Ultrassom da mama: para que serve, quando fazer e resultados

outubro 2022

O ultrassom da mama é um exame que permite avaliar caroços na mama, especialmente quando a mamografia é inconclusiva.

O ultrassom da mama não é o mesmo que a mamografia, nem substitui esse exame, sendo apenas utilizado para complementar a avaliação mamária. A mamografia continua sendo o exame mais indicado para identificar o câncer de mama. 

Veja outros exames que podem ser utilizados para avaliar a presença de câncer na mama.

Para que serve

O ultrassom da mama é indicado para investigar a presença de nódulos ou cistos mamários em mulheres com mamas densas e com alto risco de câncer de mama.

 Outras situações onde o ultrassom de mama pode ser solicitado são:

  • Dor na mama;
  • Traumatismos ou processos inflamatórios da mama;
  • Nódulo palpável e acompanhamento de nódulo benigno;
  • Para diferenciar um nódulo sólido, de um nódulo cístico;
  • Para diferenciar nódulos benignos e malignos;
  • Para detectar seroma ou hematoma;
  • Para ajudar a observar a mama ou nódulo durante uma biopsia;
  • Para verificar o estado das próteses mamárias;
  • Se a quimioterapia está tendo o resultado esperado pelo oncologista.

O ultrassom da mama não é melhor opção para investigar alterações como microcistos na mama, qualquer lesão com menos de 5 mm, e também nas mulheres com mais idade, que possuem mamas flácidas.

Como é feito o exame

A mulher deve permanecer deitada numa maca, sem blusa e sutiã, para que o médico passe um gel sobre as mamas e a seguir o aparelho da ultrassonografia mamária é colocado em contato com a pele. O médico irá deslizar esse equipamento pelas mamas e observar na tela do computador e existem alterações que possam indicar alterações como o câncer de mama.

A ultrassonografia não é desconfortável, nem provoca dor, como acontece na mamografia, mas é um exame que tem limitações, não sendo a melhor escolha para diagnosticar o câncer de mama precocemente, porque não é bom para verificar alterações com menos de 5 mm de diâmetro.

Resultados do ultrassom da mama

Após o exame, o médico irá escrever um relatório sobre o que viu durante o exame, de acordo com a classificação Bi-RADS:

  • Categoria 0: Avaliação incompleta, sendo necessário realizar outro exame de imagem para detectar possíveis alterações.
  • Categoria 1: Resultado negativo, não foram encontradas alterações, fazer apenas acompanhamento de rotina de acordo com a idade da mulher.
  • Categoria 2: Foram encontradas alterações benignas, como cistos simples, linfonodos intramamários, implantes ou alterações após cirurgia. Normalmente esse tipo de alteração representa nódulos sólidos benignos e estáveis por 2 anos.
  • Categoria 3: Foram encontradas alterações que provavelmente são benignas, sendo necessário repetir exame em 6 meses, e depois, 12, 24 e 36 meses em relação ao primeiro exame alterado. As alterações que podem ter sido encontradas aqui podem ser os nódulos que sugerem ser um fibroadenoma, ou cistos complexos e agrupados. Risco de malignidade de até 2%.
  • Categoria 4: Foram encontrados achados suspeitos, sendo recomendado realizar biópsia. As alterações podem ser os nódulos sólidos sem as características sugestivas de benignidade. Essa categoria pode ainda ser subdivida em: 4A - baixa suspeita; 4B - suspeita intermediária, e 4C - suspeita moderada. Risco de malignidade 3% a 94%, sendo necessário repetir o exame para confirmar o diagnóstico.
  • Categoria 5: Foram encontradas graves alterações, com grande suspeita de ser maligno. É necessário fazer biópsia e nesse caso o nódulo tem 95% de chances de ser maligno.
  • Categoria 6: Câncer de mama confirmado, aguardando tratamento que pode ser quimioterapia ou cirurgia.

Independente do resultado, é muito importante que o exame seja sempre avaliado pelo médico que o pediu, uma vez que o diagnóstico pode variar de acordo com o histórico de saúde de cada mulher.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Manuel Reis - Enfermeiro, em outubro de 2022.
Equipe editorial constituída por médicos e profissionais de saúde de diversas áreas como enfermagem, nutrição, fisioterapia, análises clínicas e farmácia.