Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

Como é feito o tratamento para o câncer de pulmão

O câncer de pulmão pode ser de dois tipos: o de pequenas células e o de não pequenas células, que é o mais comum. O oncologista indica o tratamento de acordo com esses tipos, a classificação, o tamanho do tumor, estado geral de saúde e se tem metástase ou não, que é quando o câncer se espalha para outros órgãos.

Entretanto, o tratamento é baseado na realização de cirurgia, quimioterapia, imunoterapia, radioterapia, terapêutica fotodinâmica ou terapia de laser sendo que pode ser indicado uma ou mais destas modalidades de tratamento.

É importante destacar que o câncer de pulmão tem maiores chances de cura quando é diagnosticado precocemente e dependerá da resposta ao tratamento indicado pelo médico. Conheça mais quais são estes tratamentos:

Como é feito o tratamento para o câncer de pulmão

1. Cirurgia 

A cirurgia para tratamento do câncer de pulmão é feita com objetivo de retirar o tumor e os gânglios linfáticos acometidos pelo câncer, afim de evitar que as células cancerosas se espalhem para outras partes do corpo.

De acordo com as características do câncer, os cirurgiões torácicos realizam as seguintes cirurgias para tratar o câncer de pulmão:

  • Lobectomia: é quando um lobo inteiro do pulmão é retirado, e é o tipo de cirurgia mais indicada para o câncer de pulmão, mesmo quando os tumores são pequenos;

  • Pneumectomia: é realizado quando todo o pulmão é retirado sendo indicada quando o tumor é grande e está localizado próximo ao centro;

  • Segmentectomia: é retirada uma pequena parte do lobo pulmonar com câncer. É indicada para pacientes com tumores pequenos ou que estão com o estado de saúde fragilizado;

  • Ressecção sleeve: não é muito comum e é realizada para retirada de tumor que atinge a região dos brônquios, que são os tubos que levam ar para os pulmões. 

Geralmente, as cirurgias são feitas através da abertura do tórax, chamadas toracotomias, mas podem ser realizadas com auxílio de vídeo, chamada de cirurgia torácica videoassistida. A cirurgia por vídeo é menos invasiva, tem tempo de recuperação menor e provoca menos dor no pós-operatório do que a cirurgia aberta, no entanto não é indicada para todos os tipos de câncer de pulmão.

O tempo de recuperação da cirurgia depende do tipo realizado, mas geralmente a alta hospitalar é depois de 7 dias e a recuperação e retorno às atividades habituais podem durar de 6 a 12 semanas. O cirurgião vai passar medicamentos para aliviar a dor e poderá indicar fisioterapia respiratória para ajudar a melhorar a respiração.

Após a cirurgia é possível que surjam complicações como dificuldade para respirar, sangramento ou infecções e por isso é importante sempre seguir as recomendações do cirurgião e tomar os medicamentos indicados.

E além disso, depois da cirurgia é colocado um dreno para retirada de sangue e líquidos acumulados na cirurgia, é preciso manter cuidados no curativo do dreno e informar sempre o aspecto do conteúdo dentro do dreno. Confira tudo sobre o dreno depois da cirurgia.  

2. Quimioterapia 

A quimioterapia é um tratamento comum para vários tipos de câncer de pulmão e tem como objetivo destruir as células cancerosas, localizadas no pulmão ou espalhadas pelo corpo. Este tipo de tratamento é feito através da aplicação de medicamentos pela veia ou por injeções, sendo em alguns casos mais específicos ser em comprimidos. Os medicamentos utilizados na quimioterapia foram desenvolvidos para destruir e interromper o crescimento de células cancerosas.

A duração do tratamento com quimioterapia depende do tipo, extensão e gravidade do câncer no pulmão, mas em média dura 1 ano. As sessões de quimioterapia são chamadas de ciclos, e cada ciclo é realizado a cada 3 a 4 semanas. É necessário um tempo de descanso entre cada ciclo porque a quimioterapia também destrói células saudáveis que precisam se recuperar. 

Os medicamentos mais utilizados na quimioterapia para tratamento do câncer de pulmão são Cisplatina, Etoposídeo, Gefitinibe, Paclitaxel, Vinorelbina ou Vimblastina e dependendo do protocolo de tratamento que o médico indicar, poderão ser usados em combinação entre eles e em outros tipos de tratamento, por exemplo, pode ser feita antes ou depois da cirurgia.

No entanto, é comum que surjam efeitos colaterais relacionados ao uso desses medicamentos, como perda de cabelo, inflamação da boca, perda de apetite, náuseas e vômitos, diarreia ou prisão de ventre, infecções, alterações sanguíneas e cansaço extremo, por exemplo. Entenda o que fazer para diminuir os efeitos colaterais da quimioterapia.

A maioria dos efeitos colaterais desaparecem após terminar o tratamento, mas em alguns casos podem ser utilizados analgésicos ou remédios para o enjoo, para aliviar os sintomas e tornar o tratamento mais fácil de ser seguido. Confira algumas dicas simples de como aliviar os principais efeitos colaterais da quimioterapia:

TRATAMENTO do CÂNCER: como aliviar os EFEITOS COLATERAIS

36 mil visualizações

3. Imunoterapia

Alguns tipos de câncer de pulmão produzem proteínas específicas que impedem que as células de defesa do corpo destruam as células cancerosas. Por isso, alguns medicamentos foram desenvolvidos para bloquear a ação dessas proteínas fazendo com que o corpo combata o câncer. 

Esses medicamentos fazem parte da imunoterapia, pois ajudam a imunidade do corpo a tratar o câncer de pulmão. Alguns dos medicamentos utilizados para o câncer de pulmão são atezolizumabe, durvalumabe, nivolumabe e pembrolizumabe. Atualmente, vários outros medicamentos parecidos estão sendo desenvolvidos e testados para tratar todos tipos de câncer de pulmão.

Os medicamentos para imunoterapia têm efeitos colaterais diferentes da quimioterapia, e geralmente esses efeitos são mais fracos, no entanto, podem provocar cansaço, falta de ar e diarreia.

4. Radioterapia

A radioterapia é um tratamento para câncer de pulmão em que a radiação é utilizada para destruir as células cancerosas, podendo ser aplicada radiação externa através de uma máquina que emite feixes de radiação, ou por braquiterapia, em que o material radioativo é colocado próximo ao tumor.

Antes de iniciar as sessões de radioterapia é feito um planejamento e são feitas marcações na pele, que indicam o posicionamento certo na máquina de radioterapia, e assim, todas as sessões sejam sempre no local marcado.

A radioterapia, assim como a quimioterapia, também pode ser realizada em conjunto com outros tipos de tratamentos, como antes da cirurgia, para reduzir o tamanho do tumor, ou depois, para destruir as células cancerosas que ainda podem estar no pulmão. Entretanto, esse tipo de tratamento também pode resultar em efeitos colaterais, como cansaço, perda de apetite, dor de garganta, inflamação no local em que é aplicada a radiação, febre, tosse e falta de ar, por exemplo.

Geralmente, os efeitos colaterais desaparecem no final do tratamento, mas alguns sintomas como tosse, falta de ar e febre, indicativos de inflamação dos pulmões, podem persistir por alguns meses. Saiba o que comer para aliviar os efeitos da radioterapia

5. Terapia fotodinâmica

A terapia fotodinâmica para câncer de pulmão é utilizada nos estágios iniciais da doença quando é preciso desobstruir as vias aéreas que estão bloqueadas pelo tumor. Esta terapia consiste no uso de um remédio especial, que é injetado na corrente sanguínea com o objetivo de se acumular nas células cancerosas.

Após o acúmulo do medicamento no tumor, é aplicado um raio laser no local para matar as células cancerosas que depois são removidas através de uma broncoscopia. A terapia fotodinâmica pode provocar inchaço das vias aéreas por alguns dias, causando falta de ar, tosse com sangue e catarro, que podem ser tratadas no hospital.

6. Terapia a laser 

A terapia a laser é um tratamento usado em alguns casos de câncer no pulmão, principalmente se o tumor for pequeno. Neste tipo de tratamento, o laser é aplicado via endoscopia, através de um tubo flexível que é inserido pela boca até o pulmão, chamado broncoscópio, com a finalidade de destruir as células cancerosas. 

O procedimento de aplicação do laser é parecido com a realização de endoscopia, dura em média 30 minutos, sendo que é necessário jejum de 6 horas e é realizada uma sedação para dormir durante o exame e não sentir dor.

7. Ablação por radiofrequência

Em casos em que o câncer de pulmão está no estágio inicial é indicada a ablação por radiofrequência, em vez de cirurgia. Ela usa o calor produzido por ondas de rádio para matar as células cancerosas no pulmão, sendo que são utilizadas agulhas ou tubos que aquecem e destroem o tumor. Essas agulhas são guiadas por tomografia computadorizada para saber a localização exata do tumor.

Este procedimento é feito sob sedação e dura cerca de 30 minutos. Após a realização deste tratamento o local pode ficar dolorido, por isso o médico receita o uso de medicamentos para dor, como os analgésicos. 

Bibliografia >

  • CANCER RESEARCH UK. Lung cancer treatment. Disponível em: <https://www.cancerresearchuk.org/about-cancer/lung-cancer/treatment>. Acesso em 14 Out 2019
  • CANCER TREATMENT CENTERS OF AMERICA. Lung cancer treatments. Disponível em: <https://www.cancercenter.com/cancer-types/lung-cancer/treatments>. Acesso em 14 Out 2019
  • GOLDMAN, Lee; SCHAFER, Andrew I. . Goldman-Cecil Medicine . 25,ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2018. 1333-1337.
Esta informação foi útil?   
Sim  /  Não

Se ficou com alguma dúvida ou encontrou algum erro escreva aqui para que possamos melhorar o texto. Não lhe iremos responder directamente. Se quiser uma resposta clique em Contato.

Mais sobre este assunto:


Publicidade

LIVE | Saúde da Prostata

A Tatiana e o Manuel vão estar te esperando num encontro informal para falar tudo sobre problemas na próstata.

A sua presença vai fazer o evento ser mais especial.

Se inscreva e receba uma notificação quando começar, para não perder nenhum minuto.

Inscreva-se
* Não perca a oportunidade de fazer perguntas e participar deste momento em homenagem ao Novembro Azul.

Estamos ao vivo agora! Vem falar com a gente!

A Tati e o Manuel falam sobre problemas na próstata, o preconceito dos homens a respeito do exame de toque retal, e até sobre impotência sexual, que pode ser um complicação da detecção tardia desse tipo câncer.

Participe agora
* Vamos responder todas as perguntas que chegarem, sem tabus. Estamos te esperando!
Carregando
...
Fechar

Pode perguntar

Fechar
É hora de acabar com todas as suas dúvidas!
Erro
Erro
Erro
Marque a caixa de verificação acima.
Enviar Mensagem