Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

Neurossífilis: o que é, principais sintomas, tratamento e como prevenir

A neurossífilis é uma complicação da sífilis, e surge quando a bactéria Treponema pallidum invade o sistema nervoso, atingindo o cérebro, meninges e medula espinhal. Essa complicação normalmente surge após muitos anos de convivência com a bactéria sem o tratamento adequado, o que leva ao aparecimento de sinais e sintomas como falência da memória, depressão, paralisias ou convulsões.

Para tratar a neurossífilis o médico indicará medicamentos antibióticos, como a Penicilina cristalina, diretamente na veia, durante aproximadamente 10 a 14 dias. Após alguns meses do tratamento, será necessário fazer uma acompanhamento dos níveis de infecção através da punção lombar do liquor, para avaliar se houve cura.

A sífilis é uma doença infecciosa crônica adquirida principalmente pelo contato sexual, e pode evoluir de diferentes formas ao longo de diferentes fases, incluindo a formação de úlceras genitais, manchas de pele ou febre, por exemplo, sendo que as alterações graves como problemas cardíacos ou neurológicos ocorrem em fases mais avançadas da doença. Saiba mais sobre as fases da sífilis em Tudo sobre a sífilis.

Neurossífilis: o que é, principais sintomas, tratamento e como prevenir

Principais sintomas

Os primeiros sinais e sintomas de neurossífilis costumam surgir entre 5 a 20 anos após a infecção pelo Treponema pallidum, somente quando a pessoa infectada não recebeu o tratamento adequado neste período. Alguns dos principais sinais e sintomas incluem:

  • Distúrbios da visão e cegueira;
  • Falhas de memória e demência;
  • Alteração na marcha;
  • Depressão;
  • Incontinência urinária;
  • Irritabilidade;
  • Dor de cabeça;
  • Confusão mental;
  • Paralisias;
  • Convulsões;
  • Rigidez na nuca;
  • Tremores;
  • Fraqueza;
  • Dormência nas pernas e pés;
  • Dificuldade em concentração;
  • Paralisia geral progressiva;
  • Alterações da personalidade;
  • Pupilas não responsivas à luz;
  • Alteração nos reflexos nervosos.

Como os sinais e sintomas da neurossífilis são muito variados, esta doença pode ser confundida com diversas doenças neurológicas, como Alzheimer, esclerose múltipla, meningite, tumor cerebral, doença de Parkinson, AVC (Acidente Vascular Cerebral) ou doenças psiquiátricas, como esquizofrenia e depressão.

Saiba mais sobre as fases da doença no vídeo seguinte:

Tudo que precisa saber sobre SÍFILIS

7.4 mil visualizações

Como confirmar

O diagnóstico da neurossífilis é feito pela análise do liquor, ou líquido cefalorraquidiano, que demonstra alterações sugestivas da doença, e é realizada através da punção lombar.

Os exames de imagem, como tomografia computadorizada, ressonância magnética e angiografia cerebral, são muito indicados para avaliar as alterações cerebrais e a progressão da doença. Já exames de sangue, como FTA-ABS e VDRL são exames sorológicos que ajudam a identificar anticorpos relacionados à sífilis. Saiba como entender o resultado do exame VDRL.

Como é feito o tratamento

O tratamento da neurossífilis deve ser realizado em hospital, consistindo em injeções diárias, na veia, de antibióticos como Penicilina G cristalina ou Ceftriaxona, durante cerca de 10 a 14 dias.

Após o tratamento para neurossífilis, o médico pode fazer exames de sangue ao 3º e 6º mês, assim como 1 vez por ano, durante 3 anos. Além disso, podem ser feitas punções lombares a cada 6 meses para confirmar a cura da infecção.

Veja também como é feito o tratamento nas diferentes fases da sífilis.

Neurossífilis: o que é, principais sintomas, tratamento e como prevenir

Possíveis complicações

Apesar da maioria dos sintomas da neurossífilis serem reversíveis, quando o tratamento não é feito de maneira adequada, a doença pode provocar alterações graves no sistema nervoso central, resultando em sequelas que incluem:

  • Paralisia de regiões do corpo;
  • Perda de visão;
  • Demência, alterações persistentes da memória ou do comportamento
  • Surdez;
  • Impotência sexual;
  • Psicose e outras alterações psiquiátricas;
  • Distúrbios do movimento
  • Incontinência urinária;
  • Dores contantes.

As complicações da neurossífilis dependem de como a doença evoluiu em cada pessoa, do tempo de infecção e do tempo de espera até ao início do tratamento.

Prevenção da neurossífilis

A neurossífilis é uma infecção que pode trazer graves consequências para a saúde e, por isso, deve ser prevenida através do tratamento adequado. Assim, pacientes com sífilis devem seguir as indicações do médico, evitando que a infecção possa chegar ao sistema nervoso, principalmente em casos de pacientes com o sistema imune alterado.

Já a prevenção da sífilis é feita com o uso de camisinha durante relações sexuais, e cuidados para se evitar a contaminação através de sangue e secreções, não se devendo compartilhar materiais que podem estar contaminados, como seringas e agulhas, além de fazer um acompanhamento pré-natal adequado, no caso de gestantes. Confira mais orientações sobre como acontece a transmissão e como prevenir a sífilis.

Bibliografia >

  • BARROS, Ana Margarida et al. Neurossífilis: Revisão Clínica e Laboratorial. Arquivos de Medicina. Vol 19. 3 ed; 121-129, 2005
  • MINISTÉRIO DA SAÚDE. Sífilis: o que é, causas, sintomas, tratamento, diagnóstico e prevenção. Disponível em: <http://www.saude.gov.br/saude-de-a-z/sifilis-2>. Acesso em 03 Jun 2019
Esta informação foi útil?   
Sim  /  Não

Ficou alguma dúvida. Deixe aqui a sua questão para que possamos melhorar o nosso texto:

Atenção! Só poderemos responder diretamente se deixar o seu email.
Mais sobre este assunto:


Publicidade
Carregando
...
Fechar

Pode perguntar

Fechar
É hora de acabar com todas as suas dúvidas!
Erro
Erro
Erro
Marque a caixa de verificação acima.
Enviar Mensagem