Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.

Transtorno opositor desafiador (TOD): o que é, sintomas e tratamento

O transtorno desafiador opositor, também conhecido por TOD, geralmente ocorre durante a infância, e caracteriza-se por comportamentos frequentes de raiva, agressividade, vingança, desafio, provocação, desobediência ou ressentimento.

Geralmente, o tratamento consiste em sessões de psicoterapia e no treinamento dos pais, para que possam lidar melhor com a criança. Além disso, caso a criança tenha outro tipo de transtorno juntamente com o TOD, também pode ser receitado o uso de remédios, que devem ser indicados por um psiquiatra.

Transtorno opositor desafiador (TOD): o que é, sintomas e tratamento

Principais sintomas

Os comportamentos e sintomas mais comuns em crianças com transtorno opositor desafiador são:

  • Agressividade;
  • Irritabilidade;
  • Desobediência para com pessoas mais velhas;
  • Agitação e perda da calma;
  • Desafio das regras;
  • Incomodar outras pessoas;
  • Culpar outras pessoas pelos próprios erros;
  • Ficar com raiva,
  • Ficar ressentido e ser facilmente perturbado,
  • Ser cruel e vingativo.

Além disso, crianças com TOD também têm dificuldade para se desenvolver na escola, especialmente na interação com os amigos.

Possíveis causas

Não existe uma causa específica para o surgimento do transtorno, no entanto, é possível que seja influenciado por vários fatores, incluindo falta de atenção, abusos ou crescimento e desenvolvimento num ambiente com comportamentos agressivos, inconsistentes ou negligentes.

Como é feito o diagnóstico

O TOD pode ser diagnosticado em crianças que manifestem frequentemente e por mais de 6 meses, comportamentos para com outras pessoas que não um irmão, como: 

  • Perde a calma;
  • É sensível ou facilmente incomodado;
  • É raivoso e ressentido;
  • Questiona figuras de autoridade ou, no caso de crianças e adolescentes, adultos;
  • Desafia acintosamente ou se recusa a obedecer a regras ou a pedidos de figura de autoridade;
  • Incomoda deliberadamente outras pessoas;
  • Culpa outros por seus erros ou mau comportamento;
  • Foi malvado ou vingativo pelo menos duas vezes nos últimos seis meses.

É necessário ter em atenção que o transtorno opositor desafiador pode ser mais do que agir de um modo desafiador ou fazer uma birra, o que é comum nas crianças, uma vez que o comportamento opositivo temporário pode fazer parte do desenvolvimento normal da personalidade. Assim, é importante que os pais, responsáveis e educadores sejam capazes de diferenciar o comportamento de oposição normal para o desenvolvimento da criança, conforme adquire autonomia, de um quadro de transtorno comportamental, em que predominam comportamentos de agressividade excessiva, crueldade para com as pessoas e animais, destruição de bens, mentiras, birras e desobediência constante.

Como é feito o tratamento

O tratamento para o transtorno opositor desafiador pode ser muito diversificado e passa por promover o treinamento dos pais, com o objetivo de interagirem mais eficazmente com a criança e fazer terapia familiar para dar suporte e apoio à família. Pode ainda ser recomendada a realização de psicoterapia.

Além disso, se a criança apresentar algum outro tipo de transtorno psicológico, como TDAH, o médico pode receitar alguns tipos de medicamentos, como risperidona, quetiapina, carbamazepina ou fluoxetina, por exemplo.

Saiba mais sobre o Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH).

Esta informação foi útil?

Bibliografia

  • LEITE, Lucas de Holanda; CAMPOS, Eugenio de Moura. Transtorno desafiador de oposição em crianças: uma revisão da literatura brasileira. 56. 1; 38-43, 2016
  • SERRA-PINHEIRO, Maria Antonia et. al.. Transtorno desafiador de oposição: uma revisão de correlatos neurobiológicos e ambientais, comorbidades, tratamento e prognóstico. Rev Bras Psiquiatr . 26. 4; 273-276, 2004
  • PSICOLOGIA.PT - O PORTAL DOS PSICÓLOGOS. TRANSTORNO DESAFIADOR DE OPOSIÇÃO E SUAS COMORBIDADES: UM DESAFIO DA INFÂNCIA À ADOLESCÊNCIA . 2017. Disponível em: <https://www.psicologia.pt/artigos/textos/A1175.pdf>. Acesso em 12 Nov 2019
Mais sobre este assunto:

Carregando
...