Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

O que é o transtorno opositor desafiador (TOD)

Novembro 2019

O transtorno desafiador opositor, também conhecido por TOD, ocorre geralmente durante a infância, e caracteriza-se por comportamentos frequentes de raiva, agressividade, vingança, desafio, provocação, desobediência ou sentimentos de ressentimento, por exemplo.

Geralmente, o tratamento consiste em sessões de psicoterapia e no treinamento dos pais, para que possam lidar melhor com a doença. Além disso, em alguns casos, pode-se justificar o uso de remédios, que devem ser receitados pelo psiquiatra.

O que é o transtorno opositor desafiador (TOD)

Quais os sintomas

Os comportamentos e sintomas que se podem manifestar em crianças com o transtorno opositor desafiador são:

  • Agressividade;
  • Irritabilidade;
  • Desobediência para com pessoas mais velhas;
  • Agitação e perda da calma;
  • Desafio das regras;
  • Incomodar outras pessoas;
  • Culpar outras pessoas pelos próprios erros;
  • Ficar com raiva,
  • Ficar ressentido e ser facilmente perturbado,
  • Ser cruel e vingativo.

Para ser diagnosticada com o transtorno opositor desafiador, a criança pode manifestar apenas alguns sintomas.

Possíveis causas

O DSM-5 classifica os fatores de risco para desenvolver o transtorno opositor desafiador como sendo temperamentais, ambientais, genéticos e fisiológicos.

Os fatores temperamentais estão relacionados a problemas de regulação emocional e ajudam a prever a ocorrência do transtorno. Além disso, fatores ambientais, como o meio em que a criança está inserida, relacionados a comportamento agressivos, inconsistentes ou negligentes por parte dos encarregados de educação dos filhos, também contribuem para o desenvolvimento do transtorno. 

Como é feito o diagnóstico

De acordo com o DSM-5, o TOD pode ser diagnosticado em crianças que manifestem, com frequência, mais de quatro sintomas da listagem seguinte, com duração de pelo menos seis meses e com pelo menos um indivíduo que não seja um irmão:

  • Perde a calma;
  • É sensível ou facilmente incomodado;
  • É raivoso e ressentido;
  • Questiona figuras de autoridade ou, no caso de crianças e adolescentes, adultos;
  • Desafia acintosamente ou se recusa a obedecer a regras ou a pedidos de figura de autoridade;
  • Incomoda deliberadamente outras pessoas;
  • Culpa outros por seus erros ou mau comportamento;
  • Foi malvado ou vingativo pelo menos duas vezes nos últimos seis meses.

É necessário ter em atenção que o transtorno opositor desafiador pode ser mais do que agir de um modo desafiador ou fazer uma birra, o que é comum nas crianças, uma vez que o comportamento opositivo temporário pode fazer parte do desenvolvimento normal da personalidade. Assim, é importante que os pais, responsáveis e educadores sejam capazes de diferenciar o comportamento de oposição normal para o desenvolvimento da criança, conforme adquire autonomia, de um quadro de transtorno comportamental, em que predominam comportamentos de agressividade excessiva, crueldade para com as pessoas e animais, destruição de bens, mentiras, birras e desobediência constante.

Em que consiste o tratamento

O tratamento para o transtorno opositor desafiador pode ser muito diversificado e passa por promover o treinamento dos pais, com o objetivo de interagirem mais eficazmente com a criança e fazer terapia familiar para dar suporte e apoio à família.

Além disso, a criança pode necessitar de sessões de psicoterapia e, se assim entender, o psiquiatra pode receitar medicamentos antipsicóticos ou neurolépticos, como risperidona, quetiapina ou aripiprazol, estabilizadores de humor, como carbonato de lítio, divalproato de sódio, carbamazepina ou topiramato, antidepressivos, como fluoxetina, sertralina, paroxetina, citalopram, escitalopram ou venlafaxina e/ou psicostimulantes para o tratamento do TDAH, devido à associação frequente com TDO, como o metilfenidato.

Saiba mais sobre o Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH).

Bibliografia >

  • LEITE, Lucas de Holanda; CAMPOS, Eugenio de Moura. Transtorno desafiador de oposição em crianças: uma revisão da literatura brasileira. 56. 1; 38-43, 2016
  • SERRA-PINHEIRO, Maria Antonia et. al.. Transtorno desafiador de oposição: uma revisão de correlatos neurobiológicos e ambientais, comorbidades, tratamento e prognóstico. Rev Bras Psiquiatr . 26. 4; 273-276, 2004
  • PSICOLOGIA.PT - O PORTAL DOS PSICÓLOGOS. TRANSTORNO DESAFIADOR DE OPOSIÇÃO E SUAS COMORBIDADES: UM DESAFIO DA INFÂNCIA À ADOLESCÊNCIA . 2017. Disponível em: <https://www.psicologia.pt/artigos/textos/A1175.pdf>. Acesso em 12 Nov 2019
Esta informação foi útil?   
Sim  /  Não

Ficou alguma dúvida. Deixe aqui a sua questão para que possamos melhorar o nosso texto:

Atenção! Só poderemos responder diretamente se deixar o seu email.
Mais sobre este assunto:


Publicidade
Carregando
...
Fechar

Pode perguntar

Fechar
É hora de acabar com todas as suas dúvidas!
Erro
Erro
Erro
Marque a caixa de verificação acima.
Enviar Mensagem