Colar de âmbar: possíveis benefícios e riscos

O colar de âmbar é um produto popularmente indicado para o alívio da cólica, diminuição do desconforto causado pelo nascimento dos dentes e melhora do sistema imune, já que o âmbar, quando em contato com a pele do bebê, poderia liberar ácido succínico, que por sua vez teria ação anti-inflamatória e analgésica. No entanto, não existe comprovação científica dos benefícios do colar e nem do potencial anti-inflamatório e analgésico do ácido succínico.

Além da falta de comprovação científica, o colar de âmbar poderia trazer riscos para o bebê, já que alguns colares não possuem a resistência adequada, podendo facilmente romper quando o bebê puxa, o que representa um maior risco de sufocamento. Além disso, como o bebê coloca o colar muitas vezes na boca e este fica exposto ao ambiente, há também maior risco de infecção. Assim, é importante que o pediatra seja consultado para que seja indicada a melhor forma de aliviar a dor e o desconforto sentido pelo bebê.

Colar de âmbar: possíveis benefícios e riscos

Possíveis benefícios

O funcionamento do colar de âmbar é sustentado na ideia de que a substância presente na pedra, o ácido succínico, é liberado quando a pedra é aquecida pelo corpo. Assim, essa substância seria absorvida pelo organismo e resultaria em efeitos anti-inflamatórios e analgésicos, o que poderia ter como benefícios:

  • Alívio das cólicas;
  • Alívio do desconforto causado pelo nascimento dos dentes;
  • Melhora do sistema imune, ajudando a combater inflamações no ouvido, garganta, estômago e do sistema respiratório.

No entanto, não há evidências científicas de que o ácido succínico é liberado da pedra quando aquecida, nem de que é absorvido pelo organismo e nem de que, caso seja absorvido, seja em concentrações ideais para que se tenham benefícios. Além disso, não há estudos que comprovem o efeito anti-inflamatório, analgésico ou estimulante do sistema imune desse colar.

A melhora das cólicas ou do desconforto causado pelo nascimento dos dentes nos bebês que fizeram uso do colar de âmbar não podem ser utilizadas como evidência científica, pois essas situações são consideradas naturais e melhoram ao longo do desenvolvimento da criança. Assim, pelo fato de não ter comprovações científicas relacionadas ao funcionamento e benefícios, o uso do colar de âmbar é contraindicado.

Riscos do colar de âmbar

Os riscos do colar de âmbar estão relacionados principalmente com o material com que são fabricados, isso porque alguns dos colares disponíveis no mercado podem ter menor resistência, de forma que quando puxado pelo bebê, podem romper, aumentando o risco de asfixia, por exemplo. Além disso, caso o colar seja colocado muito apertado no pescoço da criança ou se ficar preso em algum objeto, como no berço ou maçaneta da porta, há risco de sufocamento.

Outro risco associado ao colar de âmbar é a colonização por microrganismos, já que o bebê pode colocar diversas vezes na boca, tocar e o colar fica exposto ao ambiente. Assim, por mais que inicialmente os microrganismos que colonizam o colar não levem ao desenvolvimento de infecção, caso o bebê tenha alguma alteração na imunidade ou ferimento na boca, há maior risco de complicações. Além disso, por ser feito com um material mais duro, há risco de machucar a gengiva do bebê e causar irritação na boca.

Assim, devido aos riscos associados ao colar de âmbar e falta de comprovação científica sobre seus benefícios e eficácia, o uso desse produto é contraindicado, sendo recomendadas outras opções mais seguras, eficazes e comprovadas cientificamente para reduzir o desconforto do bebê.

Formas de aliviar a dor do bebê

Uma das formas seguras e indicadas pelos pediatras de aliviar a cólica no bebê, é fazer uma massagem na barriga do bebê com movimentos leves e circulares para estimular a eliminação dos gases, por exemplo. No caso da cólica não passar, é recomendado ir ao pediatra para que se possa investigar a causa das cólicas no bebê e possa ser indicado o melhor tratamento. Conheça outras formas de aliviar a cólica do bebê.

No caso do desconforto causado pelo nascimento dos dentes, pode-se fazer uma leve massagem na gengiva do bebê com a ponta do dedo, que deve estar bem limpa, ou dar brinquedos frios, pois assim, além de diminuir o desconforto, ainda a mantém entretida. Saiba outras opções para aliviar a dor do nascimento dos dentes.

Esta informação foi útil?

Bibliografia

  • G1. Colar de âmbar para bebês: entenda os riscos e muito cuidado. Disponível em: <https://g1.globo.com/bemestar/blog/ana-escobar/post/2019/01/21/colar-de-ambar-para-bebes-entenda-os-riscos-e-muito-cuidado.ghtml>. Acesso em 15 Mai 2019
  • JN. Especialistas alertam para perigos dos colares de âmbar para bebés. Disponível em: <https://www.jn.pt/sociedade/interior/especialistas-alertam-para-perigos-dos-colares-de-ambar-para-bebes-3072792.html>. Acesso em 15 Mai 2019
  • SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA. Colar de âmbar pode trazer riscos para as crianças, diz estudo. Disponível em: <https://www.sbp.com.br/imprensa/detalhe/nid/colar-de-ambar-pode-trazer-riscos-para-as-criancas-diz-estudo/>. Acesso em 15 Mai 2019
  • REVISTA QUESTÃO DE CIÊNCIA. Colar de âmbar para bebês: perigoso e inútil. Disponível em: <http://revistaquestaodeciencia.com.br/artigo/2018/12/12/colar-de-ambar-para-bebes-perigoso-e-inutil>. Acesso em 15 Mai 2019
  • FDA. FDA warns about safety risks of teething necklaces, bracelets to relieve teething pain or to provide sensory stimulation. Disponível em: <https://www.fda.gov/news-events/press-announcements/fda-warns-about-safety-risks-teething-necklaces-bracelets-relieve-teething-pain-or-provide-sensory>. Acesso em 15 Mai 2019
  • CHILD SAFETY LINK. Facts on… Amber Teething Necklaces: Dressing to Play Safe. 2014. Disponível em: <https://childsafetylink.ca/wp-content/uploads/2014/10/Amber-teething-necklaces.pdf>. Acesso em 15 Mai 2019
  • COX, Catherine; PETRIE, Neil; HURLEY, Katrina F. Infant Strangulation from an Amber Teething Necklace. CJEM. Vol 19. 5 ed; 400-403, 2017
  • NISSEN, Michael D.; LAU, Esther T.; CABOT, Peter J.; STEADMAN, Kathryn J. Baltic amber teething necklaces: could succinic acid leaching from beads provide anti-inflammatory effects?. BMC Complementary and Alternative Medicine. Vol 19. 2019
  • MACHET, Pauline; LANOTTE, Philippe; GIRAUDEAU, Bruno, et al. Amber necklaces: reasons for use and awareness of risk associated with bacterial colonisation. Eur J Dermatol 2016. Vol 26. 6 ed; 580-585, 2016
  • SOUDEK, Lucy; MCLAUGHLIN, Robyn. Fad over fatality? The hazards of amber teething necklaces. Paediatrics & Child Health. Vol 23. 2 ed; 2018
Mais sobre este assunto: