Cisto vaginal: o que é, sintomas, causas, tipos e tratamento

julho 2022
  1. Sintomas
  2. Causas
  3. Tipos
  4. Tratamento

O cisto vaginal é uma pequena bolsa de ar, líquido ou pus que se desenvolve no revestimento do interior da vagina, sendo causado por pequenos traumatismos no local, acúmulo de líquido dentro de uma glândula ou desenvolvimento de um tumor, por exemplo.

Um dos tipos mais comuns de cisto vaginal é o cisto que se desenvolve na glândula de Bartholin, que é responsável por produzir o líquido lubrificante da vagina. Este tipo de cisto normalmente pode ser observado logo na entrada na vagina, como uma pequena bola. Saiba mais sobre o cisto de Bartholin e como tratar.

A maior parte dos cistos na vagina não causa qualquer tipo de sintoma, mas, quando crescem muito, podem causar desconforto durante a relação ou ao utilizar um absorvente interno. Caso existam sintomas, o ginecologista pode aconselhar uma pequena cirurgia para retirar o cisto e melhorar os sintomas.

Sintomas de cisto vaginal

Os principais sintomas de cisto vaginal são:

  • Presença de um caroço ou bola na entrada ou na parede da vagina;
  • Dor ou desconforto durante o contato íntimo, ao caminhar ou sentar;
  • Vermelhidão, dor ou inchaço na região;
  • Sensação de aumento de temperatura no local do cisto;
  • Febre;
  • Dor abdominal;
  • Saída de pus pelo cisto.

Na maioria dos casos, o cisto vaginal não causa qualquer tipo de sintoma, sendo os sintomas normalmente notados quando o cisto é grande ou fica infectado.

Os sintomas do cisto vaginal também podem indicar outros problemas da região íntima e, por isso, caso surjam e durem mais do que 3 dias, é importante consultar o ginecologista para identificar a causa e iniciar o tratamento adequado. Veja outras as possíveis causas de dor durante a relação sexual.

Como confirmar o diagnóstico

O diagnóstico do cisto vaginal é feito pelo ginecologista, através da avaliação dos sintomas e do histórico de saúde, além do exame ginecológico e pélvico, que permite analisar a presença do cisto, tamanho e localização.

Além disso, o médico pode fazer o exame de papanicolau, para avaliar a presença de infecções sexualmente transmissíveis que possam causar alteração do revestimento da vagina, como o gonorreia ou clamídia, por exemplo, ou ainda solicitar exames como ultrassom transvaginal tomografia computadorizada ou ressonância magnética, que permitem ter imagens detalhadas do cisto.

Outro exame que o médico pode recomendar é a biópsia do cisto, para descartar a possibilidade de ser um câncer vaginal. Entenda como é feita a biópsia.

Possíveis causas

A causa mais comum do cisto vaginal é o entupimento de uma glândula ou um ducto, resultando em acúmulo de líquidos no seu interior e formação do caroço, como no caso do cisto de Bartholin ou cisto sebáceo.

Além disso, o cisto na vagina também pode surgir devido a trauma na parede da vagina durante o parto, por exemplo, como acontece com o cisto de Gartner ou cisto de Muller.

Outra causa do cisto vaginal são as infecções sexualmente transmissíveis (ISTs), como gonorreia ou clamídia, por exemplo. Veja as principais ISTs.

O cisto vaginal é contagioso?

A maioria dos cistos vaginais não são contagiosos. No entanto, se o cisto foi causado por uma infecção sexualmente transmissível, o cisto é contagioso.

Tipos de cisto vaginal

Existem diferentes tipos de cisto vaginal, que variam de acordo com a parte afetada. Assim, os principais tipos incluem:

  • Cisto de inclusão vaginal: é o tipo mais comum que normalmente surge devido a um trauma na parede da vagina que pode acontecer durante o parto ou devido a uma cirurgia, por exemplo;
  • Cisto de Bartholin: é um cisto que surge na entrada da vagina devido à inflamação e acúmulo de líquido no interior de uma ou mais glândulas de Bartholin, que produzem o lubrificante;
  • Cisto de Gartner: geralmente, surge na parede da vagina e é causado pelo acúmulo de líquido dentro de um canal que, na maioria das mulheres, desaparece depois do nascimento;
  • Cisto sebáceo: esse tipo de cisto se desenvolve quando as glândulas sebáceas, que produzem óleo na parte externa da vagina, ficam obstruídas, levando a formação de uma caroço preenchido por uma substância gordurosa amarelo-esbranquiçada.

Além disso, outro tipo de cisto vaginal é o cisto de Müller, que se forma nos ductos Mullerianos, devido a restos de materiais durante o desenvolvimento do feto, que deve desaparecer depois do nascimento, mas que se mantém até a idade adulta em algumas mulheres.

Como é feito o tratamento

O tratamento normalmente indicado para o cisto vaginal é o acompanhamento médico, para avaliar o crescimento do cisto, pois na maioria dos casos é pequeno e não causam sintomas, desaparecendo sozinho, sem necessitar de tratamento.

No entanto, quando o cisto é grande ou existem sintomas, o ginecologista pode recomendar uma cirurgia para drenar o líquido dentro do cisto.

Em casos mais raros, o cisto pode ainda desenvolver uma infecção e, nessa situação, o ginecologista pode indicar um antibiótico para tratar a infecção antes da cirurgia, por exemplo.

Possíveis complicações

Geralmente não existem complicações para um cisto vaginal, pois se mantêm pequenos sem crescer muito. Porém, caso cresçam podem causar dor ou desconforto, especialmente durante a relação íntima ou quando se precisa utilizar um absorvente interno.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Marcela Lemos - Biomédica, em julho de 2022.

Bibliografia

  • ALDRICH, E. R.; PAULS, R. N. Benign Cysts of the Vulva and Vagina: A Comprehensive Review for the Gynecologic Surgeon. Obstet Gynecol Surv. 76. 2; 101-107, 2021
  • INOCÊNCIO, G.; et al. Large Gartner cyst. BMJ Case Rep. 2013. bcr2012007996, 2013
Mostrar bibliografia completa
  • ILLINGWORTH, B.; et al. Evaluation of treatments for Bartholin's cyst or abscess: a systematic review. BJOG. 127. 6; 671-678, 2020
  • ESBER, A.; et al. Vaginal cysts: An important differential diagnosis in the anterior compartment.. Eur J Obstet Gynecol Reprod Biol. 267. 280-284, 2021
Equipe editorial constituída por médicos e profissionais de saúde de diversas áreas como enfermagem, nutrição, fisioterapia, análises clínicas e farmácia.