Somos REDE D'OR
icon de informação icon de telefone 3003-3230
Número disponível apenas em território brasileiro, com custo de chamada local.

Candida auris: o que é, sintomas, tratamento e prevenção

Revisão clínica: Marcela Lemos
Biomédica
janeiro 2023
  1. Sintomas
  2. Diagnóstico
  3. Quem tem maior risco
  4. Tratamento
  5. Prevenção

Candida auris é um tipo de fungo oportunista que pode causar doença em pessoas que possuem a imunidade mais comprometida e estão internadas no hospital por muito tempo. A C. auris é multirresistente e, por isso, também é conhecida como "superfungo", o que significa que apresenta resistência a diversos antifúngicos, sendo difícil de eliminar.

A Candida auris foi identificada pela primeira vez em 2009, na secreção do ouvido de um paciente Japonês. Em 2016 foi determinado que a infecção por esse fungo fosse sempre de notificação obrigatória, já que seu tratamento e controle é bastante difícil.

No Brasil, o primeiro caso de Candida auris foi relatado em 2020, tendo existido desde então relato de novos casos, indicando que são necessárias maiores medidas identificação, prevenção e controle da infecção por Candida auris.

Imagem ilustrativa número 1

Sintomas de Candida auris

Os principais sintomas de infecção por Candida auris são:

  • Febre alta;
  • Tontura;
  • Fadiga;
  • Aumento da frequência cardíaca;
  • Vômitos.

A infecção por Candida auris é mais comum em pessoas que permanecem internadas no hospital por longos períodos e possuem sistema imunológico comprometido, o que favorece a presença do fungo na corrente sanguínea.

Esse fungo foi primeiramente identificado no ouvido, no entanto também pode estar relacionado com infecções urinárias e do sistema respiratório, podendo ser confundido com outros microrganismos. Apesar disso, ainda não é muito bem esclarecido se o foco da infecção por Candida auris pode realmente ser o pulmão ou o sistema urinário, ou se o fungo surge nesses sistemas como consequência de infecção em outro local o organismo.

Como é feito o diagnóstico

O diagnóstico da infecção por Candida auris é difícil, já que os métodos de identificação disponíveis são pouco específicos para a identificação dessa espécie, sendo importante a realização de exames mais específicos, como MALDI-TOF, para confirmar a espécie, ou testes diferenciais para descartar outras leveduras.

Além disso, esse fungo pode ser isolado de diversos materiais biológicos, como por exemplo sangue, secreção de ferida, secreções respiratórias e urina, por exemplo, e, por isso, é importante que o laboratório realize exames mais específicos quando for identificada na amostra a presença de levedura pertencente ao gênero Candida.

É importante também que à medida que o teste de identificação é feito, seja também realizado um antifungigrama, que é um teste que tem como objetivo identificar a quais antimicrobianos o fungo testado é sensível ou resistente e, assim, é possível saber qual o tratamento mais adequado para a infecção.

Quem tem maior risco de infecção?

O risco de infecção por Candida auris é maior quando a pessoa:

  • Permanece internada por um longo período no hospital;
  • Fez uso anteriormente de antifúngicos;
  • Possuem cateter venoso central ou outros dispositivos médicos no organismo, já que esse fungo possui capacidade de aderir a equipamentos médicos;
  • Faz ou fez uso prolongado ou indiscriminado de antibióticos.

Além disso, pessoas que foram submetidas recentemente a procedimentos cirúrgicos, possuem doenças crônicas, como diabetes, por exemplo, e encontram-se com o sistema imunológico debilitado possuem mais risco de infecção pela Candida auris.

Outro fator que favorece a infecção por Candida auris é a temperatura elevada, isso porque esse fungo tem desenvolvido mecanismos de resistência às altas temperaturas, conseguindo sobreviver e proliferar no ambiente e no corpo humano com mais facilidade.

Tratamento para Candida auris

O tratamento para Candida auris é difícil, já que esse fungo tem demonstrado resistência aos antifúngicos normalmente utilizados no tratamento das infecções por Candida, sendo, por isso, também chamado de superfungo. Dessa forma, o tratamento é definido pelo médico de acordo com a gravidade da infecção e com o sistema imunológico do paciente, podendo ser indicado o uso de antifúngicos da classe das Equinocandinas ou a combinação de vários antifúngicos em altas doses.

É importante que a infecção por Candida auris seja identificada e tratada o mais rápido possível para evitar que esse fungo espalhe-se pela corrente sanguínea e dê origem à infecção generalizada, o que é muitas vezes fatal.

Como prevenir

A prevenção da infecção por Candida auris deve ser feita com o objetivo de evitar a contaminação por esse microrganismo, que pode acontecer principalmente em meio hospitalar por meio do contato prolongado com superfícies contendo o fungo ou dispositivos médicos, principalmente cateteres.

Assim, como forma de prevenir o contágio e a transmissão desse fungo, é importante ter atenção à lavagem das mãos antes e após o contato com o paciente, assim como atenção à desinfecção das superfícies hospitalares e dos dispositivos médicos.

Além disso, é importante que a pessoa que for diagnosticada com a infecção por Candida auris, fique em isolamento, pois assim é possível prevenir a infecção de outras pessoas presentes no ambiente de saúde e que possuem o sistema imunológico mais enfraquecido.

Por isso, é importante que o hospital tenha um sistema de controle de infecção eficiente e estimule medidas de prevenção de infecção tanto relacionadas com o paciente e a equipe quanto com os visitantes do hospital, assim como sejam estabelecidos protocolos de identificação e monitoramento laboratorial das infecções por Candida sp. que apresentem resistência aos antimicrobianos. Saiba como prevenir infecções hospitalares.

Esta informação foi útil?

Atualizado e revisto clinicamente por Marcela Lemos - Biomédica, em janeiro de 2023.

Bibliografia

  • ZULUAGA-RODRIGUEZ, A. Candida auris: estrategias y retos para prevenir un brote. Biomédica. 40. 1; 2020
  • AHMAD, S; ALFOUZAN, W. Candida auris: Epidemiology, Diagnosis, Pathogenesis, Antifungal Susceptibility, and Infection Control Measures to Combat the Spread of Infections in Healthcare Facilities. Microorganisms. 9. 4; 807, 2021
Mostrar bibliografia completa
  • CDC. Candida auris. Disponível em: <https://www.cdc.gov/fungal/candida-auris/index.html>. Acesso em 16 dez 2020
  • CDC. General Information about Candida auris. Disponível em: <https://www.cdc.gov/fungal/candida-auris/candida-auris-qanda.html>. Acesso em 16 dez 2020
  • SPIVAK, Emily S.; HANSONA, Kimberly E. Candida auris: an Emerging Fungal Pathogen. Journal of Clinical Microbiology. Vol 56. 2 ed; 1-10, 2018
  • SARDI, Janaina de C. O.; SILVA, Diego R.; GIANNINI, Maria J. S. M.; ROSALEN, Pedro L. Candida auris: Epidemiology, risk factors, virulence, resistance, and therapeutic options. Microbial Pathogenesis. 2018
  • CDC. Infection Prevention and Control for Candida auris. Disponível em: <https://www.cdc.gov/fungal/candida-auris/c-auris-infection-control.html>. Acesso em 16 dez 2020
  • ANVISA. Alerta de Risco GVIMS/GGTES/Anvisa n o 01/2020 . 2020. Disponível em: <https://www.gov.br/anvisa/pt-br/assuntos/noticias-anvisa/2020/identificacao-de-possivel-caso-de-candida-auris-no-brasil/ALERTA012020CANDIDAAURIS07.12.2020_2.pdf>. Acesso em 16 dez 2020
  • ANVISA. Relatos de surtos de Candida auris em serviços de saúde da América Latina. . 2017. Disponível em: <https://www.gov.br/anvisa/pt-br/centraisdeconteudo/publicacoes/servicosdesaude/comunicados-de-risco-1/comunicado-de-risco-no-01-2017-gvims-ggtes-anvisa-1/@@download/file/COMUNICADO_DE_RISCO_Candida_auris.pdf>. Acesso em 16 dez 2020
Revisão clínica:
Marcela Lemos
Biomédica
Mestre em Microbiologia Aplicada, com habilitação em Análises Clínicas e formada pela UFPE em 2017 com registro profissional no CRBM/ PE 08598.