Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

Síndrome de Gilbert: o que é, possíveis sintomas e como é feito o tratamento

A síndrome de Gilbert, também conhecida como disfunção hepática constitucional, é uma doença genética que se caracteriza pela icterícia, o que faz com que as pessoas fiquem com a pele e os olhos amarelados. Não é considerada uma doença grave, e nem desencadeia problemas maiores de saúde, e, por isso, a pessoa com a síndrome vive tanto quanto um não portador da doença e com a mesma qualidade de vida.

A síndrome de Gilbert é mais frequente no sexo masculino e é causada por alteração em um gene responsável pela degradação da bilirrubina, ou seja, com a mutação no gene, a bilirrubina não consegue ser degradada, se acumulando no sangue e desenvolvendo o aspecto amarelado que caracteriza essa doença.

Síndrome de Gilbert: o que é, possíveis sintomas e como é feito o tratamento

Possíveis sintomas

Normalmente a síndrome de Gilbert não causa sintomas a não ser a presença de icterícia, que corresponde à pele e olhos amarelados. Porém, algumas pessoas portadoras da doença relatam fadiga, tontura, dor de cabeça, náuseas, diarreia ou constipação intestinal, não sendo esses sintomas característicos da doença. Normalmente surgem quando a pessoa com a doença de Gilbert apresenta alguma infecção ou está sendo submetido a uma situação de muito estresse, por exemplo.

Como é feito o diagnóstico

A síndrome de Gilbert não é de fácil diagnóstico, pois normalmente não apresenta sintomas e a icterícia pode ser muitas vezes interpretada como um sinal da anemia. Além disso, essa doença, independente da idade, costuma de manifestar apenas em momentos de estresse exercícios físicos intensos, jejum prolongado, durante alguma doença febril ou no período menstrual nas mulheres.

O diagnóstico é feito com objetivo de excluir outras causas de disfunção hepática e, por isso, não solicitados exames de provas de função hepática, como TGO ou ALT, TGP ou AST, e dosagem de bilirrubinas, além de exame de urina, para avaliar concentração de urobilinogênio, hemograma e, a depender do resultado, um exame molecular para pesquisar a mutação responsável pela doença. Veja quais são os exames que avaliam o fígado.

Normalmente os resultados dos exames de prova de função hepática nas pessoas com síndrome de Gilbert são normais, com exceção da concentração de bilirrubina indireta, que se encontra acima de 2,5mg/dL, quando o normal é entre 0,2 e 0,7mg/dL. Entenda o que é bilirrubina direta e indireta.

Além dos exames solicitados pelo hepatologista, também são avaliados aspectos físicos da pessoa, além da história familiar, já que se trata de uma doença genética e hereditária.

Como é feito o tratamento

Não existe nenhum tratamento específico para esta síndrome, no entanto alguns cuidados são necessários, já que alguns medicamentos usados no combate de outras doenças podem não ser metabolizados no fígado, já que possuem a atividade reduzida da enzima responsável pelo metabolismo desses medicamentos, como por exemplo o Irinotecan e o Indinavir, que são anticancerígeno e antiviral respectivamente. 

Além disso, não é recomendada a ingestão de bebidas alcoólicas pelas pessoas com síndrome de Gilbert, pois pode haver danos permanentes ao fígado e levar ao progresso da síndrome e ocorrência de doenças mais graves.

Mais sobre este assunto:


Publicidade
Carregando
...