8 principais causas de suicídio (e o que fazer para prevenir)

novembro 2022

O suicídio é o ato de tirar a própria vida e está relacionado com diversos fatores ambientais, socioculturais e existenciais, sendo os transtornos mentais o fator de risco mais importante para este ato, podendo incluir depressão e transtorno por uso de drogas e alcoolismo, por exemplo.

Além disso, traumas emocionais, diagnósticos de doenças graves e bullying, por exemplo, são outras situações que também podem causar sofrimento intenso, levando ao pensamento suicida e o ato de suicídio, em alguns casos.

Em caso de suspeita de que a pessoa pensa em cometer suicídio é importante procurar a ajuda de um profissional da saúde, preferencialmente um psiquiatra, para uma avaliação. A identificação da causa é fundamental para iniciar o tratamento mais adequado, que pode envolver psicoterapia e uso de antidepressivos. 

Possíveis causas

As principais causas de suicídio são:

1. Depressão

A depressão, quando grave e não tratada, pode levar ao suicídio, já que pode provocar sentimentos como culpa, perda de valor e tristeza intensos. Nestes casos, a sensação de que o problema não tem solução pode resultar em pensamentos suicidas, como se esta fosse a única forma para acabar com o sofrimento. Saiba como identificar os sintomas da depressão.

O que fazer: é importante o apoio de um psicólogo, psiquiatra ou grupos de auto ajuda, para que seja possível tratar a depressão e, assim, promover a qualidade de vida da pessoa. Em alguns casos, o psiquiatra pode indicar o uso de alguns medicamentos para depressão. Veja como é feito o tratamento para depressão.

2. Problemas amorosos ou familiares

Problemas familiares, como perda dos pais e brigas frequentes, não poder expressar suas emoções e não se sentir amado ou compreendido no relacionamento, podem provocar angústia intensa em algumas pessoas e reações impulsivas, que podem levar ao suicídio. 

O que fazer: encontrar tempo para conversar de forma calma e criar um ambiente de equilíbrio dentro de casa ou no relacionamento amoroso, podem ajudar a pessoa a se sentir melhor. Além disso, realizar psicoterapia pode ser útil para aprender a lidar melhor com os problemas. 

3. Uso de drogas ou alcoolismo

O alcoolismo e o uso de drogas ilícitas, como cocaína e maconha, podem levar ao suicídio ao afetar a capacidade de julgamento e comportamento da pessoa. Além disso, essas substâncias tendem a ser consumidas com o objetivo de "esquecer" os problemas, e sentimentos como angústia ou frustração.

O que fazer: é importante evitar o consumo excessivo de álcool e o uso de drogas ilícitas. Além disso, em caso de suspeita de dependência é recomendado buscar a ajuda de um psiquiatra ou um Centro de Atenção Psicossocial - CAPS, podendo ser indicado o uso de medicamentos e psicoterapia. Veja como é feito o tratamento para parar o uso de drogas.

4. Bullying

O bullying acontece quando uma pessoa é assediada ou intimidada intencionalmente e repetidamente por meio de palavras, mensagens e atitudes, e pode causar sofrimento emocional intenso, levando ao suicídio em alguns casos. Saiba mais sobre as consequências do bullying.

O que fazer: por ser uma situação comum em escolas, é importante comunicar a instituição de educação sobre o bullying para que sejam adotadas estratégias que evitem essa prática.

Além disso, é importante consultar um psiquiatra para uma avaliação, podendo ser recomendado o acompanhamento por um psicólogo e, quando indicado, o tratamento de outras doenças como ansiedade e depressão.

5. Traumas emocionais

Traumas emocionais devido à situações de estresse intenso, como em caso de violência física ou acidentes, podem levar ao suicídio nos casos mais graves. Neste caso, a pessoa pode sentir-se culpada, estressada e ansiosa ao lembrar dos eventos que causaram o trauma, podendo não conseguir lidar com a dor que sente. Veja como identificar os sintomas de traumas emocionais.

O que fazer: a avaliação de um psiquiatra é importante em caso de suspeita de traumas emocionais, podendo ser indicado o acompanhamento com um psicólogo e o uso de medicamentos antidepressivos. 

Além disso, participar em grupos de apoio, ouvindo as histórias de outras pessoas que já passaram pela mesma situação, também também pode ajudar no tratamento dos traumas emocionais.

6. Diagnóstico de doenças

O diagnóstico de doenças graves, como câncer e HIV, pode causar sintomas como tristeza e angústia e, quando existe dificuldade para lidar com esta realidade, o sofrimento pode ser intenso e levar ao suicídio em algumas pessoas.

O que fazer: é importante o apoio de familiares e amigos em caso do diagnóstico de doenças graves. Além disso, caso sintomas como tristeza ou angústia sejam persistentes, é importante consultar um psiquiatra para uma avaliação. Nestes casos, pode ser indicado o acompanhamento com um psicológico e o uso de medicamentos antidepressivos.

7. Síndrome de burnout

A síndrome de burnout é o excesso de estresse causado pelo trabalho, que pode provocar sintomas como sensação de fracasso e desgaste emocional, podendo levar ao suicídio nos casos mais graves. Normalmente, o burnout ocorre devido ao excesso de horas de trabalho e dificuldade de conciliar a vida profissional com a vida pessoal, por exemplo. Saiba como identificar a síndrome de burnout.

O que fazer: é importante evitar o excesso de horas extras e buscar alternativas para diminuir as dificuldades e evitar o estresse no trabalho, como reorganizar as atividades do dia e praticar atividade física e outras atividades que proporcionem o bem-estar. 

Em caso de suspeita de síndrome de burnout, é importante procurar um psiquiatra para confirmar o diagnóstico e iniciar o tratamento adequado. O acompanhamento com um psicólogo geralmente é indicado para discutir os problemas e aprender formas de lidar com as dificuldades.

8. Esquizofrenia

A esquizofrenia é um transtorno psiquiátrico que causa sintomas como alucinações, delírios e confusão mental e que, quando não tratado adequadamente, pode levar a pessoa ao suicídio nos casos mais graves. Entenda melhor o que é esquizofrenia.

O que fazer: em caso de suspeita de esquizofrenia é importante buscar a ajuda de familiares, amigos ou profissionais da saúde até que seja possível consultar um psiquiatra para confirmar o diagnóstico. Quando indicado, o tratamento pode envolver medicamentos antipsicóticos e o acompanhamento por um psicólogo.

Como prevenir o suicídio

Para prevenir o suicídio, é importante:

  • Identificar os sinais de que a pessoa está pensando em tirar a própria vida, como mudanças repentinas de comportamento e o uso de frases como “eu não aguento mais”, “eu preferia estar morto” ou “os outros serão mais felizes sem mim”; 
  • Buscar a ajuda de um profissional da saúde, como um psicólogo ou psiquiatra, para avaliar os sinais e sintomas apresentados pela pessoa e indicar o tratamento mais adequado;
  • Manter o contato com a família e amigos pode fortalecer as relações, aumentando a percepção de apoio e melhorando;
  • Tratar adequadamente doenças como depressão e esquizofrenia, caso existam.

Além disso, no Brasil, é possível ligar para o Centro de Valorização da Vida através do número 188, que fica disponível 24 horas por dia e que tem como objetivo realizar apoio emocional e prevenir o suicídio. Veja outros sinais do pensamento em suicídio.

Já em Portugal é possível entrar em contato com o Serviço Nacional de Saúde, através do número 808 242 424, disponível 24 horas por dia, ou com o SOS voz amiga, pelo telefone 213 544 545 e que realiza atendimentos de 15:00 às 00:30.

Esta informação foi útil?

Atualizado e revisto clinicamente por Dr. Gonzalo Ramirez - Clínico Geral e Psicólogo, em novembro de 2022.

Bibliografia

  • STATPEARLS. Depression. 2022. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK430847/>. Acesso em 26 out 2022
  • STATPEARLS. Posttraumatic Stress Disorder. 2022. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK559129/>. Acesso em 26 out 2022
Mostrar bibliografia completa
  • KLONSKY, E. D; MAY, Alexis M; SAFFER, Boaz Y. Suicide, Suicide Attempts, and Suicidal Ideation. Annu Rev Clin Psychol. Vol.12. 307-330, 2016
  • STATPEARLS. Provider Burnout. 2022. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK538330/>. Acesso em 26 out 2022
  • NUNN, Ken; ISAACS, David. Burnout. J Paediatr Child Health. Vol.55, n.1. 5-6, 2019
  • STATPEARLS. Schizophrenia. 2022. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK539864/>. Acesso em 26 out 2022
  • American Psychistric Association. Manual Diagnóstico e Estatístico de transtornos mentais - DSM-V. 5 ed. Porto Alegre : Artmed, 2014.
  • CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA. Suicídio: informando para prevenir. 2014. Disponível em: <https://www.ufpb.br/cras/contents/documentos/cartilha-sobre-suicidio.pdf>. Acesso em 20 set 2022
  • BALDAÇARA, Leonardo; SILVA, G, Antônio. Brazilian Psychiatric Association guidelines for the management of suicidal behavior. Part 1. Risk factors, protective factors, and assessment. Brazilian Journal of Psychiatry. Vol.43. 5.ed; 525-537, 2021
  • ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PSIQUIATRIA E CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA. A vida é a melhor escolha: cartilha prevenção ao suicídio - como ajudar?. Disponível em: <https://www.setembroamarelo.com/_files/ugd/26b667_4bffb3ebf5f14603b901e219632a1785.pdf>. Acesso em 20 set 2022
Revisão médica:
Dr. Gonzalo Ramirez
Clínico Geral e Psicólogo
Clínico geral pela UPAEP com cédula profissional nº 12420918 e licenciado em Psicologia Clínica pela UDLAP nº 10101998.

Tuasaude no Youtube

  • Depressão na Adolescência · como identificar

    09:43 | 41317 visualizações