Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

Como identificar e tratar sintomas extrapiramidais

Os sintomas extrapiramidais normalmente são efeitos colaterais que surgem com o uso contínuo de medicamentos antipsicóticos, ou seja, remédios que ajudam no tratamento de diversas doenças psiquiátricas, como estresse severo, doença bipolar ou esquizofrenia, por exemplo.

Uma vez que este tipo de medicamentos produz um efeito sobre os neurônios, os sintomas extramiramidais mais frequentes incluem:

  • Dificuldade para se manter calmo;
  • Alteração dos padrões de sono;
  • Dificuldade de concentração;
  • Sensação de estar inquieto, mexendo muito os pés, por exmeplo;
  • Tremores e espasmos musculares frequentes;
  • Alterações da voz;
  • Dificuldade para engolir;
  • Movimentos involuntários do rosto;
  • Andar arrastado.

Muitas vezes estes sintomas podem ser confundidos como sendo sinal de outros problemas psicológicos como ansiedade, síndrome de Tourette ou até sintomas de AVC.

Além dos antipsicóticos, outros remédios que também podem causar este tipo de sintomas incluem os antidepressivos mais comuns, alguns antialérgicos e anticonvulsivantes.

Como identificar e tratar sintomas extrapiramidais

Quando são mais comuns

Os sintomas extrapiramidais podem surgir logo após a primeira dose do medicamento ou demorar entre algumas semanas até meses para surgir e, por isso, quando surgem é aconselhado consultar o médico que receitou o medicamento para avaliar a necessidade de reduzir a dose.

Além disso, embora possam acontecer em qualquer pessoa, são mais frequentes em mulheres e pacientes idosos.

Lista de medicamentos que podem causar

Alguns dos medicamentos que mais frequentemente provocam o surgimento de sintomas extrapiramidais incluem:

ClorpromazinaTioridazinaPerfenazinaFlufenazina
HaloperidolTiotixenoTrifluoperazinaAripiprazol
ClozapinaOlanzapinaQuetiapinaRisperidona

Estes remédios representam alguns antipsicóticos dos grupos de primeira e segunda geração e seu uso deve ser sempre avaliado pelo paciente e pelo médico individualmente, sendo que o surgimento dos sintomas extrapiramidais nem sempre está relacionado com o grupo, mas com a substância ativa.

O que fazer quando surgem

Quando surge algum sintoma extrapiramidal é muito importante consultar, o mais rápido possível, o médico que receitou o medicamento que pode estar causando o seu surgimento. Não é recomendado parar de tomar o medicamento sem indicação médica, pois o efeito colateral pode continuar mesmo assim, ao mesmo tempo que se prejudica o tratamento da doença que estava precisando do remédio.

Na maioria dos casos, o médico recomenda apenas uma diminuição da dose de tratamento, conseguindo evitar o surgimento dos sintomas extrapiramidais. Em outros casos, pode ser preciso ainda adicionar outros medicamentos como ansiolíticos, anticolinérgicos ou antiparkinsonianos, para aliviar os sintomas, mesmo depois de se reduzir a dose.

Assim, cada caso precisa ser avaliado ao longo de todo o tratamento com este tipo de medicamentos, sendo por isso importante ir a todas as consultas de revisão, mesmo quando não existem efeitos colaterais.

Mais sobre este assunto:
Carregando
...