Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.

Pressão alta nos olhos: o que é, sintomas, causas e tratamento

A pressão alta nos olhos, ou hipertensão ocular, é uma condição em que a pressão no interior do olho é superior a 21 mmHg, que é o valor normal da pressão intraocular. Esse aumento de pressão ocorre quando existe um desequilíbrio entre a produção de líquido ocular e sua eliminação, o que leva a um acúmulo de líquido dentro do olho, aumentando a pressão ocular.

Geralmente, a pressão alta nos olhos não causa sintomas, pois não causa danos no nervo óptico, sendo muitas vezes detectada em exames oftalmológicos. No entanto, a hipertensão ocular pode aumentar o risco de glaucoma, que é uma forma mais grave de pressão alta nos olhos e que, em alguns casos, pode levar ao surgimento de sintomas como dificuldade para enxergar, dor intensa nos olhos, e até náuseas ou vômitos.

É importante consultar o oftalmologista pelo menos uma vez ao ano, especialmente a partir dos 40 anos de idade, para avaliar a pressão nos olhos e, caso seja diagnosticado a hipertensão ocular ou o glaucoma, iniciar o tratamento com uso de colírios conforme indicado pelo médico.

Pressão alta nos olhos: o que é, sintomas, causas e tratamento

Principais sintomas

A pressão alta nos olhos geralmente não causa sintomas, mas quando a pressão atinge níveis superiores a 21 mmHg, algumas pessoas podem sentir:

  • Dor intensa nos olhos;
  • Dor de cabeça forte; 
  • Vermelhidão no olho; 
  • Visão turva e embaçada;
  • Dificuldade para enxergar no escuro;
  • Diminuição do campo de visão, como se fosse se afunilando;
  • Aumento da pupila, que é a parte preta do olho, ou do tamanho dos olhos; 
  • Lacrimejamento e sensibilidade excessiva à luz;
  • Visão de arcos em volta das luzes; 
  • Diminuição da visão lateral;
  • Náuseas ou vômitos.

Caso surjam alguns destes sintomas é importante consultar um oftalmologista para avaliar a pressão alta no olho e iniciar o tratamento mais adequado, evitando complicações como perda completa da visão, por exemplo.

Como confirmar o diagnóstico

O diagnóstico da pressão alta nos olhos é feito pelo oftalmologista com base no histórico clínico e através de exames como:

  • Acuidade visual: avalia a capacidade de enxergar, através da leitura de letras e objetos do outro lado da sala;
  • Lâmpada de fenda ou biomicroscopia: neste exame o oftalmologista utiliza uma uma fonte de luz de alta intensidade para avaliar as estruturas dos olhos como córnea, câmara anterior ocular, íris e a lente;
  • Tonometria: avalia a pressão dentro dos olhos através de um equipamento que sopra ar no olho. Esse exame deve ser feito nos dois olhos em pelo menos 2 ou 3 consultas e em horários diferentes. Geralmente uma diferença de pressão 2 a 3 mmHg entre os dois olhos, pode indicar glaucoma;
  • Oftalmoscopia: neste exame o médico usa colírio para dilatar as pupilas para examinar o nervo óptico, a córnea e as estruturas do olho como cristalino, retina, veias, artérias e humor vítreo, que é uma substância gelatinosa que preenche a parte posterior o olho;
  • Teste de campo visual: avalia a visão periférica ou lateral para identificar se existem perdas do campo de visão;
  • Paquimetria óptica: avalia a espessura da córnea, o que ajuda o médico a entender se a leitura da pressão ocular, fornecida pela tonometria, está correta ou se é afetada por uma córnea muito grossa, por exemplo.

Além disso, quando existe suspeita de glaucoma, o oftalmologista pode solicitar um exame chamado gonioscopia, que analisa os ângulos de drenagem dos olhos, se estão abertos, estreitos ou fechados, para determinar o tipo de glaucoma que a pessoa tem. Confira todos os tipos de glaucoma e como é feito o tratamento

Possíveis causas

A pressão alta nos olhos é causada por um desequilíbrio entre a produção de líquido ocular, chamado humor aquoso, e sua eliminação, devido ao mau funcionamento dos canais que fazem a drenagem desse líquido, o que leva a um acúmulo de líquido dentro do olho, e como consequência ocorre um aumento da pressão ocular.

Além disso, alguns fatores podem contribuir para o desenvolvimento da pressão alta no olho e incluem: 

  • Diabetes; 
  • Pressão arterial alta;
  • Anemia falciforme;
  • Histórico familiar de glaucoma ou hipertensão ocular;
  • Ter mais de 40 anos;
  • Ter miopia grave;
  • Produção excessiva de líquido ocular;
  • Obstrução do sistema de drenagem do olho, que permite a eliminação de líquido;
  • Uso prolongado de medicamentos corticóides como prednisona ou dexametasona;
  • Trauma no olho causado por pancadas, sangramento, tumor ocular ou inflamação;
  • Realização de cirurgia ocular, especialmente a realizada para o tratamento das cataratas. 

Além disso, a pressão ocular alta é mais comum em pessoas afrodescendentes ou hispânicas.

Como é feito o tratamento

O tratamento da pressão alta nos olhos ou hipertensão ocular deve ser orientado por um oftalmologista e geralmente é feito com o uso de colírios para diminuir a pressão dentro dos olhos, embora, em alguns casos, possa ser necessária a realização de tratamentos com laser ou cirurgia ocular.

Além disso, o médico também pode indicar o uso de remédios por via oral, como acetazolamida, para ajudar a controlar a pressão no olho, principalmente nos casos de glaucoma.

Assista o vídeo e confira todas as opções de tratamento para a pressão alta nos olhos:

Esta informação foi útil?

Bibliografia

  • Xu, Liang; et al. Ocular hypertension and diabetes mellitus in the Beijing Eye Study. J Glaucoma. 18. 1; 21-5, 2009
  • DIBAS, Adnan; YORIO, Thomas. Glucocorticoid therapy and ocular hypertension. Eur J Pharmacol. 787. 57-71, 2016
  • ERICHEV, V. P.; PANYUSHKINA, L. A. Modern view on ocular hypertension. Vestn Oftalmol. 135. 5. Vyp. 2; 305-311, 2019
  • HOFFMANN, E. M.; LAMPARTER, J. Differentiation of ocular hypertension. Ophthalmologe. 113. 8; 715-28, 2016
  • GORDON, M. O.; KASS, M. A. What We Have Learned From the Ocular Hypertension Treatment Study. Am J Ophthalmol. 189. xxiv-xxvii, 2018
  • GARG, A.; GAZZARD, G. Treatment choices for newly diagnosed primary open angle and ocular hypertension patients. Eye (Lond). 34. 1; 60-71, 2020
Mais sobre este assunto:

Carregando
...