas e o tratamento seja bem direcionado.

Algumas opções terapêuticas, especialmente para casos mais graves, são o uso de medicamentos orais, como a finasterida ou espironolactona, ou tópicos, como o minoxidil ou o alfaestradiol, por exemplo, pois favorecem o crescimento dos pelos e previnem a queda. Veja mais sobre os remédios indicados na alopecia

Além disso, para casos mais leves ou para complementar os mais graves, pode ser vantajoso o uso de produtos cosméticos em loção ou ampolas, ou o uso de suplementos alimentares, de acordo com a orientação do dermatologista, já que também podem favorecer o crescimento do cabelo.

Existem ainda tratamentos específicos como a intradermoterapia e carboxiterapia, executados por um profissional, que só devem ser realizados, se recomendados pelo médico. Saiba mais sobre a carboxiterapia e como é feita.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Manuel Reis - Enfermeiro, em abril de 2022. Revisão médica por Drª. Aleksana Viana - Dermatologista, em fevereiro de 2016.

Bibliografia

  • BIOLAB. PANTOGAR. 2014. Disponível em: <http://www.anvisa.gov.br/datavisa/fila_bula/frmVisualizarBula.asp?pNuTransacao=17941232016&pIdAnexo=3507963>. Acesso em 15 mai 2019
  • ACHÉ LABORATÓRIOS FARMACÊUTICOS S.A. Pant. 2015. Disponível em: <http://www.anvisa.gov.br/datavisa/fila_bula/frmVisualizarBula.asp?pNuTransacao=24581662016&pIdAnexo=3996987>. Acesso em 15 mai 2019
Mostrar bibliografia completa
  • ONOFRE. Imecap Hair. Disponível em: <https://www.onofre.com.br/estaticos/bulas/462888.pdf>. Acesso em 15 mai 2019
  • SANDOZ. Finasterida. 2014. Disponível em: <http://www.anvisa.gov.br/datavisa/fila_bula/frmVisualizarBula.asp?pNuTransacao=7113552014&pIdAnexo=2181015>. Acesso em 15 mai 2019
  • REBELO, Ana S.. Novas estratégias para o tratamento da alopécia. Dissertação de Mestrado Integrado em Ciências Farmacêuticas , 2015. Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias/Escola de Ciências e Tecnologias da Saúde de Lisboa.
  • MULINARI-BRENNER, Fabiane et al.. Understanding androgenetic alopecia. Surg Cosmet Dermatol. 4. 3; 329-337, 2011
Revisão médica:
Drª. Aleksana Viana
Dermatologista
Especialista em Dermatologia pela Faculdade de Ciências Médicas de Minas Gerais, em 2007 com registro profissional no CRM/PE – 16907.