Como é feito o tratamento para coronavírus (COVID-19)

Dr.ª Clarisse Bezerra
Informação do autor: Dr.ª Clarisse Bezerra
Médica de Saúde Familiar
Janeiro 2022
Índice
  1. Casos leves
  2. Casos graves
  3. Alimentação
  4. Quando ir ao hospital

O tratamento da infecção pelo coronavírus (COVID-19) varia de acordo com a intensidade dos sintomas. Nos casos mais leves, em que existem apenas sintomas ligeiros como febre acima de 38ºC, tosse intensa, perda do olfato e do paladar ou dor muscular, o tratamento pode ser feito em casa com repouso e uso de alguns medicamentos para aliviar os sintomas.

Já nos casos mais graves, em que existe dificuldade para respirar, sensação de falta de ar e dor no peito, o tratamento precisa ser feito em internamento no hospital, já que é necessário fazer uma avaliação mais constante, além de poder ser necessário administrar medicamentos diretamente na veia e/ou utilizar respiradores para facilitar a respiração.

Em média, o tempo que a pessoa demora até ser considerada curada é de 10 dias, mas pode variar desde 5 dias até várias semanas, dependendo da gravidade da infecção. Entenda melhor quando a pessoa é curada da COVID-19.

Tratamento nos casos mais leves

Nos casos mais leves de COVID-19, em que a pessoa não apresenta sintomas ou apresenta sintomas pouco graves, como febre, cansaço, dor no corpo ou dor de cabeça, o tratamento pode ser feito em casa após a avaliação médica.

Normalmente o tratamento inclui ficar de repouso para ajudar o corpo a se recuperar, mas também é comum incluir o uso de alguns medicamentos prescritos pelo médico, como antipiréticos, analgésicos ou anti-inflamatórios, que ajudam a diminuir a febre, a dor de cabeça e o mal estar geral. Veja mais sobre os remédios utilizados para o coronavírus.

A Anvisa também aprovou o uso emergencial de dois coquetéis de anticorpos que podem ser usados nos casos leves a moderados e que não necessitam de suplementação de oxigênio, e que ajudam a eliminar o vírus mais rapidamente, acelerando a recuperação e evitando o agravamento da infecção. No entanto, estes medicamentos não podem ser usados em casa e devem ser administrados no hospital. Saiba mais sobre os medicamentos aprovados para a COVID-19.

Além disso, nos casos moderados em que é considerado que existe risco de evolução para um quadro mais grave, está aprovado o uso do Regdanvimabe, para pessoas acima de 55 anos e que não possuam comorbidades.

Cuidados durante o tratamento

Além do tratamento médico, durante a infecção COVID-19 é importante ter alguns cuidados que ajudam a manter o sistema imune fortalecido e outros que evitam a transmissão do vírus. Assim, de forma geral é recomendado:

  • Beber, pelo menos, 2 litros de água por dia, para otimizar o funcionamento do sistema imunológico e evitar uma possível desidratação;
  • Fazer uma alimentação saudável e natural, investindo na ingestão de alimentos ricos em proteína, como carne, peixe, ovos ou laticínios, assim como em frutas, legumes, cereais e tubérculos. Este tipo de alimentos ajuda a manter o corpo saudável e o sistema imune mais fortalecido;
  • Utilizar máscara bem ajustada ao rosto de modo a tapar o nariz e a boca e impedir que as gotículas de tosse ou espirros possam ser projetadas para o ar;
  • Manter o distanciamento social, uma vez que este permite diminuir o contato entre as pessoas. É importante evitar abraços, beijos e outros cumprimentos próximos. O ideal é que a pessoa infectada fique em isolamento no quarto ou em outro cômodo da casa.
  • Cobrir a boca ao tossir ou espirrar, utilizando um lenço descartável, que depois deverá ser jogado no lixo, ou a parte interna do cotovelo;
  • Evitar tocar no rosto ou na máscara com as mãos, e no caso de tocar é recomendado lavar as mãos logo a seguir;
  • Lavar as mãos com água e sabão regularmente durante, pelo menos, 20 segundos ou fazer a desinfecção das mãos com álcool gel 70% durante 20 segundos;
  • Desinfectar o celular com frequência, utilizando toalhetes com 70% álcool ou com um pano de microfibra umedecido em álcool 70%;
  • Evitar a partilha de objetos como talheres, copos, toalhas, lençóis, sabonetes ou outros objetos de higiene pessoal;
  • Limpar e arejar os cômodos da casa para permitir a circulação de ar;
  • Desinfetar as maçanetas das portas e todos os objetos compartilhados com outras pessoas, como por exemplo móveis, utilizando álcool 70% ou uma mistura de água com água sanitária;
  • Limpar e desinfectar o banheiro após ser utilizado, especialmente se for utilizado por outras pessoas;

Além disso, é importante colocar todo o lixo produzido numa sacola de plástico diferente, de forma a que sejam tomados os devidos cuidados quando for descartado. Confirma mais cuidados para evitar a transmissão da COVID-19.

Tratamento nos casos mais graves

Nos casos mais graves de COVID-19, em que se desenvolve uma pneumonia ou outras complicações sérias, é importante que o tratamento seja feito em internamento no hospital, para que a pessoa possa receber oxigênio, fazer medicação diretamente na veia e manter os sinais vitais avaliados com regularidade.

Para estes casos, a ANVISA aprovou o uso emergencial de diferentes medicamentos contra a COVID-19, como é o caso do Remdesivir, um medicamento antiviral que é capaz de ajudar o corpo a eliminar o vírus mais rápido, facilitando a cura. Além disso, está também indicado para casos graves o uso do Baricitinib em adultos que estão realizando ventilação de suporte. Veja quais são os medicamentos aprovados para a COVID-19.

Além destes medicamentos, o uso de corticoides injetáveis, como a dexametasona, também está indicado para os casos mais graves, pois permite diminuir a inflamação generalizada causada pela resposta do sistema imune ao vírus. O mesmo se aplica aos anticoagulantes que podem ser usados para prevenir o aparecimento de coágulos.

No caso de existir muita dificuldade para respirar ou caso a respiração comece a falhar, é possível que a pessoa seja transferida para a Unidade de Terapia Intensiva (UTI), para que possam ser utilizados equipamentos específicos, como o respirador, e para que a pessoa possa ficar sob vigilância mais apertada.

Alimentação durante a COVID-19

Alguns cuidados com a alimentação podem ajudar na recuperação em casos leves e moderados da COVID-19. Para isso é recomendado manter uma alimentação saudável e balanceada, priorizando alimentos naturais, como frutas e vegetais frescos; cereais integrais, como macarrão e pão integral; proteínas magras, como tofu e peixe; gorduras saudáveis, como azeite e amendoim; e leguminosas, como feijão e lentilha. Veja outras dicas para manter uma alimentação saudável e balanceada.

Além disso, é recomendado também beber bastante líquidos, como água e chás naturais, que são importantes para o fortalecimento do sistema imunológico.

Apesar de não existir comprovação científica sobre o consumo de nutrientes específicos no combate à COVID-19, alguns alimentos com propriedades antioxidantes, imunomoduladoras e anti-inflamatórias, como cúrcuma, alho, castanha do Pará e iogurte, fortalecem a imunidade, podendo ajudar na recuperação da doença. Conheça outros alimentos que ajudam a fortalecer a imunidade.

O que fazer se os sintomas persistirem após o tratamento

De acordo com a Organização Mundial da Saúde, pessoas que apresentam sintomas, como cansaço, tosse e sensação de falta de ar, mesmo depois de terem realizado o tratamento e serem consideradas curadas, devem fazer um monitoramento regular dos níveis de oxigênio em casa, utilizando um oxímetro de pulso. Esses valores devem ser relatados ao médico responsável por acompanhar o caso. Veja como usar o oxímetro para monitorar os níveis de oxigênio em casa.

Algumas pessoas podem também persistir com dores no corpo, dor de cabeça e alterações no olfato e paladar após os 14 dias de doença e serem consideradas curadas, devendo ser acompanhadas por um clínico geral ou neurologista, que fará uma avaliação desses sintomas e indicar um tratamento especifico para cada um deles, se necessário, e no caso de não melhorem após 2 semanas do fim da doença.

Já os pacientes que continuam internados, mesmo depois de serem considerados curados, a OMS recomenda o uso de uma dose baixa de anticoagulantes para evitar o aparecimento de coágulos, que possam causar trombose em alguns vasos sanguíneos.

Quando ir ao hospital

Nos casos de infecção leve, é recomendado voltar ao hospital se os sintomas piorarem, em caso de dor no peito, falta de ar ou se a febre ficar acima de 38ºC por mais de 48 horas, ou se não diminuir com o uso dos medicamentos indicados pelo médico.

A vacina da COVID-19 ajuda no tratamento?

O principal objetivo da vacina contra a COVID-19 é o de prevenir o aparecimento de casos de infecção grave. Por esse motivo, ela não é utilizada como forma de tratamento, já que deve ser aplicada antes de uma possível infecção para permitir que o corpo tenha anticorpos capazes de combater o vírus. Saiba mais sobre o funcionamento das vacinas contra a COVID-19.

Esta informação foi útil?

Bibliografia

  • MINISTÉRIO DA SAÚDE- FIOCRUZ. Guia de orientação em relação a alimentação e exercícios físico diante da pandemia da doença pelo SARS-CoV-2. 2020. Disponível em: <http://www.direh.fiocruz.br/aplicativos/gconteudo/ata20200327082853.pdf>. Acesso em 18 Jan 2022
  • UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE. Terapia Nutricional para prevenção, tratamento e reabilitação de indivíduos com COVID-19. 2020. Disponível em: <https://repositorio.ufrn.br/jspui/bitstream/123456789/29246/5/_Terapia%20nutricional%20para%20preven%C3%A7%C3%A3o%2C%20tratamento%20e%20reabilita%C3%A7%C3%A3o%20de%20indiv%C3%ADduos%20com%20COVID-19.pdf>. Acesso em 18 Jan 2022
Mostrar bibliografia completa
  • CONITEC. Diretrizes Brasileiras para Tratamento Hospitalar do Paciente com COVID-19 – Capítulo 2: Tratamento Farmacológico. 2021. Disponível em: <http://conitec.gov.br/images/Consultas/Relatorios/2021/20210517_Relatorio_Diretrizes_Brasileiras_COVID_Capitulo_2_CP_37.pdf>. Acesso em 30 Nov 2021
  • OMS. WHO recommends follow-up care, low-dose anticoagulants for COVID-19 patients. Disponível em: <https://www.who.int/news-room/feature-stories/detail/who-recommends-follow-up-care-low-dose-anticoagulants-for-covid-19-patients>. Acesso em 27 Jan 2021
  • MBAEYI, Sarah. Use of Pfizer-BioNTech COVID-19 Vaccine: Clinical Considerations. 2020. Disponível em: <https://www.cdc.gov/vaccines/acip/meetings/downloads/slides-2020-12/slides-12-12/COVID-03-Mbaeyi.pdf>.
  • DIREÇÃO-GERAL DA SAÚDE. Alimentação. Disponível em: <https://covid19.min-saude.pt/alimentacao-3/>. Acesso em 22 Dez 2020
  • MINISTÉRIO DA SAÚDE. Coronavírus (COVID-19): o que você precisa saber. Disponível em: <https://coronavirus.saude.gov.br/>. Acesso em 22 Dez 2020
  • SNS24. Medidas preventivas. Disponível em: <https://www.sns24.gov.pt/tema/doencas-infecciosas/covid-19/prevencao/medidas-preventivas/>. Acesso em 22 Dez 2020
  • SNS24. Testes e tratamento. Disponível em: <https://www.sns24.gov.pt/tema/doencas-infecciosas/covid-19/testes-e-tratamento/#sec-0>. Acesso em 22 Dez 2020
  • SNS24. COVID-19. Disponível em: <https://www.sns24.gov.pt/tema/doencas-infecciosas/covid-19/>. Acesso em 22 Dez 2020
Informação do autor:
Dr.ª Clarisse Bezerra
Médica de Saúde Familiar
Formada em Medicina pelo Centro Universitário Christus e especialista em Saúde da Família pela Universidade Estácio de Sá. Registro CRM-CE nº 16976.

Vídeos relacionados

  • VACINA DO CORONAVÍRUS É SEGURA? com Dr. Esper Kallas

    15:38 | 108711 visualizações
2.9 milhões