Somos REDE D'OR
icon de informação icon de telefone 3003-3230
Número disponível apenas em território brasileiro, com custo de chamada local.

10 dicas simples para usar Salto Alto sem sofrimento

Revisão clínica: Marcelle Pinheiro
Fisioterapeuta
outubro 2019

Para usar um lindo salto alto sem ficar com dor nas costas, nas pernas e nos pés, é preciso ter alguns cuidados na hora da compra. O ideal é escolher um sapato de salto alto bem confortável que tenha uma sola interna acolchoada e não pressione o calcanhar, o peito do pé ou os dedos.

Uma outra dica que pode ajudar a escolher o salto alto certo, é comprar o calçado no final do dia, quando os pés estiverem um pouquinho inchados, porque assim a pessoa saberá que em dias de festa ou em momentos que precise de usar o salto alto o dia todo, eles estarão adaptados a essas situações.

Os melhores truques para usar o salto alto sem sofrimento são:

1. Usar um salto com o máximo de 5 cm

Imagem ilustrativa número 1

O salto alto do sapato não deve ultrapassar os 5 centímetros de altura, porque assim o peso do corpo é melhor distribuído por todo o pé. Caso o salto ultrapasse os 5 centímetros, deve-se colocar uma palmilha no peito do pé, por dentro do sapato, para equilibrar um pouco a altura.

2. Escolher um sapato confortável

Imagem ilustrativa número 2

Na hora de escolher o salto alto, ele deve envolver completamente o pé, sem apertar ou pressionar nenhuma parte do pé. Os melhores são aqueles que são acolchoados e que quando se dobram os dedos, sente-se o tecido do sapato ceder um pouco.

Além disso, pode-se ainda adaptar uma palmilha, para deixar o sapato mais confortável.

3. Usar um salto mais grosso

Imagem ilustrativa número 3

O salto do sapato, deve ser o mais grosso possível, porque assim o peso do corpo que cai sobre o calcanhar é melhor distribuído e há um menor risco de torcer o pé.

Caso a pessoa não resista a um salto agulha, deve optar por um sapato que não fique muito folgado no pé, para que este não deslize e treinar muito para se equilibrar e não cair, ou torcer o pé.

4. Caminhar 30 minutos antes de sair de casa

Imagem ilustrativa número 4

O ideal quando se vai sair de salto alto é caminhar cerca de 30 minutos em casa, porque assim os pés se adaptam melhor. Caso a pessoa não consiga aguentar o sapato durante esse tempo, significa que também não vai conseguir aguentar ficar com ele no pé o dia ou a noite toda.

5. Usar um salto alto com sola de borracha

Imagem ilustrativa número 5

O salto alto do sapato deve ser, de preferência, de borracha ou se não vier assim de fábrica, uma boa opção é colocar uma sola emborrachada num sapateiro.

Este tipo de sola é mais confortável para caminhar, porque como amortece o impacto do salto com o chão, torna o toque do pé no chão mais confortável.

6. Colocar palmilhas dentro do sapato

Imagem ilustrativa número 6

Uma outra dica para melhorar o conforto, é colocar palmilhas de silicone dentro do sapato, que podem ser compradas nas sapatarias, na farmácia ou pela internet.

O ideal é experimentar a palmilha dentro do sapato que se vai usar, porque os tamanhos variam muito, ou comprar uma palmilha feita sob medida, indicada por um ortopedista e feita de acordo com o tamanho do pé e os principais pontos de pressão no pé.

7. Tirar o sapato

Imagem ilustrativa número 7

Caso a pessoa tenha que passar o dia todo com o sapato, deve tirar de vez em quando, se possível, para descansar um pouco ou apoiar o peito dos pés numa pilha de livros ou jornais ou colocar numa outra cadeira pode ser uma boa opção também.

8. Usar um sapato com salto Anabela

Imagem ilustrativa número 8

Usar um sapato com salto Anabela ou com uma plataforma na frente para compensar o altura do salto é bem mais confortável e é menos provável que a pessoa sofra com dor nas costas ou nos pés.

9. Usar o salto alto no máximo 3 vezes por semana

Imagem ilustrativa número 9

O ideal é intercalar o uso de salto alto com o uso de outro sapato mais confortável para dar tempo dos pés descansarem, mas se não for possível, deve-se optar por sapatos com alturas diferentes.

10. Evitar sapatos com bico muito fino

Imagem ilustrativa número 10

Deve-se evitar usar sapatos com o bico muito fino, dando preferência àqueles que apoiam completamente o peito do pé sem pressionar os dedos. Se a pessoa tiver que usar mesmo um sapato de bico fino, deve comprar um número maior que o seu, para garantir que os dedos não ficam apertados.

Caso continue a surgir dor nos pés, veja como fazer um escalda pés e como massagear os pés doloridos.

Malefícios que o salto alto pode causar

O uso de salto muito alto pode machucar os pés, prejudicar os tornozelos, joelhos e a coluna, provocando deformidades e alterações de postura que podem ser graves e necessitar de tratamento específico. Isso ocorre porque o peso do corpo não é devidamente distribuído no pé e como há uma alteração no centro de gravidade do corpo, há tendência para jogar os ombros para trás e a cabeça para frente, e de aumentar a lordose lombar, alterando o posicionamento da coluna.

Alguns exemplos de alterações que o uso excessivo do salto alto, sem seguir as orientações acima, podem causar são:

  • Joanete;
  • Má postura;
  • Dor nas costas e nos pés;
  • Encurtamento na 'batata da perna', que provoca dor nesta região ao retirar o salto;
  • Diminuição da flexibilidade do tendão de Aquiles;
  • Esporão do calcâneo;
  • Dedos em garra, calos e unhas encravadas,
  • Tendinite ou bursite no pé.

No entanto, o uso de chinelos e sandálias rasteirinhas também são prejudiciais à coluna, porque neste caso 90% do peso do corpo recai somente no calcanhar, e por isso é aconselhado usar sapatos confortáveis que tenham de 3 a 5 cm de salto. Os chinelos só devem ser usados em casa, as rasteirinhas para saídas rápidas e os tênis são adequados para usar diariamente e para praticar atividade física, mas também devem ter uma boa sola para absorver os impactos.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Manuel Reis - Enfermeiro, em outubro de 2019. Revisão clínica por Marcelle Pinheiro - Fisioterapeuta, em outubro de 2019.
Revisão clínica:
Marcelle Pinheiro
Fisioterapeuta
Formada em Fisioterapia pela UNESA em 2006 com registro profissional no CREFITO- 2 nº. 170751 - F e especialista em dermatofuncional.