Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

Como evitar a trombose depois de qualquer cirurgia

Para evitar a trombose depois da cirurgia é recomendado começar a andar lentamente logo após a liberação do médico, ​mexer as pernas e os pés enquanto está deitado e tomar remédios anticoagulantes para deixar o sangue mais fino, como heparina, por exemplo.

A trombose, que é a formação de coágulos ou trombos no interior dos vasos sanguíneos das pernas, pode surgir no pós-operatório de uma cirurgia principalmente quando esta é complexa ou demora mais de 30 minutos, como cirurgia ao coração ou ao abdômen, como acontece numa cirurgia bariátrica.

Isto ocorre porque a imobilização durante a cirurgia, faz com que o sangue fique mais grosso e se desenvolvam coágulos, que na maioria dos casos se formam nas primeiras 48 horas depois da cirurgia até ao 7º dia do pós-operatório, causando vermelhidão na pele, calor e dor na perna. Veja mais sintomas em: Trombose Venosa Profunda.

O que fazer depois da cirurgia para evitar trombose

Para prevenir a ocorrência de trombose depois de uma cirurgia, o médico deve indicar:

Colocar meia elásticaColocar meia elástica
Fazer massagemFazer massagem
Fazer exercíciosFazer exercícios
  • Caminhar assim que possível: o paciente operado deve caminhar logo que tenha pouca dor e não corra risco de a cicatriz romper, pois o movimento do sangue diminui o risco de trombose. Normalmente, o paciente pode andar aio final de 2 dias, porém depende da cirurgia;
  • Elevar as pernas: esta técnica facilita o retorno do sangue ao coração e diminui o inchaço das pernas;
  • Fazer exercícios com as pernas: o paciente deve movimentar os pés e as pernas, dobrando e esticando cerca de 3 vezes ao dia;
  • Calçar meia elástica: o médico pode recomendar o uso de meias de compressão ainda antes da cirurgia e só devem ser tiradas uma semana depois para fazer a higiene do corpo;
  • Fazer massagem nas pernas de 3 em 3 horas.

Estas indicações devem ser mantidas durante pelo menos a primeira semana para evitar a formação de trombos e em grandes cirurgias por até 3 semanas de acordo com indicação médica. 

Além disso, o médico pode recomendar a estimulação elétrica de músculos da panturrilha e a compressão pneumática externa intermitente, que é feita com aparelhos que estimulam os movimentos do sangue em pacientes que não conseguem fazer movimentos das pernas, como indivíduos em coma.

Fatores que aumentam o risco de ter uma trombose depois da cirurgia

O risco de ocorrer uma trombose depois de uma cirurgia é maioria quando o paciente tem mais de 60 anos, principalmente idosos acamados, após acidentes ou AVC, por exemplo.

No entanto, outros fatores podem aumentar o risco de ter uma trombose venosa profunda depois de uma cirurgia, como:

  • A cirurgia é feita com anestesia geral ou peridural;
  • O individuo tem câncer e está fazendo quimioterapia;
  • O paciente tem sangue do tipo A;
  • O individuo tem doenças no coração, como insuficiência cardíaca ou problemas no sangue como trombofilia ou varizes;
  • Quando a mulher toma anticoncepcional, como pilula;
  • Se a cirurgia foi feita durante a gestação ou logo após o parto;
  • Caso o indivíduo tenha uma infecção ou excesso de peso.

Quado ocorre a formação de um trombo devido a uma cirurgia, há grande chances de desenvolver embolia pulmonar, pois os coágulos diminuem ou obstruem a passagem de sangue alojando-se nos pulmões.

Além disso, também pode ocorrer inchaço, varizes e pele acastanhada nas pernas, que em casos mais graves, pode levar a gangrena, que é a morte das células devido à falta de sangue.

Para saber como recuperar mais rapidamente veja:

Mais sobre este assunto:
Carregando
...