Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.

Sintomas e Tratamento do Cisto Coloide no cérebro e na tireoide

O cisto coloide corresponde a uma camada de tecido conjuntivo que contém em seu interior um material gelatinoso denominado coloide. Esse tipo de cisto pode ser redondo ou oval e varia de tamanho, no entanto não tende a crescer muito e nem se espalhar para outros locais do corpo. 

O cisto coloide pode ser identificado:

  • No cérebro: mais precisamente nos ventrículos cerebrais, que são regiões responsáveis pela produção e armazenamento do líquido cefalorraquidiano (LCR). Assim, a presença do cisto pode obstruir a passagem do LCR e levar ao acúmulo de líquido nessa região, causando hidrocefalia, aumento da pressão intracraniana e, em casos mais raros, morte súbita. Apesar de normalmente ser benigno e assintomático, quando diagnosticado é importante que o médico avalie o tamanho e a posição do cisto coloide para que seja verificada a possibilidade de obstrução da passagem do LCR e, assim, se possa definir o tratamento.
  • Na tireoide: O tipo mais comum de nódulo tireoidiano benigno é o nódulo colóide. Se um nódulo produz hormônios da tireoide, sem considerar a necessidade do corpo, ele é chamado de nódulo autônomo (quente), e pode ocasionalmente, levar ao hipertireoidismo. Se o nódulo é preenchido com fluido ou sangue, ele é chamado de cisto da tireoide. Diferentemente do cisto, o nódulo corresponde a uma lesão arrendondada e macia que normalmente cresce e pode apresentar aspecto maligno, sendo esta uma das principais preocupações quanto ao aparecimento dessas lesões na tireoide. Eles podem ser percebidos ao palpar o pescoço, sendo importante consultar um médico para que sejam solicitados exames e possa ser feito o diagnóstico. Saiba mais sobre o nódulo na tireoide e como é feito o tratamento.
Sintomas e Tratamento do Cisto Coloide no cérebro e na tireoide
Sintomas e Tratamento do Cisto Coloide no cérebro e na tireoide

Principais sintomas 

No cérebro: 

Na maioria das vezes o cisto coloide localizado no cérebro é assintomático, no entanto algumas pessoas relatam alguns sintomas pouco específicos, como:

  • Dor de cabeça;
  • Náuseas;
  • Tonturas;
  • Sonolência;
  • Pequenos esquecimentos;
  • Pequenas alterações de humor e comportamento.

Devido à falta de especificidade dos sintomas, o cisto coloide no cérebro normalmente não é identificado rapidamente, sendo o diagnóstico feito por meio de exames de imagens, como tomografia computadorizada e ressonância magnética, que são solicitados devido a outras situações.

Na tireoide: 

Não existem sintomas associados e o cisto é somente descoberto ao palpar a região do pescoço. O exame de ultrassom é indicado para identificar se suas bordas são arredondadas o que ajuda a identificar se há possibilidade de ser câncer ou não. A biópsia aspirativa ajuda a identificar qual o conteúdo, se existe líquido, sangue ou tecido duro em seu interior.

Como é feito o tratamento 

No cérebro:

O tratamento para o cisto coloide localizado no cérebro depende dos sintomas e posição que o cisto se encontra. Quando não há sintomas, não é estabelecido nenhum tratamento pelo neurologista, sendo apenas realizado acompanhamento periódico para verificar se o cisto cresceu. Quando são verificados sintomas, o tratamento é feito por cirurgia, em que é o cisto é drenado e sua parede completamente removida. Após a cirurgia é comum que o médico envie parte do cisto para o laboratório para que seja feita a biópsia e se possa verificar que é um cisto benigno de fato.

Na tireoide: 

Não é preciso realizar nenhum tipo de tratamento se o cisto for benigno, podendo apenas observar se ele está aumentando com o passar o tempo, ou não. Se for muito grande, tendo mais de 4 cm, ou se estiver causando sintomas, como dor, rouquidão ou atrapalha para engolir ou respirar, pode ser indicada a cirurgia para retirada do lobo afetado. Se houver produção descontrolada de hormônios ou se este for maligno, além da cirurgia pode ser realizado tratamento com iodo radioativo. 

Esta informação foi útil?

Bibliografia

  • WAINER, Simone Magagnin; MAIA, Ana Luiza. Nódulos de Tireoide. Revista HCPA. Vol.32. 1.ed; 118-119, 2012
  • WERLE, Norberto Weber. Lesões císticas intracranianas não neoplásicas. 2013. Disponível em: <https://pt.slideshare.net/radiologiaufsm/leses-csticas-intracranianas-no-neoplsicas>.
Mais sobre este assunto:

Carregando
...