Cisto de Baker: o que é, sintomas, causas e tratamento

novembro 2022

​O cisto de Baker é um caroço que surge na parte de trás do joelho causado pelo acúmulo de líquido sinovial. Com o tempo, pode aumentar de tamanho e provocar dor, dificuldade de movimento e, nos casos mais graves, romper-se.

Normalmente, o cisto de Baker surge em pessoas com histórico de pancadas ou acidentes no joelho, doenças articulares ou que fizeram sobrecarga da articulação, devido a exercícios físicos intensos, por exemplo. 

Em caso de suspeita de cisto de Baker é importante consultar um clínico geral, ortopedista ou reumatologista para confirmar o diagnóstico e iniciar o tratamento adequado, que pode envolver desde repouso até cirurgia.

Principais sintomas

Os principais sintomas do cisto de Baker são: 

  • Dor, desconforto ou sensação de pressão atrás do joelho;
  • Dor atrás do joelho que piora com esforços;
  • Inchaço ou caroço na parte de trás do joelho;
  • Dificuldade para esticar ou dobrar a perna.

Embora cistos pequenos tendam a causar poucos ou nenhum sintoma, podem aumentar de tamanho com o tempo se não forem tratados adequadamente. 

Quando o cisto de baker é muito grande pode comprimir vasos ou nervos próximos, levando ao surgimento de outros sintomas como formigamento, fraqueza ou inchaço na perna.

Cisto de Baker rompido

O cisto de Baker pode se romper caso seja muito grande ou se existir um acúmulo rápido de líquido, provocando sintomas como dor intensa, vermelhidão e inchaço na perna. Neste caso, o inchaço ou caroço atrás do joelho tende a desaparecer e pode ocorrer a sensação de água escorrendo pela perna. 

Em caso de suspeita de cisto de Baker rompido é recomendado procurar uma emergência para confirmar o diagnóstico e iniciar o tratamento apropriado. 

O que causa o cisto de Baker

O cisto de Baker é causado pelo acúmulo de líquido sinovial na parte de trás do joelho, normalmente devido a alterações na articulação que levam à formação de uma cavidade onde o líquido consegue se acumular.    

O cisto de Baker é mais comum após acidentes ou pancadas diretas no joelho, mas também pode surgir em pessoas com doenças articulares como osteoartrite ou artrite reumatoide. A sobrecarga frequente da articulação, devido a exercícios físicos intensos e realizados sem orientação adequada, também é uma das possíveis causas do cisto de Baker.

Como confirmar o diagnóstico

O diagnóstico de cisto de Baker geralmente é feito pelo clínico geral, ortopedista ou reumatologista, levando em consideração os sintomas apresentados e o histórico de acidentes, pancadas no joelho e doenças articulares. No entanto, exames como a ultrassonografia do joelho ou ressonância magnética podem ser indicados para confirmar o diagnóstico.

O raio X do joelho pode não mostrar qualquer alteração que ajude no diagnóstico do cisto de Baker, no entanto, também pode ser pedido quando o médico suspeita de outra condição associada ou para avaliar outros problemas no joelho, como osteoartrite, por exemplo.

Como é feito o tratamento

O tratamento do cisto de Baker é indicado nos casos em que o cisto provoca sintomas e as principais opções de tratamento incluem:

1. Evitar esforços e repouso

Evitar esforços é importante para prevenir que o cisto provoque dor ou aumente de tamanho. Além disso, em caso de dor, evitar andar muito ou carregar pesos, por exemplo, é importante para prevenir a piora e permitir a recuperação adequada. 

2. Aplicação de compressas frias

A aplicação de compressas frias pode ser recomendada em caso de dor e inchaço. Para isso, pode-se enrolar um saco com gelo em uma toalha e aplicar sobre o local da dor por cerca de 15 minutos pela manhã e à noite, para aliviar os sintomas. 

3. Uso de anti-inflamatórios

Quando a dor é intensa, o médico pode indicar o uso de medicamentos anti-inflamatórios não esteroides, como ibuprofeno ou diclofenaco, para diminuir a inflamação e aliviar a dor. Confira os principais anti-inflamatórios e como usar.

4. Sessões de fisioterapia

A realização de fisioterapia, exercícios de reabilitação e alongamentos é indicada para fortalecer os músculos do joelho e evitar a pressão exagerada sobre a articulação. Assim, a fisioterapia é eficaz em aliviar os sintomas, principalmente nos casos em que a dor é leve.

5. Tratamento de doenças associadas

O tratamento adequado de outros problemas e doenças articulares, como artrite reumatoide e osteoartrite, é fundamental para evitar que o cisto aumente de tamanho e os sintomas causados pelo cisto piorem. Por isso, o médico pode orientar o tratamento de outras condições ou encaminhar para outro especialista. Veja como é feito o tratamento da osteoartrite.

6. Injeção de corticoide

A injeção de corticoide diretamente no cisto pode aliviar a dor e diminuir o tamanho. Geralmente é indicada quando os sintomas persistem mesmo com o uso de medicamentos ou a realização de fisioterapia. 

Além disso, é mais utilizada quando o cisto está associado a outras doenças como osteoartrite ou artrite reumatoide.

7. Aspiração do cisto por agulha

A aspiração do cisto por agulha pode ser indicada em alguns casos e pode ser combinada com a injeção de corticoide, para alívio da dor e redução do tamanho do cisto.

Normalmente, a aspiração por agulha é mais eficaz em pessoas jovens e sem outras doenças que afetam as articulações. 

8. Cirurgia

A cirurgia para cisto de Baker geralmente é indicada quando os outros tipos de tratamento não tiveram bons resultados e inclui a correção de outras alterações do joelho, além do próprio cisto. 

Neste caso, o tratamento pode envolver uma cirurgia aberta ou por meio de artroscopia. Entenda melhor o que é a artroscopia do joelho.

O Cisto de Baker é grave?

O cisto de Baker é uma condição benigna e geralmente não é considerado um problema grave. No entanto, é importante confirmar o diagnóstico e, quando indicado, realizar o tratamento adequado, para evitar a piora dos sintomas e o surgimento de complicações. 

Sinais de melhora ou piora

Os sinais de melhora do cisto de Baker podem demorar até alguns meses para surgir, dependendo do problema que o está causando, e incluem diminuição da dor, redução do inchaço e maior facilidade para movimentar o joelho.

Já os sinais de piora estão principalmente relacionados com o aumento do cisto ou o seu rompimento, que pode provocar dor intensa na panturrilha, inchaço do local e dificuldade para movimentar a perna.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Marcela Lemos - Biomédica, em novembro de 2022. Revisão clínica por Marcelle Pinheiro - Fisioterapeuta, em novembro de 2022.

Bibliografia

  • TAS, Nurmuhammet; UZKESER, Hulya; ERDAL, Akin. Is USG-guided aspiration more effective than physiotherapy in the treatment of Baker’s cyst?. Anatolian Current Medical Journal. Vol.4, n.1. 24 - 28, 2022
  • STATPEARLS. Baker's Cyst. 2022. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK430774/>. Acesso em 19 out 2022
Mostrar bibliografia completa
  • NANDURI, Arjun et al. Baker's Cyst. Cureus. Vol.13, n.12. 20403, 2021
  • NEST, Ducan S. V. et al. Popliteal Cysts: A Systematic Review of Nonoperative and Operative Treatment. JBJS Rev. Vol.8, n.3. 139, 2020
  • HERMAN, Alyssa M; MARZO, John M. Popliteal cysts: a current review. Orthopedics. Vol.37, n.8. 678-684, 2014
  • NHS. Baker's cyst. Disponível em: <https://www.nhs.uk/conditions/bakers-cyst/>. Acesso em 20 set 2021
  • AMERICAN ACADEMY OF ORTHOPAEDIC SURGEONS. Baker's Cyst (Popliteal Cyst). Disponível em: <https://orthoinfo.aaos.org/en/diseases--conditions/bakers-cyst-popliteal-cyst/>. Acesso em 20 set 2021
Revisão clínica:
Marcelle Pinheiro
Fisioterapeuta
Formada em Fisioterapia pela UNESA em 2006 com registro profissional no CREFITO- 2 nº. 170751 - F e especialista em dermatofuncional.