Mau hálito: 13 principais causas e o que fazer

agosto 2022

O mau hálito é um sintoma relativamente comum que pode surgir após o consumo de alimentos como brócolis, alho ou cebola, ou por ficar muitas horas sem comer, mas também pode surgir devido ao acúmulo de bactérias na língua, a cáries ou problemas na gengiva, como a gengivite ou periodontite.

Além disso, em alguns casos, o mau hálito, conhecido cientificamente como halitose, pode ser acompanhado de outros sintomas, como sensação de boca seca, aumento da sede, mal estar geral, cansaço ou ansiedade, o que pode indicar pode indicar algum problema de saúde, como a diabetes, insuficiência renal ou problemas psiquiátricos, por exemplo.

É importante consultar o clínico geral ou o dentista, sempre que surja sintoma de mau hálito, especialmente quando é frequente ou acompanhado de outros sintomas, para que seja feita uma avaliação, identificada a causa e, assim, ser indicado o tratamento mais adequado.

As principais causas de mau hálito são:

1. Sujeira na língua

Na maior parte das vezes o mau hálito é causado pelo acúmulo de bactérias na língua que deixa sua superfície com uma cor esbranquiçada, amarelada, de cor marrom ou cinza. Mais de 70% das pessoas com mau hálito, ao limparem a língua adequadamente, conseguem um hálito puro.

O que fazer: sempre que se escovar os dentes deve-se também usar um limpador de língua que se compra nas farmácias ou drogarias. Para usar, basta pressionar por toda língua, no sentido de trás para frente, para remover completamente a sujeira da língua. No caso de não se ter um limpador também se pode limpar a língua com a escova de dentes, passando em movimento de trás para a frente, no final da escovagem.

2. Cáries

As cáries também são causas comuns do mau hálito porque neste caso a proliferação de bactérias dentro da boca é muito grande e há liberação de cheiro característico que leva ao desenvolvimento do mau hálito.

O que fazer: caso exista suspeita de algum destes problemas, deve-se ir ao dentista para identificar e tratar cada um. Além disso, é importante escovar muito bem os dentes, a gengiva, o interior das bochechas e a língua para evitar o surgimento de novas cáries ou placa bacteriana. Veja como escovar os dentes corretamente.

3. Doenças gengivais ou periodontais

As doenças gengivais ou periodontais, como a gengivite ulcerativa necrosante aguda, gengivite herpética, periodontite, pericoronarite, abscesso periodontal, podem causar o mau hálito, pois provocam uma inflamação e infecção na gengiva.

Essas doenças são causadas pelo acúmulo de placa ou tártaro entre os dentes e a gengiva, resultando em inflamação, infecção ou na destruição do tecido que sustenta o dente, podendo afetar um ou mais dentes.

O que fazer: deve-se consultar o dentista para que seja feita uma avaliação e diagnosticada a gengivite ou a periodontite. O dentista deve remover completamente todo tártaro acumulado, sendo importante manter uma escovação dos dentes de forma correta, com uma escova macia ou elétrica e utilizar o fio dental diariamente. Além disso, no caso da periodontite, o dentista pode indicar o uso de antibióticos ou até cirurgia. Veja como é feito o tratamento da periodontite.

4. Ficar muitas horas sem comer

Ao passar mais de 5 horas sem comer nada é normal ficar com mau hálito e, é por isso, que ao acordar pela manhã este odor está sempre presente. Isso acontece porque as glândulas salivares produzem menos saliva, que serve para ajudar a digerir os alimentos e a manter a boca limpa.

Além disso, ao ficar muito tempo sem comer, o organismo pode começar a produzir corpos cetônicos como fonte de energia a partir da degradação das células de gordura, causando o mau hálito.

O que fazer: é aconselhado evitar ficar mais de 3 ou 4 horas sem comer, durante o dia, e mesmo se precisar ficar de jejum por mais tempo, deve sempre beber pequenos goles de água para ir limpando a boca e estimulando a produção de saliva. Chupar um cravinho-da-índia pode ser uma solução natural muito eficaz nesse caso.

Conheça algumas outras dicas para eliminar o mau hálito de forma natural no vídeo a seguir:

5. Usar dentadura

Pessoas que usam algum tipo de dentadura têm maiores chances de ter mau hálito porque é mais difícil manter a boca sempre limpa e a própria placa pode acumular sujeira e restos de comida, principalmente se não estiver do tamanho ideal, com um encaixe perfeito dentro da boca.

Pequenos espaços entre a placa e a gengiva podem permitir o acúmulo de restos de comida, fazendo com que bactérias se multipliquem, causando o mau hálito.

O que fazer: deve-se escovar os dentes e toda região interna da boca e também limpar muito bem a dentadura todos os dias antes de dormir. Existem soluções que o dentista poderá indicar para deixar a dentadura de molho durante toda a noite e eliminar as bactérias. Mas antes de colocar novamente esta prótese na boca, pela manhã, também é aconselhado lavar novamente a boca para manter o hálito puro. Confira o passo-a-passo para limpar a dentadura corretamente.

6. Comer alimentos que pioram o hálito

Certos alimentos podem provocar mau hálito, como é o caso do brócolis, da couve galega e da couve-flor. Estes vegetais favorecem a formação de enxofre dentro do corpo e este gás pode ser eliminado pelo ânus ou pela boca.

Além disso, alimentos como alho e cebola também favorecem o mau hálito somente pelo ato de mastigá-los porque contêm um odor muito forte e característico que pode permanecer dentro da boca por horas.

O que fazer: o ideal é evitar o consumo muito frequente destes alimentos, mas além disso também é importante sempre escovar os dentes e limpar muito bem a boca depois do seu consumo porque assim o hálito volta a ficar mais fresco. Veja a lista completa de alimentos que causam gases e que, por isso, também favorecem o mau hálito.

7. Infecções na garganta ou sinusite

Quando se está com a garganta inflamada e se tem pus na garganta, ou quando se está com sinusite, é normal ter mau hálito porque nesse caso existem muitas bactérias na região da boca e da cavidade nasal que acabam liberando este mau cheiro.

O que fazer: gargarejos com água morna e sal são excelentes para ajudar a remover o pus da garganta, eliminando naturalmente o mau hálito. Já respirar o vapor de água morna com eucalipto também é excelente para fluidificar as secreções nasais, favorecendo sua retirada, sendo um ótimo remédio caseiro contra sinusite. Além disso, é importante consultar o otorrinolaringologista, que pode indicar uso de remédios antibióticos para combater a infecção.

8. Problemas no estômago

Em caso de má digestão ou gastrite é comum o surgimento da eructação, que são os arrotos. Estes gases, ao passar pelo esôfago, e chegar a boca também podem provocar mau hálito, especialmente se forem muito frequentes.

O que fazer: melhorar a digestão comendo sempre em pouca quantidade, de forma mais variada e comer sempre alguma fruta no fim de cada refeição é uma ótima estratégia natural para combater o mau hálito causado pelos problemas de estômago. Veja mais exemplos em remédio caseiro para o estômago.

9. Diabetes descompensada

A diabetes não controlada, ou descompensada, também pode causar mau hálito com cheiro semelhante à maçã podre, e isso acontece devido à cetoacidose diabética, que é comum nesses casos, podendo ser acompanhada de outros sintomas, como sensação de sede intensa e boca seca, cansaço e fraqueza intensos ou confusão mental.

A cetoacidose diabética acontece porque como não há quantidade suficiente de glicose dentro das células, o organismo passa a produzir corpos cetônicos com o objetivo de gerar energia, resultando no mau hálito e também diminuindo o pH do sangue, o que pode ser perigoso caso a diabetes não seja devidamente tratada.

O que fazer: deve-se fazer o tratamento da diabetes de acordo com a orientação do endocrinologista, pois assim é possível evitar que haja a cetoacidose diabética. Além disso, caso sejam verificados sintomas de cetoacidose, é importante que a pessoa vá imediatamente para o hospital ou pronto-socorro para evitar complicações. Saiba identificar a cetoacidose diabética.

10. Xerostomia

A xerostomia, conhecida popularmente como boca seca, é caracterizada pela diminuição ou interrupção da produção de saliva ou alteração na composição da saliva, fazendo com que a boca fique muito seca, o que leva ao surgimento do mau hálito.

Geralmente, o mau hálito é acompanhado de outros sintomas, como saliva grossa ou dificuldade para mastigar, e geralmente, é causada pelo hábito de fumar, estresse, ansiedade ou até doenças, como anemia, lúpus ou esclerose múltipla, por exemplo.

O que fazer: é importante beber bastante água ao longo do dia para hidratar as mucosas da boca e diminuir o desconforto da boca seca, além de evitar fumar. Além disso, o médico pode recomendar o uso de saliva artificial ou o tratamento específico para a doença que esteja causando a xerostomia. Veja outras causas de boca seca e o que fazer.

11. Problemas no fígado

Alguns problemas no fígado, como a insuficiência hepática, podem causar mau hálito, geralmente com um cheiro adocicado, devido a uma dificuldade do fígado de realizar suas principais funções, como síntese de fatores de coagulação, metabolismo e eliminação de toxinas do corpo.

Além disso, a insuficiência hepática pode causar inchaço na barriga, pele e olhos amarelados ou sensação de mal-estar geral. Saiba identificar todos os sintomas da insuficiência hepática.

O que fazer: quando existe suspeita de insuficiência hepática é importante consultar o hepatologista para que seja feito o diagnóstico, identificada a causa e iniciado tratamento adequado, que pode incluir o uso de medicamentos ou até transplante de fígado, dependendo do estágio da doença.

12. Insuficiência renal

A insuficiência renal é uma doença em que os rins perdem a sua capacidade para filtrar o sangue e eliminar toxinas do organismo, como a creatinina e a ureia, através da urina, que acabam por ficar acumuladas na corrente sanguínea e são eliminados pelos pulmões através da respiração, causando mau hálito, com cheiro semelhante à urina.

O que fazer: o tratamento da insuficiência renal deve ser orientado pelo nefrologista, que pode indicar remédios anti-hipertensivos e diuréticos, pois assim é possível favorecer a eliminação de substâncias tóxicas que possam estar acumuladas no organismo. Nos casos mais graves, o médico pode indicar o tratamento com hemodiálise ou até transplante de rim. Veja como é feito o tratamento da insuficiência renal.

13. Transtorno de referência olfativa

O transtorno de referência olfativa é uma condição psiquiátrica em que a pessoa sente que está com mau hálito o tempo todo, embora não seja percebido por outras pessoas.

Essa condição pode gerar ansiedade, porque além de sentir que está com mau hálito, a pessoa também acredita que outras partes do corpo também apresenta mau cheiro, como axilas ou pés, por exemplo.

O que fazer: deve-se consultar o clínico geral para que sejam feitos exames e descartadas doenças que podem causar o mau hálito. Se o diagnóstico do transtorno de referência olfativa for diagnosticado, o médico deve encaminhar a pessoa para o psiquiatra, que pode indicar o melhor tratamento que pode ser feito com terapia cognitivo comportamental ou uso de remédios antidepressivos, por exemplo.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Flávia Costa - Farmacêutica, em agosto de 2022.

Bibliografia

  • DE GEEST, S.; et al. Periodontal diseases as a source of halitosis: a review of the evidence and treatment approaches for dentists and dental hygienists. Periodontol 2000. 71. 1; 213-27, 2016
  • KAPOOR, U; et al. Halitosis: Current concepts on etiology, diagnosis and management. Eur J Dent. 10. 2; 292-300, 2016
Mostrar bibliografia completa
  • OUTHOUSE, T. L.; et al. Tongue scraping for treating halitosis. Cochrane. 4. 1-15, 2008
  • WU, J.; et al. Halitosis: prevalence, risk factors, sources, measurement and treatment - a review of the literature. Aust Dent J. 65. 1; 4-11, 2020
  • BICAK, D. A. A Current Approach to Halitosis and Oral Malodor- A Mini Review. Open Dent J. 12. 322-330, 2020
  • ÇOBAN, Z; SÖNMEZ, I. Halitosis: A Review of Current Literature. Meandros Med Dent Journal. 164-166, 2017
  • ORTIZ, V.; FILIPI, A. Halitosis. Monogr Oral Sci. 29. 195-200, 2021
Equipe editorial constituída por médicos e profissionais de saúde de diversas áreas como enfermagem, nutrição, fisioterapia, análises clínicas e farmácia.

Tuasaude no Youtube

  • Como curar o mau hálito

    02:35 | 622304 visualizações