30 alimentos mais ricos em zinco

Revisão clínica: Tatiana Zanin
Nutricionista
agosto 2022

O zinco é um mineral fundamental para o organismo, mas que não é produzido pelo corpo humano, sendo facilmente encontrado em alimentos de origem animal. Suas funções incluem garantir o bom funcionamento do sistema nervoso e fortalecer o sistema imunológico, deixando o corpo mais forte para resistir a infecções provocadas por vírus, fungos ou bactérias.

Além disso, o zinco desempenha papéis estruturais importantes, sendo um componente essencial de várias proteínas do organismo. Por isso, a falta de zinco pode provocar alterações na sensibilidade aos sabores, queda de cabelo, dificuldade para cicatrizar e, até, problemas de crescimento e desenvolvimento em crianças. Confira o que a falta de zinco pode causar no corpo.

Algumas das principais fontes de zinco são alimentos de origem animal, como ostras, carne de boi ou fígado. Já as frutas e hortaliças, em geral, são pobres em zinco e, por isso, pessoas que fazem uma dieta do tipo vegetariano, por exemplo, devem ingerir especialmente feijão de soja e frutos secos, como a amêndoa ou o amendoim, para manter seus níveis de zinco melhor regulados.

Para que serve o zinco

O zinco é muito importante para o funcionamento do organismo, tendo funções como:

  • Fortalecer o sistema imunológico;
  • Prevenir o envelhecimento;
  • Melhorar a memória;
  • Regular a produção de vários hormônios;
  • Fortalecer o cabelo.

A carência do zinco pode causar diminuição do paladar, perda de peso, apatia, retardo do crescimento, queda de cabelo, queda de imunidade e intolerância à glicose. Enquanto que o excesso de zinco pode se manifestar através de náuseas, vômito, dores abdominais, anemia ou deficiência de cobre. Saiba mais sobre as funções do zinco no corpo.

Tabela de alimentos ricos em zinco

A lista a seguir apresenta os alimentos com maiores quantidades de zinco em 100g:

AlimentosQuantidade de zinco em 100 g dos alimentos
Ostras cruas91 mg
Carne de boi assada8,5 mg

Fígado de boi cozido

4,5 mg

Peru cozido

4,5 mg

Carne de vitela cozida

4,4 mg

Fígado de frango cozido

4,3 mg
Caranguejo cozido4,3 mg
Cordeiro cozido4,0 mg
Frango cozido2,9 mg
Porco assado2,48 mg
Queijo mussarela2,76 mg
Gérmen de trigo 12,2 mg
Sementes de cânhamo9,9 mg 
Sementes de papoula7,9 mg
Gergelim7,7 mg
Sementes de abóbora7,6 mg
Cardamomo7,5 mg
Sementes de abóbora7,3 mg
Amêndoas5,0 mg
Feijão de soja cozido4,1 mg
Amendoim4,8 mg
Castanha do Pará4,5 mg
Noz pecã4,3 mg
Castanha de caju4,7 mg
Aveia em flocos3,97 mg
Chocolate 70-85%3,3 mg
Nozes3,1 mg
Arroz integral 2, 2 mg
Tofu 2 mg 
Feijão cozido1,4 mg

O que pode interferir na absorção de zinco

A quantidade de zinco absorvida no organismo pode ser afetada por alguns fatores, que podem ser nutricionais ou relacionados a doenças intestinais, como diarreia e doença celíaca, por exemplo.

O zinco proveniente dos alimentos de origem vegetal é mais difícil de ser absorvido no intestino devido à presença de ácido fítico. Além disso, os alimentos processados possuem uma grande perda de zinco, como é o caso dos cereais refinados, sendo importante consumir os integrais. Por outro lado, os alimentos ricos em zinco de origem animal conseguem ser melhor absorvidos a nível intestinal, já que possuem proteínas que facilitam a sua absorção.

Ingestão diária recomendada

A ingestão diária recomendada de zinco varia de acordo com a fase da vida, a idade e o sexo de cada pessoa. Mulheres de 18 anos de idade em diante precisam consumir 8,0 mg e zinco por dia. Já a ingestão indicada para homens de 18 anos em diante é de 11 mg. Conheça a ingestão diária recomendada de zinco para cada pessoa.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Karla S. Leal - Nutricionista, em agosto de 2022. Revisão clínica por Tatiana Zanin - Nutricionista, em agosto de 2022.

Bibliografia

  • FOOD AND NUTRITION BOARD, INSTITUTE OF MEDICINE. Dietary Reference Intakes (DRIs): Recommended Dietary Allowances and Adequate Intakes, Elements. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK56068/table/summarytables.t3/?report=objectonly>. Acesso em 11 mai 2021
  • TABELA NUTRICIONAL DO MEL. PortFIR. Disponível em: <http://portfir.insa.pt/foodcomp/food?18316>. Acesso em 11 ago 2020
Mostrar bibliografia completa
  • UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. Tabela Brasileira de Composição de Alimentos - TACO. 2011. Disponível em: <http://www.nepa.unicamp.br/taco/contar/taco_4_edicao_ampliada_e_revisada.pdf?arquivo=taco_4_versao_ampliada_e_revisada.pdf>. Acesso em 11 mai 2021
  • MAHAN, L. Kathleen et al. Krause: Alimentos, Nutrição e Dietoterapia. 13.ed. São Paulo: Elsevier Editora, 2013. 111-114.
  • COZZOLINO Silvia. Biodisponibilidade de nutrientes. 4º. Brasil: Manole Ltda, 2012. 695-714.
Revisão clínica:
Tatiana Zanin
Nutricionista
Formada pela Universidade Católica de Santos em 2001, com registro profissional no CRN-3 nº 15097.