Ribavirina: para que serve, como tomar e efeitos colaterais

Revisão clínica: Flávia Costa
Farmacêutica
julho 2022
  1. Para que serve
  2. Como tomar
  3. Efeitos colaterais
  4. Contraindicações

A ribavirina é um remédio antiviral indicado para o tratamento da hepatite C crônica que age impedindo a multiplicação do vírus da hepatite C, mas não é eficaz quando usado sozinho, e por isso, deve ser tomado em combinação com alfainterferona ou peginterferona alfa. 

Esse remédio é fornecido pelo SUS na forma de cápsulas de 250 mg, com o nome genérico ribavirina ou com o nome comercial Virazole.

O uso da ribavirina deve ser feito apenas sob orientação do médico, já que pode causar efeitos colaterais como anemia ou malformações no feto se usado durante a gestação ou caso aconteça uma gravidez durante o tratamento.

Para que serve

A ribavirina é indicada para o tratamento da hepatite C crônica em adultos e crianças com idade superior a 3 anos, em associação com alfainterferona ou peginterferona alfa, não devendo ser utilizada sozinha.

Além disso, a ribavirina é indicada para o tratamento da cirrose hepática causada pelo vírus da hepatite C, ou após transplante do fígado em pessoas com hepatite C.

Como tomar

A dose recomendada varia de acordo com a idade, o peso da pessoa e com o remédio utilizado juntamente com a ribavirina. Quando não existe uma recomendação específica, as orientações gerais indicam:

  • Adultos com menos de 75 Kg: a dose recomendada é de 500 a 1000 mg por dia, divididos em 2 doses, tomadas a cada 12 horas, preferencialmente de manhã e à noite;
  • Adultos com mais de 75 Kg: a dose recomendada é de 1250 mg por dia, divididos em 2 doses, tomadas a cada 12 horas, preferencialmente de manhã e à noite;
  • Crianças com mais de 3 anos: a dose recomendada é de 10 mg por Kg de peso corporal por dia, divididas em 2 doses, tomadas a cada 12 horas, e deve ser calculada pelo pediatra.

A duração do tratamento varia de acordo com a avaliação médica e, geralmente, a ribavirina é usada por um período de 6 a 12 meses de tratamento.

É importante beber bastante líquido durante o tratamento com a ribavirina para evitar a desidratação do corpo. Além disso, deve-se fazer exames de sangue a cada 15 dias para avaliar a quantidade de hemoglobina sanguínea, pois a ribavirina pode causar anemia hemolítica.

A ribavirina deve ser tomada por via oral, com um copo de água, junto com uma refeição, nos horários estabelecidos pelo hepatologista. No entanto, se esquecer de tomar uma dose na hora certa, tomar assim que lembrar, mas deve-se pular a dose esquecida se estiver na hora da próxima dose. Não tomar duas doses ao mesmo tempo para compensar a dose esquecida.

Possíveis efeitos colaterais

Os principais efeitos colaterais associados com o uso da ribavirina são:

  • Náusea;
  • Vômito;
  • Perda do apetite;
  • Diarreia;
  • Dor abdominal;
  • Febre;
  • Calafrio;
  • Tremor;
  • Cansaço excessivo ou fraqueza;
  • Dor de cabeça;
  • Dor muscular;
  • Mudança de humor;
  • Depressão e/ ou ansiedade;
  • Boca seca, aumentando o risco de cárie ou alterações na gengiva.

A ribavirina também pode aumentar o risco de anemia hemolítica que pode ser confirmado através do exame de sangue que deve ser realizado a cada 15 dias durante o tratamento, e através dos sintomas como palidez nas mucosas dos olhos e boca, queda de cabelo, dificuldade para respirar ou pele e olhos amarelados. Confira todos os sintomas da anemia hemolítica.

A ribavirina pode causar reações alérgicas graves que necessitam de atendimento médico imediato. Por isso, deve-se interromper o tratamento com a ribavirina e procurar o pronto socorro mais próximo ao apresentar sintomas como dificuldade para respirar, tosse, dor no peito, sensação de garganta fechada, inchaço na boca, língua ou rosto, ou urticária. Saiba identificar os sintomas de reação alérgica.

Quem não deve usar

O uso da ribavirina não é indicado nas seguintes situações:

  • Crianças com menos de 3 anos;
  • Mulheres em fase de amamentação;
  • Histórico de doença cardíaca grave, doença hepática grave ou cirrose grave;
  • Doença do sangue, como anemia falciforme ou talassemia;
  • Alergia a ribavirina ou a qualquer componente das cápsulas.

Além disso, o uso da ribavirina não deve ser feito durante a gravidez, já que pode causar mal-formações fetais, além de aumentar o risco de aborto espontâneo ou a morte do bebê. Por isso, o médico deve solicitar a realização de um teste de gravidez antes de iniciar o tratamento com a ribavirina, para avaliar se é seguro iniciar o seu uso, além de também indicar o uso de dois métodos contraceptivos durante o tratamento e pelo menos 7 meses depois de terminar o tratamento com a ribavirina.

Para homens em idade fértil, também deve-se ter medidas para evitar engravidar a parceira, pois não se sabe se a ribavirina presente no esperma pode causar defeitos no feto. Por isso, o homem deve usar preservativo durante todo o tratamento e por até 7 meses após o término do tratamento, e a parceira também deve usar métodos contraceptivos eficazes.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Marcela Lemos - Biomédica, em julho de 2022. Revisão clínica por Flávia Costa - Farmacêutica, em julho de 2022.

Bibliografia

  • BLAU FARMACÊUTICA S.A. Ribavirin cápsulas 250 mg. 2019. Disponível em: <https://www.blau.com.br/storage/app/media/Bulas%20Atualizacao%2006%2012%2018/Ribavirin%20-%20Medicamento_Bula_Profissional.pdf>. Acesso em 13 jul 2021
  • DRUGS.COM. Ribavirin. 2020. Disponível em: <https://www.drugs.com/mtm/ribavirin.html>. Acesso em 13 jul 2021
Mostrar bibliografia completa
  • KOH, C.; LIANG, T. J. What is the future of ribavirin therapy for hepatitis C?. Antiviral Res. 104. 34-9, 2014
  • FALADE-NWULIA, O.; et al. Oral Direct-Acting Agent Therapy for Hepatitis C Virus Infection: A Systematic Review. Ann Intern Med. 166. 9; 637-648, 2017
  • MARTIN, P.; JENSEN, D. M. Ribavirin in the treatment of chronic hepatitis C. J Gastroenterol Hepatol. 23. 6; 844-55, 2008
  • BRILLANTI, S.; MAZZELLA, G.; RODA, E. Ribavirin for chronic hepatitis C: and the mystery goes on. Dig Liver Dis. 43. 6; 425-30, 2011
Revisão clínica:
Flávia Costa
Farmacêutica
Formada em Farmácia pelo Centro Universitário Newton Paiva em 2003. Mestre em Ciências Biomédicas pela UBI, Portugal.

Tuasaude no Youtube

  • HEPATITE A, B e C: Principais sintomas e tratamento | com Drauzio Varella

    13:14 | 129672 visualizações
  • DIETA PARA HEPATITE

    08:46 | 220658 visualizações