Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.

Tratamento da dengue clássica e hemorrágica

O tratamento para a dengue tem como objetivo aliviar os sintomas, como febre e dores no corpo, e normalmente é feito com o uso de paracetamol ou dipirona, por exemplo. Além disso, é importante manter a hidratação e ficar em repouso para facilitar o combate ao vírus pelo organismo.

Alguns anti-inflamatórios, principalmente os que contêm ácido acetilsalicílico, como a aspirina, por exemplo, não devem ser utilizados por pessoas com dengue, pois esse medicamento pode interferir na coagulação e aumentar o risco de hemorragia. Veja quais são os medicamentos que não devem ser utilizados durante a dengue

O tratamento da dengue clássica ou hemorrágica deve sempre ser feito com orientação médica, de acordo com a recomendação do Ministério da Saúde, para evitar complicações como desidratação grave, problemas no fígado, no coração, neurológicos e/ou respiratórios. 

Tratamento da dengue clássica e hemorrágica

Tratamento da dengue clássica

O tratamento da dengue clássica consiste em aliviar os principais sintomas como febre alta, mal estar no corpo, dores de cabeça e cansaço excessivo. Por esse motivo, o médico pode indicar o uso de algum analgésico, geralmente paracetamol ou dipirona.

Durante o tratamento, é importante beber bastante água e fazer uso de soro de reidratação oral, vendido em farmácias ou drogarias, ou soro caseiro, além de ter uma alimentação leve e que facilite a digestão. Além disso, deve-se evitar o consumo de bebidas doces, como refrigerantes e isotônicos, pois são diuréticos e, assim, podem aumentar a desidratação, além de poderem agravar os sintomas de náuseas e vômitos. Saiba mais sobre a alimentação para se recuperar mais rapidamente da dengue.

O recomendado é que a pessoa retorne ao serviço de saúde após 72 horas do diagnóstico da dengue, para fazer acompanhamento médico e evitar identificar precocemente possíveis complicações como hemorragias ou desidratação, por exemplo.

No entanto, no caso da pessoa não conseguir fazer uma hidratação oral adequada em casa, nos casos de bebês ou de febre que não melhora, pode ser necessária internação hospitalar, que deve ser orientada e indicada pelo médico.

Tratamento da dengue hemorrágica

O tratamento da dengue hemorrágica, que é a principal complicação da dengue, deve ser feito no hospital com uso de soro diretamente na veia e medicamentos para interromper a hemorragia e aumentar as plaquetas, que são componentes do sangue responsáveis pela coagulação sanguínea e interrupção da hemorragia. 

Além disso, quando a pessoa perde muito sangue pode ser necessário a realização de transfusão de sangue para repor o volume de sangue no corpo ou repor as plaquetas se estiverem muito baixas.

Em alguns casos mais graves, em que não se consegue controlar a hemorragia e a pessoa pode ter insuficiência cardiocirculatória e choque, é indicado pelo médico a internação na UTI para acompanhamento mais rigoroso, pois nesses casos a vida pode estar em risco. 

No hospital, os exames de sangue para acompanhar a recuperação e o estado de saúde da pessoa são repetidos inicialmente de 15 em 15 minutos e quando apresenta alguma melhora, a cada 2 horas. Normalmente, a alta acontece cerca de 48 horas após o fim da febre e quando a concentração de plaquetas fica normalizada.

Tratamento da dengue clássica e hemorrágica

Quando fazer tratamento no hospital

O tratamento da dengue deve ser realizado no hospital nos casos de mulheres grávidas, bebês, crianças, pessoas que têm pressão alta, doentes com insuficiência cardíaca ou renal, ou pessoas que estejam com crise de asma ou diabetes descompensada, mesmo que não se trate de dengue hemorrágica. Confira os cuidados que se deve ter com a dengue na gravidez.  

Além disso, o tratamento no hospital também é recomendado para pessoas com doenças hemolíticas crônicas, como anemia falciforme, ou doenças autoimunes.

A internação hospitalar tem como objetivo o acompanhamento mais rigoroso da pessoa e evitar o aparecimento de complicações que possam colocar a vida em risco.

Opções de tratamento natural

O tratamento natural pode ajudar a complementar o tratamento médico para dengue, podendo incluir o consumo de chá de camomila, erva-de-são-joão ou raiz forte, por exemplo, pois ajudam a diminuir os sintomas e melhorar e fortalecer a imunidade. 

No entanto, esses tratamentos naturais não devem substituir as indicações do médico, sendo sempre importante seguir suas orientações. Veja quais são os melhores remédios caseiros para dengue

Tratamento da dengue clássica e hemorrágica

Possíveis complicações

A principal complicação da dengue é o desenvolvimento da dengue hemorrágica, que deve ser sempre tratada no hospital por ser uma situação grave. Além disso, crianças podem ter convulsões devido à febre e desidratação, devendo sempre ser acompanhadas pelo médico que pode indicar internação hospitalar. 

Em algumas pessoas a dengue pode danificar o fígado causando uma hepatite, que precisa ser tratada rapidamente. Em casos raros, pode haver danos irreversíveis no fígado sendo necessário um transplante de fígado. Conheça todas as complicações e sequelas que a dengue pode causar

Sinais de melhora

Os sinais de melhora da dengue são diminuição da febre e alívio da dor no corpo e surgem, normalmente, até 8 dias após o início dos sintomas.

Sinais de piora

Os sinais de piora da dengue podem surgir em qualquer pessoa e incluem vômitos, dor abdominal muito forte, agitação ou desânimo, palidez, pressão baixa, palpitação cardíaca, mãos e pés frios, excesso de suor, desmaio ou alteração da consciência, pintinhas na pele ou sangramentos, como no nariz ou na gengiva, ao escovar os dentes, por exemplo. 

No caso de aparecimento desses sintomas, deve-se procurar o hospital ou o pronto-socorro o mais rápido possível para que a pessoa seja internada, realizar exames e ser acompanhada de perto pelo médico.

Esta informação foi útil?

Bibliografia

  • WORLD HEALTH ORGANIZATION. Dengue: guidelines for diagnosis, treatment, prevention and control -- New edition. 2009. Disponível em: <https://www.who.int/tdr/publications/documents/dengue-diagnosis.pdf>. Acesso em 08 Mar 2021
  • VERDEAL, J. C. R.; et al. Guidelines for the management of patients with severe forms of dengue. Rev Bras Ter Intensiva. 23. 2; 125-133, 2011
  • WORLD HEALTH ORGANIZATION 2. Handbook for clinical management of dengue. 2012. Disponível em: <https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/76887/9789241504713_eng.pdf>. Acesso em 08 Mar 2021
  • MINISTÉRIO DA SAÚDE. Dengue: aspectos epidemiológicos, diagnóstico e tratamento. 2002. Disponível em: <https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/dengue_aspecto_epidemiologicos_diagnostico_tratamento.pdf>. Acesso em 08 Mar 2021
  • MINISTÉRIO DA SAÚDE/ SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE. Dengue: diagnóstico e manejo clínico - adulto e criança. 5 ed. Brasília-DF. 2016. Disponível em: <https://www.slideshare.net/gersonsouza2016/dengue-diagnstico-e-manejo-clnico-adulto-e-criana-98666179>. Acesso em 24 Fev 2020
Mais sobre este assunto:

Ajuda
Carregando
...