Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

Pressão alta na gravidez

​A pressão alta na gravidez surge quando a pressão arterial está acima de 140/90 mmHg, especialmente em mulheres que nunca tiveram aumento da pressão arterial, podendo causar dores na nuca, dor na barriga, visão embaçada ou inchaço do corpo.

As causas de pressão alta durante a gestação podem estar relacionadas com uma alimentação desequilibrada ou malformação da placenta. Além disso, a mulher tem maior risco de ter pressão alta na gravidez quando está grávida pela primeira vez, tem mais de 35 anos, é obesa ou diabética.

Normalmente, a pressão arterial fica mais baixa na primeira metade da gestação, voltando ao normal ou podendo até subir ligeiramente na segunda metade da gravidez e mais perto do parto. Por isso, se a gestante tiver a pressão alta, principalmente depois das 20 semanas de gestação, deve consultar imediatamente o obstetra.

Pressão alta na gravidez

A pressão alta na gravidez pode ser perigosa, uma vez que pode levar ao desenvolvimento de pré-eclâmpsia, uma complicação grave que pode provocar o aborto caso não seja tratada adequadamente com alimentação equilibrada ou medicação. Entenda o que é pré-eclâmpsia e como identificar

Sintomas que podem indicar

Apesar de nem sempre provocar qualquer sintoma, os sinais que indicam pressão alta na gravidez incluem:

  • Pressão arterial superior a 140/90 mmHg;
  • Dores de cabeça constantes, especialmente na nuca;
  • Dores fortes na barriga;
  • Visão embaçada e sensibilidade à luz;
  • Inchaço de partes do corpo, como pernas ou braços.

Na presença dos sintomas da pressão alta na gravidez é recomendado consultar o obstetra o mais rápido possível para iniciar o tratamento adequado e evitar complicações graves.

O que fazer para tratar

Para tratar a pressão alta na gravidez deve-se repousar bastante durante o dia, beber 2 a 3 litros de água por dia e fazer uma alimentação equilibrada com pouco sal ou alimentos industrializados, como embutidos, salgadinhos de festa ou batata frita.

Além disso, outras dicas que ajudam a baixar a pressão alta na gravidez incluem beber 1 suco de laranja por dia, praticar exercício físico leve, como caminhada, yoga ou hidroginástica, 2 a 3 vezes por semana, e evitar beber mais do que um café por dia.

Porém, nos casos em que a pressão não diminui com estes cuidados, o obstetra pode recomendar o tratamento com remédios para pressão alta. Já nos casos mais graves, a grávida pode ter de deixar de trabalhar ou ficar internada no hospital, evitando o desenvolvimento de eclâmpsia. Saiba quais são os remédios para controlar a pressão alta e quais são indicados para a grávida

Riscos da pressão alta na gravidez

A pressão alta na gravidez aumenta o risco de pre-eclâmpsia, uma doença que costuma aparecer a partir da 20ª semana de gestação e que, quando não é tratada, pode evoluir para eclâmpsia, causando convulsões, coma e até morte da mãe e do bebê.

Nos casos em que não se consegue baixar a pressão arterial, mesmo com os remédios prescritos pelo obstetra, o parto deve ser induzido para evitar o risco de morte.

Dieta para controlar a pressão

A dieta para pressão alta na gravidez deve ser pobre em sal, rica em ácido fólico, pois tem ação vasodilatadora, ajudando a baixar a pressão arterial, e rica em água, para evitar o acúmulo de líquidos e aliviar a pressão dentro dos vasos. Veja uma estratégia caseira em: Remédio caseiro para pressão alta na gravidez.

Uma das causas da pressão alta na gravidez pode ser o excesso de peso. Veja se você está engordando direitinho na gravidez:

semanas
Erro
m
Erro
kg
Erro
kg
Erro
Atenção: Esta calculadora não é adequada em caso de gravidez múltipla.
Imagem que indica que o site está carregando

Mais sobre este assunto:
Carregando
...