Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.

4 razões para comer menos carne vermelha

As carnes vermelhas provenientes de amimais como boi, ovelha, carneiro e porco são uma excelente fonte de proteínas, vitamina B3, B6 e B12 e minerais essenciais para o organismo como o ferro, zinco e selênio, podendo ter diversos benefícios para a saúde quando fazem parte de uma alimentação saudável e balanceada.

No entanto, quando consumida diariamente e em excesso, e quando se consome cortes com maior teor de gordura, as carnes vermelhas podem causar problemas de saúde, aumentando o risco de doenças cardiovasculares, principalmente.

Esse risco é maior quando se consome carnes vermelhas processadas, como a salsicha, o salame e o chouriço, por exemplo, já que possuem elevado nível de sódio, conservantes e outros aditivos químicos que acabam sendo mais danosos ao organismo que a carne vermelha em si, estando associada a um maior risco de morte prematura.

4 razões para comer menos carne vermelha

As principais razões pelo qual se recomenda diminuir o consumo de carnes vermelhas durante a semana são:

1. Aumenta o risco de doenças cardíacas

O consumo diário de carnes vermelhas aumenta o risco de desenvolvimento de doenças cardíacas, podendo haver alteração no funcionamento do coração, aumento do colesterol, aterosclerose e pressão alta. Isso acontece devido ao fato desse tipo de carne conter gorduras saturadas, colesterol e no caso das carnes processadas, sódio e aditivos como nutratos e nitritos, que são prejudiciais para a saúde.

É importante mencionar que mesmo com a retirada do excesso de gordura visível na carne antes e depois do cozimento, a gordura permanece entre as fibras musculares.

O que é recomendado: É recomendado dar preferência aos cortes de carne vermelha com menos gordura, reduzir o consumo entre 2 a 3 vezes por semana e grelhada, evitando as frituras e molhos. Também é importante restringir ao máximo o consumo de carnes processadas, pois são as mais prejudiciais à saúde.

2. Aumenta o risco de câncer

O excesso de carne vermelha, principalmente quando acompanhado de um baixo consumo de frutas, legumes, verduras e grãos integrais, aumenta o risco de câncer de cólon, principalmente. Além disso, alguns estudos também relacionaram o excesso de carne vermelha com outros tipos de câncer, como o de estômago, faringe, reto, mama e próstata.

Isso acontece porque esse tipo de carne aumenta a inflamação no intestino, principalmente as carnes processadas como bacon, salsicha e linguiça, favorecendo alterações nas células que podem gerar inflamação e câncer.

Os estudos sobre o tema são bastante limitados, no entanto alguns sugerem que é possível que esse efeito não seja de fato da carne, mas sim de alguns componentes que foram formados durante o seu cozimento, principalmente quando cozinhada a elevadas temperaturas.

O que é recomendado: É indicado evitar que a carne cozinhe por muito tempo e que fique exposta diretamente à chama, assim como o cozimento em elevadas temperaturas deve ser evitado. Também é importante evitar o consumo de carne fumada ou queimada e, caso isso aconteça, é recomendado retirar essa parte.

Além disso, preparar a carne com cebola, alho e/ou azeite de oliva poderia ajudar a eliminar um dos componentes danosos que é formado durante o cozimento. O ideal é preparar as carnes em uma superfície quente para evitar adicionar algum tipo de azeite ou gordura vegetal, permitindo que a própria carne libere a dua própria gordura.

3. Poderia aumentar a acidez do sangue

As dietas mais ácidas que contém um elevado consumo de carnes vermelhas, açúcares e um baixo consumo de frutas e vegetais, estão associadas com um aumento do risco de desenvolvimento de doenças renais e diabetes, diferentemente das dietas mais alcalinas, em que há maior consumo de frutas, vegetais, frutos secos e menor teor de proteína.

Alguns estudos indicam que o consumo em excesso de carnes vermelhas, principalmente as processadas, poderiam aumentar a acidez no organismo. Acredita-se que isso poderia causar dano nos tecidos, o que pode sua vez iniciaria um processo inflamatório, resultando em diversas consequências para a saúde. No entanto, os resultados desses estudos científicos são variados, sendo necessária a realização de mais investigações à respeito.

O que é recomendado: Aumentar o consumo de frutas, vegetais, nozes, pescados, carnes brancas e alimentos ricos em fibras, diminuindo o consumo de carnes vermelhas, principalmente as processadas.

4. Poderia favorecer infecções intestinais resistentes aos antibióticos

O uso frequente de antibióticos nos animais pode estimular o aparecimento de bactérias mais resistentes nesses animais. Após o abatimento e durante o processamento para a alimentação, as bactérias resistentes desses animais podem contaminar a carne ou outros produtos de origem animal, aumentando o risco de infecção intestinal nas pessoas por microrganismos resistentes.

O que é recomendado: Lavar as mãos logo após manipular carnes cruas, lavar os utensílios antes de utilizar com outros alimentos (para evitar a contaminação cruzada), evitar o consumo de carnes cruas e evitar manter a carne sem refrigeração por mais de 2 horas.

Além disso, o ideal é que a carne vermelha seja proveniente de produtores ecológicos, já que os animais são alimentados de forma mais natural possível, são criados ao ar livre e não são utilizados medicamentos ou substâncias químicas e, por isso, sua carne é mais saudável não só para as pessoas mas também para o meio ambiente.

Esta informação foi útil?

Bibliografia

  • BRONZATO Sofia et al. A Contemporary Review of the Relationship between Red Meat Consumption and Cardiovascular Risk. International Journal of Preventive Medicine . 8. 1; 1-7, 2017
  • CENTERS FOR DISEASE CONTROL AND PREVENTION. Antibiotic Resistance, Food, and Food Animals. Disponível em: <https://www.cdc.gov/foodsafety/challenges/antibiotic-resistance.html>. Acesso em 17 Dez 2020
  • WU Tianying et al. Associations between Dietary Acid Load and Biomarkers of Inflammation and Hyperglycemia in Breast Cancer Survivors. Nutrients. 11. 8; 1-13, 2019
  • XHONG Victor et al. Associations of Processed Meat, Unprocessed Red Meat, Poultry, or Fish Intake With Incident Cardiovascular Disease and All-Cause Mortality. JAMA Internal Medicine. 180. 4; 503-512, 2020
  • NATIONAL CANCER INSTITUTE. Chemicals in Meat Cooked at High Temperatures and Cancer Risk. Disponível em: <https://www.cancer.gov/about-cancer/causes-prevention/risk/diet/cooked-meats-fact-sheet>. Acesso em 17 Dez 2020
  • NATIONAL INSTITUTES OF HEALTH. Eating red meat daily triples heart disease-related chemical. Disponível em: <https://www.nih.gov/news-events/nih-research-matters/eating-red-meat-daily-triples-heart-disease-related-chemical>. Acesso em 17 Dez 2020
  • ROBEY Ian. Examining the relationship between diet-induced acidosis and cancer. Nutrition & Metabolism. 9. 1-11, 2012
  • CENTERS FOR DISEASE CONTROL AND PREVENTION. Food and Food Animals. Disponível em: <https://www.cdc.gov/drugresistance/food.html>. Acesso em 17 Dez 2020
  • JOSHI Amit et al. Meat intake, cooking methods, dietary carcinogens, and colorectal cancer risk: findings from the Colorectal Cancer Family Registry. Cancer Medicine. 4. 6; 936-952, 2015
  • CHO Eunyoung et al. Red meat intake and risk of breast cancer among premenopausal women. JAMA Internal Medicine. 166. 20; 2253-2259, 2006
  • AL-SHAAR Laila et al. Red meat intake and risk of coronary heart disease among US men: prospective cohort study. The BMJ. 371. 1-9, 2020
  • MICHA Renata et al. Unprocessed Red and Processed Meats and Risk of Coronary Artery Disease and Type 2 Diabetes – An Updated Review of the Evidence. Current Atherosclerosis Reports. 14. 6; 515-524, 2013
  • NHS. Red meat and the risk of bowel cancer. Disponível em: <https://www.nhs.uk/live-well/eat-well/red-meat-and-the-risk-of-bowel-cancer/>. Acesso em 11 Ago 2020
  • NIH. Risk in Red Meat?. Disponível em: <https://www.nih.gov/news-events/nih-research-matters/risk-red-meat>. Acesso em 11 Ago 2020
Mais sobre este assunto:

Ajuda
Carregando
...