Somos REDE D'OR
icon de informação icon de telefone 3003-3230
Número disponível apenas em território brasileiro, com custo de chamada local.

Tratamento para celulite infecciosa

janeiro 2023

O tratamento para celulite infecciosa é feito com o uso de antibióticos, como cefalexina ou clindamicina, por 5 a 14 dias, mas também podem ser indicados analgésicos, antitérmicos, medidas como elevar a parte do corpo afetada e, em alguns casos, cirurgia.

A celulite infecciosa é uma infecção das camadas mais profundas da pele, que geralmente é provocada por bactérias, podendo causar sintomas como febre, vermelhidão, dor e inchaço no local afetado. Entenda melhor o que é e sintomas da celulite infecciosa.

Em caso de suspeita de celulite infecciosa, é importante consultar o infectologista ou clínico geral para uma avaliação e início do tratamento mais adequado. No entanto, especialmente se surgirem sintomas como febre, pressão baixa ou coração acelerado, é recomendado procurar a emergência.

Imagem ilustrativa número 1

Principais opções de tratamento

As principais opções de tratamento para celulite infecciosa são:

1. Antitérmicos

Medicamentos antitérmicos, como paracetamol e dipirona, geralmente são indicados no tratamento da celulite infecciosa em caso de febre acima de 38º. Confira o que fazer para baixar a febre.

2. Analgésicos

Em caso de dor, podem ser indicados medicamentos analgésicos, como paracetamol ou dipirona, no tratamento da celulite infecciosa. 

No entanto, o uso de anti-inflamatórios não esteroides, como ibuprofeno e diclofenaco, tende a ser menos recomendado porque podem dificultar a identificação dos sinais de inflamação, caso a celulite piore. Veja outros exemplos de anti-inflamatórios não esteroides.

3. Antibióticos

O tratamento da celulite infecciosa geralmente é feito com antibióticos orais, como cefalexina ou clindamicina, que geralmente são indicados por um período que varia de 5 a 14 dias.

No entanto, em caso de sintomas como febre, pressão baixa e batimentos cardíacos acelerados, rápida piora da vermelhidão na pele ou tratamento com quimioterapia, por exemplo, pode ser indicada a internação no hospital e o uso de antibióticos diretamente na veia. 

4. Cirurgia

A cirurgia pode ser indicada para drenar secreções caso a celulite infecciosa leve ao acúmulo de pus abaixo da pele, formando um abscesso.

Tratamento caseiro para celulite infecciosa

Para o tratamento caseiro para celulite infecciosa podem ser feitas compressas de camomila, que tem propriedades cicatrizantes. Para fazer este tratamento natural para celulite infecciosa, basta fazer o chá de camomila, deixar esfriar e depois, com uma luva limpa, umedecer uma compressa esterilizada no chá frio e aplicar no local afetado, durante alguns minutos. Saiba como preparar outros cicatrizantes naturais.

É importante que esse tratamento seja orientado pelo médico e que não substitua o uso de antibióticos, que são essenciais para eliminação do microrganismo responsável pela celulite.

Além disso, também é recomendado manter a parte do corpo afetada elevada, para reduzir o inchaço, e utilizar compressas e luvas limpas ao tocar o local da celulite, para evitar se contaminar ou levar outros microrganismos para a ferida.

Sinais de melhora da celulite infecciosa

Os sinais de melhora da celulite infecciosa incluem: 

  • Desaparecimento da vermelhidão da pele;
  • Melhora da dor;
  • Diminuição do inchaço;
  • Desaparecimento da febre. 

Os sinais de que a celulite infecciosa está melhorando surgem quando o tratamento é feito de acordo com a orientação do médico. É importante continuar com o tratamento indicado mesmo quando forem identificados os primeiros sinais de melhora, suspendendo o uso do antibiótico apenas após recomendação do médico.

Os sinais de piora da celulite infecciosa incluem o surgimento de febre, escurecimento da pele, piora da vermelhidão ou inchaço e perda da sensibilidade no local, e acontecem quando o tratamento não está sendo eficaz ou quando não é realizado corretamente, sendo recomendado procurar uma emergência para uma avaliação.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Jonathan Panoeiro - Neuropediatra, em janeiro de 2023.

Bibliografia

  • UPTODATE. Acute cellulitis and erysipelas in adults: Treatment. 2022. Disponível em: <https://www.uptodate.com/contents/acute-cellulitis-and-erysipelas-in-adults-treatment>. Acesso em 20 jan 2023
  • STATPEARLS. Cellulitis. 2022. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK549770/>. Acesso em 20 jan 2023
Mostrar bibliografia completa
  • CRANENDONK, D. R. et al. Cellulitis: current insights into pathophysiology and clinical management. Neth J Med. Vol.75, n.9. 366-378, 2017
  • RRAPI, Renajd; CHAND, Sidharth; KROSHINSKY, Daniela. Cellulitis: A Review of Pathogenesis, Diagnosis, and Management. Med Clin North Am. Vol.105, n.4. 723-735, 2021
  • INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES DO ESTADO DE MINAS GERAIS. Diretrizes para tratamento de infecções de pele e partes moles. 2016. Disponível em: <http://www.ipsemg.mg.gov.br/ipsemg/ecp/files.do?evento=download&urlArqPlc=ptc_ccih_-_002_diretrizes_para_tratamento_de_infeccoes_de_pele_e_partes_moles.pdf>. Acesso em 26 fev 2020
  • AMERICAN ACADEMY OF DERMATLOGY. Cellulitis: diagnosis and treatment. Disponível em: <https://www.aad.org/public/diseases/a-z/cellulitis-treatment>. Acesso em 26 fev 2020
Equipe editorial constituída por médicos e profissionais de saúde de diversas áreas como enfermagem, nutrição, fisioterapia, análises clínicas e farmácia.