10 tratamentos para mononucleose (doença do beijo)

Atualizado em fevereiro 2024

O tratamento da mononucleose infecciosa pode ser feito com repouso, aumento do consumo de líquidos, ou uso de remédios para aliviar os sintomas, pois não existem medicamentos específicos para eliminar o vírus do organismo.

A mononucleose é causada pelo vírus do Epstein-barr, que é transmitido principalmente pela saliva, podendo afetar crianças e adultos jovens, sendo que normalmente o corpo elimina o vírus naturalmente após cerca de 1 mês, e os sintomas geralmente melhoram após 1 ou 2 semanas. Saiba identificar todos os sintomas da mononucleose infecciosa.

O tratamento para a mononucleose infecciosa deve ser feito com orientação do clínico geral, infectologista ou pediatra, para aliviar os sintomas e evitar complicações, como a ruptura do baço, que pode estar aumentado durante a infecção,

Imagem ilustrativa número 1

10 tratamentos para mononucleose

Os principais tratamentos para mononucleose são:

1. Repousar

O repouso é indicado pelo médico por uma a duas semanas, para ajudar a aliviar os sintomas como cansaço excessivo, febre e dores musculares, ajudar o organismo a se recuperar e evitar complicações, como ruptura do baço.

Além disso, nos casos de sintomas graves, deve-se fazer repouso pelo tempo determinado pelo médico até que ocorram melhora dos sintomas.

Receba um tratamento mais completo!

Obtenha orientação especializada sobre o que tomar para se recuperar mais rápido.

Marcar consulta

Disponível em: São Paulo, Rio de Janeiro, Distrito Federal, Pernambuco, Bahia, Maranhão, Pará, Paraná, Sergipe e Ceará.

2. Evitar atividades físicas

Evitar atividades físicas é recomendado pelo médico, devido ao risco aumentado de ruptura do baço, como consequência da mononucleose infecciosa. 

Desta forma, deve-se evitar atividades físicas, levantamento de peso ou esportes de contato, por exemplo, pelo período de 3 a 6 semanas, após o início dos sintomas, conforme orientado pelo médico.

Após esse período, o retorno das atividades físicas deve ser feito somente se liberado pelo médico, após realização de exames como ultrassom para verificar se o baço está aumentado ou exame de sangue para analisar se o vírus foi totalmente eliminado do organismo, além da avaliação dos sintomas.

3. Beber bastante líquido

Beber bastante líquido, ingerindo pelo menos cerca de 8 a 10 copos de água por dia, sucos de frutas ou chás sem açúcar, é importante para manter o corpo hidratado, aliviar a dor de garganta e facilitar a recuperação.

Além disso, o aumento da ingestão de líquidos é importante para evitar a desidratação que pode ocorrer devido a febre, especialmente em crianças.

Desta forma, é recomendado oferecer bastante líquidos à crianças, pois possuem um risco aumentado de desidratação. Saiba identificar os sintomas de desidratação em crianças.

4. Fazer gargarejo com água e sal

O gargarejo de água morna com sal tem ação anti-inflamatória e antibacteriana, ajudando a aliviar a dor de garganta e a evitar infecções bacterianas secundárias. 

Para fazer o gargarejo com água morna e sal, deve-se colocar uma colher de chá de sal em um copo de água morna e misturar. Fazer o gargarejo várias vezes ao dia.

5. Tomar analgésicos

Tomar analgésicos, como paracetamol ou dipirona, pode ser indicado pelo médico para ajudar a aliviar a dor de garganta ou febre causados pela mononucleose infecciosa.

Esses remédios podem ser encontrado na forma de comprimidos, xarope ou solução em gotas, e devem ser usados somente com orientação médica.

6. Usar anti-inflamatórios

Os anti-inflamatórios, como o ibuprofeno ou o ácido acetilsalicílico, também podem ser indicados pelo médico para aliviar os sintomas da mononucleose infecciosa, como dor de garganta, dor de cabeça, ínguas, cansaço intenso ou febre.

No entanto, não se deve dar ácido acetilsalicílico à criança, pois esse remédio pode favorecer o desenvolvimento da síndrome de Reye. O mais importante é oferecer bastante líquido à criança para evitar desidratação e realizar o tratamento indicado pelo pediatra. 

7. Tomar antibióticos

Em alguns casos, ao mesmo tempo em que ocorre a mononucleose, pode acontecer alguma infecção por bactérias na garganta e somente nessas situações o antibiótico pode ser indicado pelo médico.

No entanto, o uso de penicilinas, como amoxicilina ou ampicilina, por exemplo, deve ser evitado pelo risco aumentado de ocorrer rash cutâneo. Entenda o que é o rash cutâneo.

8. Usar corticoides

Em alguns, casos, os corticoides podem ser receitados pelo médico, principalmente quando a garganta está muito inflamada e existe obstrução das vias aéreas, ou seja, não devem ser usados em todas as situações. 

9. Beber chás anti-inflamatórios

Alguns chás, como o chá verde sem cafeína ou o chá de equinácea, são ricos em substâncias anti-inflamatórias, antioxidantes e imunomoduladoras, que ajudam a aliviar a aliviar os sintomas, como dor de garganta, dor de cabeça ou no abdômen, e a fortalecer o sistema imunológico, acelerando a recuperação.

Esses chás podem ser usados para complementar o tratamento recomendado pelo médico, mas devem ser usados somente se orientados pelo médico. Saiba como preparar o chá verde e o chá de equinácea.

10. Consumir alimentos anti-inflamatórios

Alguns alimentos, como cúrcuma, brócolis ou espinafre e alimentos ricos em ômega-3 como atum, sardinha, salmão, linhaça ou chia, podem ajudar a diminuir a inflamação na garganta e, por isso, podem ajudar na recuperação da mononucleose infecciosa. Confira a lista completa de alimentos anti-inflamatórios

Além de aumentar o consumo de alimentos anti-inflamatórios, deve-se evitar alimentos gordurosos, com açúcar, fast food, produtos processados ou industrializados, pois aumentam a inflamação do corpo, prejudicando a recuperação.

Assista o vídeo a seguir com a nutricionista Tatiana Zanin com os alimentos anti-inflamatórios que ajudam na recuperação da mononucleose:

youtube image - 7 alimentos antiinflamatórios que você precisa usar

A mononucleose tem cura?

A mononucleose tem cura, sendo que o vírus Epstein-barr é eliminado do corpo pelo próprio sistema imunológico, cerca de 4 semanas após a infecção.

No entanto, apesar do vírus ser eliminado naturalmente pelo organismo, é importante fazer o tratamento e seguir as recomendações médicas, para evitar complicações, como ruptura do baço ou inflamação no fígado. Saiba identificar todos os sintomas de ruptura no baço

Sinais de melhora

Os sinais de melhora da mononucleose incluem diminuição e desaparecimento da febre, alívio das dor de garganta e de cabeça, diminuição e desaparecimento das ínguas, desaparecimento das placas esbranquiçadas da boca e garganta e das manchas vermelhas no corpo.

Leia também: Doenças transmitidas pelo beijo: sintomas, tratamento e prevenção tuasaude.com/doencas-transmitidas-pelo-beijo

Sinais de piora

Os sinais de piora da mononucleose são dor abdominal intensa, aumento das ínguas do pescoço, aumento da inflamação e dor de garganta e febre que não melhora.

Nesses casos, é importante consultar o médico o mais rápido possível para que o tratamento mais adequado seja recomendado.

Além disso, se surgirem sintomas como dificuldade para respirar, tontura, fraqueza nas pernas ou braços, desmaio ou dor intensa na parte superior esquerda da barriga, deve-se ir imediatamente ao pronto-socorro.