Transplante renal: o que é, como é feito, riscos e recuperação

julho 2022
  1. Quando fazer
  2. Como é feito
  3. Como se preparar
  4. Recuperação
  5. Riscos

O transplante renal, ou transplante de rim, é uma cirurgia para restaurar a função do rim através da substituição do rim doente por outro saudável, proveniente de um doador compatível.

Este tipo de cirurgia normalmente é indicado em casos de doença renal avançada, quando existem danos graves no rim que prejudicam a sua função de filtrar e eliminar toxinas do organismo, assim como manter o equilíbrio de água e minerais no corpo.

O transplante renal deve ser indicado pelo nefrologista e o tempo de recuperação geralmente é de cerca de 3 meses, sendo importante seguir alguns cuidados para a recuperação, como tomar os remédios indicados pelo médico e fazer uma alimentação balanceada, conforme orientação do nutricionista.

Quando fazer o transplante

O transplante renal é indicado pelo nefrologista no caso de doença renal crônica avançada, que é quando existe lesão no rim que persiste por mais de 3 meses, fazendo com que o rim perca a capacidade de filtrar o sangue e eliminar resíduos do organismo. Entenda melhor o que é a doença renal crônica avançada e principais causas.  

Alguns fatores que podem contribuir para o desenvolvimento da doença renal crônica avançada são:

  • Inflamação crônica dos glomérulos renais, responsáveis pela filtração do sangue;
  • Doença renal policística;
  • Isquemia crônica ou aguda do rim, em que ocorre uma diminuição do fluxo sanguíneo no rim;
  • Lesões irreversíveis no rim, como a nefropatia de refluxo.

O transplante renal é indicado pelo médico quando os danos no rim são irreversíveis, ou seja, quando não é possível recuperar a função do rim ou quando são necessárias múltiplas sessões de hemodiálise por semana.

O transplante é realizado de acordo com as condições de saúde de cada pessoa, não sendo indicado para quem tem doenças cardíacas, do fígado ou infecciosas, por exemplo, pois pode aumentar os riscos do procedimento cirúrgico.

Como é feito o transplante

O transplante renal pode ser feito com o rim de um doador vivo ou falecido, desde que seja saudável e não tenha qualquer doença. Esse doador pode ser relacionado ou não com o paciente.

O rim do doador é retirado juntamente com uma porção da artéria, veia e ureter, por meio de um pequeno corte no abdômen. Depois, esse rim é colocado no receptor. As porções da veia e artéria são ligadas às veias e artérias do receptor e o ureter transplantado é ligado à bexiga. 

O rim não afetado da pessoa transplantada normalmente não é retirado, pois sua pouca função ainda é útil, especialmente nos primeiros momentos, quando o rim transplantado ainda não está completamente funcional. O rim doente só é retirado caso esteja causando infecção, por exemplo.

Como se avalia se o transplante é compatível

Antes de ser realizado o transplante, devem ser feitos exames de sangue com o objetivo de verificar a compatibilidade dos rins para, assim, diminuir as chances de rejeição do órgão.

Dessa forma, os doadores podem ser ou não relacionados com o paciente que será transplantado, desde que haja compatibilidade.

Como se preparar para o transplante

Alguns cuidados são importantes para se preparar para o transplante, como esclarecer com o médico todas as dúvidas sobre a cirurgia, a recuperação e possíveis riscos do transplante.

De forma a avaliar as condições de saúde e a função do rim, o médico deve solicitar exames, como exame físico completo, análises de sangue, exames de imagem como tomografia computadorizada ou ressonância magnética.

Como é a recuperação

A recuperação após o transplante de rim, na primeira semana, é feita no hospital, com acompanhamento do cirurgião, do anestesista e do enfermeiro, para que possam ser observados de perto possíveis sinais de reação ao transplante e o tratamento possa ser feito imediatamente. 

Nesse período, o rim transplantado deve começar a funcionar normalmente, o que pode ocorrer imediatamente após a cirurgia ou demorar alguns dias, sendo que nesse caso, é recomendado fazer hemodiálise até que o novo rim comece a funcionar.

O curativo na barriga que protege a cicatriz contra infecções será trocado pelo enfermeiro sempre que houver necessidade e, caso a pessoa sinta dor, o médico poderá receitar o uso de analgésicos.

A partir do momento em que a pessoa encontra-se estabilizada, não há sinais de rejeição e os exames são considerados normais, o médico pode dar alta, sendo importante seguir o tratamento e as recomendações médicas em casa.

1. Cuidados diários

Após a alta hospitalar, alguns cuidados diários devem ser seguidos em casa para ajudar na recuperação do transplante renal, como:

  • Tomar os remédios imunossupressores, como prednisolona, azatioprina e ciclosporina, nos horários certos conforme indicado pelo médico para evitar a rejeição do rim;
  • Tomar os antibióticos receitados pelo médico para evitar possíveis infecções;
  • Não realizar atividades físicas nos primeiros 3 meses;
  • Realizar exames semanais durante o primeiro mês, espaçando para duas consultas mensais até o 3º mês devido ao risco de rejeição do órgão pelo organismo;
  • Evitar fumar;
  • Evitar o contacto com pessoas doentes e locais poluídos.

A recuperação total do transplante, geralmente dura cerca de 3 meses e após esse período, o médico pode recomendar atividades físicas, como caminhada ou natação, por exemplo, feitas com a orientação de um educador físico, para que se possa controlar o peso e prevenir complicações do transplante renal, como aumento da pressão arterial ou do colesterol.

2. Cuidados com a alimentação

Após o transplante renal, deve-se fazer uma dieta equilibrada que ajude a controlar o peso, de forma a evitar a rejeição do rim transplantado, diminuir o risco de desenvolver infecção ou complicações, como doenças cardiovasculares, diabetes ou pressão alta.

Desta forma, a dieta deve ser orientada por um nutricionista e normalmente, deve ser mantida de forma rigorosa até os valores de exame de sangue estarem estáveis, sendo recomendado:

  • Comer vegetais e frutas, pelo menos 5 porções por dia; 
  • Consumir alimentos ricos em fibra, como cereais e sementes, todos os dias;
  • Aumentar a quantidade de alimentos com cálcio e fósforo, como leite desnatado, amêndoa e salmão, em alguns casos tomar um suplemento indicado pelo nutricionista, para manter os ossos e dentes fortes;
  • Não consumir sódio, que é encontrado no sal de cozinha e alimentos enlatados e congelados, para ajudar a controlar a retenção de líquido, inchaço e pressão alta;
  • Consumir carnes magras, como frango ou peixe, nas quantidades recomendadas pelo nutricionista;
  • Fazer uma dieta pobre em açúcares, como doces, pois levam ao aumento rápido do açúcar no sangue, devendo-se optar por carboidratos, encontrados no arroz, milho, pão, massas e batata. Confira os alimentos ricos em açúcar que devem ser evitados;  
  • Evitar consumir alimentos gordurosos e frituras;
  • Evitar bebidas alcoólicas, pois prejudicam o funcionamento do fígado;
  • Limitar a quantidade de potássio, encontrado na banana e laranja, por exemplo, pois a medicação aumenta o potássio. Veja alimentos ricos em potássio que devem ser evitados;   
  • Não ingerir legumes crus, optando por cozer, lavando sempre com 20 gotas de hipoclorito de sódio em dois litros de água, deixando repousar por 10 minuto;
  • Não comer marisco, gemada e embutidos;
  • Guardar os alimentos na geladeira apenas por um período de 24 horas, evitando comer comida congelada;
  • Lavar muito bem a fruta e optar por fruta cozida e assada;
  • Beber líquidos para hidratar o corpo, nas quantidades recomendadas pelo médico e nutricionista.

É importante seguir as recomendações do nutricionista e manter uma dieta equilibrada e variada para manter o bom funcionamento do organismo e evitar complicações do transplante renal.

Possíveis riscos e complicações

Alguns riscos e complicações que podem surgir após o transplante renal são:

  • Rejeição do rim transplantado;
  • Infecção na cicatriz cirúrgica;
  • Infecções urinárias ou generalizadas;
  • Formação de coágulos no sangue ou trombose;
  • Obstrução urinária;
  • Sangramento ou hemorragia.

Embora sejam raros, também podem ocorrer complicações da anestesia geral como reações anafiláticas, náuseas, vômitos, queda da pressão arterial, calafrios, tremores, febre, infecção, por exemplo. 

Além disso, também podem surgir efeitos colaterais dos remédios imunossupressores, como aumento do peso, osteoporose, diabetes, inchaço corporal, alterações na pele e mucosas, como acne ou aftas, aumento do risco de câncer de pele ou linfoma, ou aumento da quantidade de pelos no corpo, especialmente no rosto das mulheres.

Sinais de alerta para voltar ao médico

É importante consultar o obstetra ou procurar o pronto socorro mais próximo caso surjam sintomas como:

  • Febre superior a 38ºC;
  • Ardor ao urinar;
  • Aumento de peso repentino;
  • Tosse frequente;
  • Diarréia;
  • Dificuldade para respirar;
  • Inchaço, calor e vermelhidão no local da cicatriz.

Esses sintomas podem indicar uma infecção e, nesses casos, deve-se buscar ajuda médica imediatamente.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Manuel Reis - Enfermeiro, em julho de 2022.

Bibliografia

  • VOORA, S.; ADEY, D. B. Management of Kidney Transplant Recipients by General Nephrologists: Core Curriculum 2019. Am J Kidney Dis. 73. 6; 866-879, 2019
  • ABRAMYAN, S.; HANLON, M. IN: STATPEARLS [INTERNET]. TREASURE ISLAND (FL): STATPEARLS PUBLISHING. Kidney Transplantation. 2022. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK567755/>. Acesso em 21 fev 2022
Mostrar bibliografia completa
  • AUGUSTINE, J. Kidney Transplant: New opportunities and challenges. Cleve Clin J Med. 85. 2; 138-144, 2018
Equipe editorial constituída por médicos e profissionais de saúde de diversas áreas como enfermagem, nutrição, fisioterapia, análises clínicas e farmácia.

Tuasaude no Youtube

  • Dieta para tratar a insuficiência renal

    04:11 | 483531 visualizações