Tinea capitis: o que é, sintomas, causas e tratamento

A Tinea capitis, também conhecida como tinea ou tinha do couro cabeludo, é uma infecção causada por fungos que possuem maior afinidade pela queratina, como os do gênero Trichophyton e Microsporum, o que leva à quebra dos fios de cabelo e aparecimento de uma ou mais placas no couro cabeludo sem cabelo. 

O diagnóstico da Tinea capitis deve ser feito pelo dermatologista por meio da observação das características da placa no couro cabeludo, sendo também importante que seja feita a coleta dos fios que estão em volta da placa, para que sejam avaliados em laboratório e, assim, seja possível identificar o fungo responsável pela infecção.

O tratamento tem como objetivo combater o fungo e, assim, favorecer o crescimento dos fios, sendo normalmente indicado pelo médico o uso de remédios antimicóticos em forma de pomada ou comprimido e uso de shampoo adequado. Nos casos em que existem sinais inflamatórios, pode ser também indicado o uso de corticoides.

Tinea capitis: o que é, sintomas, causas e tratamento

Sintomas de Tinea capitis

Os sintomas de Tinea capitis podem variar de acordo com o fungo associado à infecção e quantidade que está presente, sendo os principais:

  • Placa arrendondada no couro cabeludo sem cabelo ou com fios quebrados;
  • A placa pode ser única e grande ou várias e pequenas, dependendo do agente infeccioso;
  • Dor ou vermelhidão leve na área;
  • Descamação local, em alguns casos;
  • Presença de várias crostas no couro cabeludo, em alguns casos.

Além disso, em alguns casos de Tinea capitis é possível notar a presença de sinais inflamatórios, como inchaço, bolhas e saída de secreção, sendo essa situação conhecida como quérion.

É importante que o dermatologista seja consultado assim que forem notados sinais e sintomas possivelmente indicativos de Tinea capitis, pois assim é possível fazer o diagnóstico, identificar o agente infeccioso e iniciar o tratamento mais adequado.

Principais causas

A Tinea capitis é causada por fungos dermatófitos, ou seja, por fungos que possuem maior afinidade pela queratina, nesse caso pela queratina presente no cabelo. Os principais fungos associados com essa doença são os do gênero Trichophyton, como o T. tonsurans, o T. violaceum e o T. schoenleinii, e do gênero Microsporum, principalmente o M. canis.

Como é feito o diagnóstico

O diagnóstico da Tinea capitis é feito pelo dermatologista inicialmente por meio da avaliação das características das áreas sem cabelo no couro cabeludo, sendo normalmente realizada uma colheita dos fios localizados na borda dessas lesões.

Em alguns casos, o médico pode também colocar a luz UV no local em que será feita a coleta para identificar os fios que estão emitindo fluorescência, uma vez que é sinal da presença do fungo, sendo esse exame conhecido como exame da Lâmpada de Wood. Além disso, de acordo com a cor emitida após exposição à luz UV, o médico consegue já realizar a identificação do fungo e, assim, iniciar o tratamento logo em seguida. Veja mais detalhes sobre a lâmpada de Wood.

No entanto, como nem todos os fungos associados com a Tinea capitis emite fluorescência sob a lâmpada de Wood, é feita a coleta dos fios, que é enviado para o laboratório para que seja feito o diagnóstico, podendo ser realizado exame cultural e direto, em que são observadas as características do fungo microscopicamente, e técnicas de biologia molecular para identificar o fungo responsável pelos sintomas.

Como é o tratamento

O tratamento para Tinea capitis deve ser feito de acordo com a orientação do dermatologista e tem como objetivo eliminar o fungo responsável pelos sintomas, podendo ser indicado o uso de pomadas antimicóticas ou medicamentos por via oral. 

No caso das crianças, pode ser indicado o uso de terbinafina ou griseofulvina, enquanto que para os adultos é normalmente indicado o uso de terbinafina ou itraconazol por via oral. Além disso, o médico pode também indicar o uso de shampoo contendo sulfeto de selênio que também pode ajudar a combater o fungo mais rapidamente.

Nos casos em que são identificados sinais inflamatórios, além do medicamento antimicótico, o médico pode recomendar o uso de remédios corticoesteroides para aliviar os sinais de inflamação e favorecer a cura.

Esta informação foi útil?

Bibliografia

  • BARER, Michael R. et al. Medical Microbiology - A guide to Microbial Infections: Pathogenesis, immunity, laboratory investigation and control. 19 ed. Elsevier, 2018. 582-585.
  • RODRIGUES, Gustavo S.; OLIVEIRA, Flávio M.; PEREIRA, Eduardo F.; CRUZ, Rosana C. B. Tinea capitis em adulto por Trichophyton violaceum no Brasil: relato de um caso e revisão da literatura. An Bras Dermatol. Vol 83. 5 ed; 544-548, 2008
  • SILVA, CAROLINNE S.; NEUFELD, PAULO MURILLO; GOUVÊA, EMANUELA H.; ABREU, PAULA A. Etiologia e epidemiologia da tinea capitis: relato de série de casos e revisão da literatura. 2018. Disponível em: <http://www.rbac.org.br/artigos/etiologia-e-epidemiologia-da-tinea-capitis-relato-de-serie-de-casos-e-revisao-da-literatura/>. Acesso em 27 Set 2021
  • SOCIEDADE BRASILEIRA DE DERMATOLOGIA - REGIONAL RIO DE JANEIRO. Você sabe o que é tinea capitis?. Disponível em: <https://sbdrj.org.br/34440/>. Acesso em 27 Set 2021
Mais sobre este assunto: