Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.

Como é feito o tratamento para o tétano

Fevereiro 2021

O tratamento para tétano deve ser iniciado o mais rápido possível quando surgirem os primeiros sintomas, como contração dos músculo do maxilar e febre, após um corte ou ferida na pele, para evitar o desenvolvimento de complicações graves como dificuldade para movimentar partes do corpo, dificuldade para respirar ou até mesmo o coma, por exemplo.

Normalmente o tratamento é realizado no hospital para que seja frequentemente monitorada e possa ser possível avaliar se o tratamento está sendo eficaz, e envolve o uso de medicamentos que ajudam a bloquear a atividade das toxinas, eliminar a bactéria e aliviar os sintomas, além de prevenir complicações. 

Como é feito o tratamento para o tétano

Assim, quando existe suspeita de estar infectado com tétano é recomendado ir imediatamente ao hospital para iniciar o tratamento através de:

  • Injeção de antitoxina diretamente no sangue para bloquear a ação das toxinas do tétano, evitando agravamento dos sintomas e destruição de nervos;
  • Uso de antibióticos, como metronidazol ou penicilina, para eliminar as bactérias do tétano e evitar a produção de mais toxinas;
  • Injeção de relaxantes musculares diretamente no sangue, como diazepam, para aliviar a contração dos músculos provocada pelos danos causados pelas toxinas nos nervos;
  • Ventilação com aparelhos utilizada nos casos mais graves em que os músculos da respiração estão muito afetados

Dependendo da gravidade da infecção pode ser preciso fazer a alimentação por via intravenosa ou por meio de uma sonda que vai do nariz até o estômago. Muitas vezes, é ainda necessário introduzir uma sonda retal para remover o bolo fecal do organismo.

Após o tratamento, deve-se voltar a fazer a vacina contra o tétano como se fosse a primeira vez, pois deixa-se de estar protegido contra a doença.

Tratamento para tétano neonatal

O tétano neonatal, mais conhecido como mal dos sete dias, também é uma doença provocada pela bactéria Clostridium tetani e atinge bebês recém-nascidos, mais frequentemente nos primeiros 28 dias de vida.

Os sintomas do tétano neonatal no bebê podem ser confundidos com outras doenças e são dificuldade para mamar, choro constante, irritabilidade e problemas musculares. 

Esta doença pode ser transmitida pela contaminação do coto umbilical, ou seja, ao cortar o cordão umbilical após o nascimento com instrumentos não esterilizados, como tesouras e pinças. O tratamento do tétano neonatal deve ser feito com o bebê internado, de preferência em uma UTI, pois será necessário administrar medicamentos como soro antitetânico, antibióticos e sedativos. Veja mais sobre a transmissão do tétano.

Possíveis complicações 

Se o tétano não for tratado rapidamente pode levar ao surgimento de algumas complicações graves como consequência das contraturas musculares, havendo dificuldade para movimentar partes do corpo, como a boca, mexer o pescoço e até caminhar.

Outras complicações que podem aparecer por causa do tétano são fraturas, infecções secundárias, laringoespasmo, que são os movimentos involuntários nas cordas vocais, pneumonia e bloqueio da artéria mais importante do pulmão, deixando a pessoa com dificuldade para respirar e, nos casos mais graves, em coma.

O que fazer para prevenir

A vacina antitetânica é a maneira mais recomendada para prevenir a infecção pela bactéria que causa o tétano, sendo na maioria das vezes aplicada a vacina DTPa que além de proteger contra o tétano, também protege contra coqueluche e difteria. Esta vacina pode ser aplicada em bebês e adultos e devem ser administradas três doses para garantir a eficácia total da vacina. Saiba quando tomar a vacina DTPa.

Para prevenir o tétano é necessário também tomar alguns cuidados ao sofrer algum ferimento com objetos enferrujados, lavar bem o machucado, mantê-los cobertos e sempre fazer a higiene das mãos antes de tocar no local ferido. Veja a seguir um vídeo que mostra qual melhor maneira de limpar as feridas:

Esta informação foi útil?

Sua opinião é importante! Escreva aqui como podemos melhorar o nosso texto:

Ficou alguma dúvida? Clique aqui para ser respondido.
Verifique o email de confirmação que lhe enviamos.

Bibliografia

  • MINISTÉRIO DA SAÚDE. Tratamento do tétano acidental. Disponível em: <http://www.saude.gov.br/saude-de-a-z/tetano-acidental/11474-tratamento>. Acesso em 17 Jan 2020
  • MINISTÉRIO DA SAÚDE. Tétano neonatal. Disponível em: <http://www.saude.gov.br/saude-de-a-z/tetano-neonatal/11463-descricao-da-doenca>. Acesso em 17 Jan 2020
  • CENTERS FOR DISEASE CONTROL AND PREVENTION. Symptoms and Complications. Disponível em: <https://www.cdc.gov/tetanus/about/symptoms-complications.html>. Acesso em 17 Jan 2020
  • BARER, Michael R. Medical Microbiology: A guide to microbial infections - pathogenesis, immunity, laboratory investigation and control. 19 ed. Elsevier, 2018. 297-300.
  • ROMEIRO, Yara Eduarda F.; CRUZ, Taís S.; SILVEIRA, Ana Eduarda S. et al. Tétano: relato de caso. Acta Biomedica Brasiliensia. Vol 8. 1 ed; 170-174, 2017
Mais sobre este assunto:

Carregando
...
Enviar Mensagem