Radiculopatia: o que é, sintomas, causas e tratamento

julho 2022

A radiculopatia é caracterizada pela lesão ou comprometimento de um ou mais nervos e suas raízes nervosas que passam pela coluna vertebral, levando ao surgimento de sintomas como dor, formigamento, sensação de choque e fraqueza dos membros, como acontece na dor pelo comprometimento do nervo ciático.

Os nervos e raízes nervosas fazem parte do sistema nervoso, e são responsáveis por levar informações entre o cérebro e as extremidades do corpo, como sensibilidade, força e movimentação. Geralmente, a radiculopatia é provocada por uma compressão das raízes nervosas, devido à doenças como hérnia de disco ou artrose da coluna, mas também pode surgir devido à outras causas como inflamação, isquemia, trauma na coluna ou infiltração por um tumor.

Qualquer localidade da coluna pode ser afetada, entretanto, é mais comum nas regiões lombar e cervical, e o tratamento é feito de acordo com a sua causa, o que inclui fisioterapia, uso de medicamentos analgésicos ou anti-inflamatórios para dor e, nos casos mais graves, cirurgia.

Sintomas da radiculopatia

Os principais sintomas de radiculopatia são:

  • Dor;
  • Formigamento;
  • Sensação de dormência;
  • Diminuição dos reflexos;
  • Atrofia dos músculos.

Além de se localizarem na na coluna, principalmente na região cervical e lombar, os sintomas de radiculopatia costumam irradiar para as localidades do corpo que são inervadas pelo nervo comprometido, como braços, mãos, pernas ou pés. Esta área que corresponde à inervação de um nervo é chamada de dermátomo. Conheça mais sobre os dermátomos e sua localização.

Geralmente, a dor e os outros sintomas pioram em situações em que há aumento da compressão do nervo, como tosse. Além disso, nos casos mais graves, pode haver diminuição da força ou, até, paralisia da região correspondente.

A radiculopatia tem cura?

Sim, a radiculopatia tem cura. De forma geral, essa situação vai melhorando com o tempo e não precisa de cirurgia, podendo ser apenas indicada a realização de várias sessões de fisioterapia. No entanto, essa orientação depende da causa da radiculopatia.

Principais causas

As principais causas de radiculopatia são:

  • Hérnias de disco;
  • Estenose do canal vertebral;
  • Artrose da coluna, também conhecida como espondiloartrose;
  • Massas na medula, como tumores ou abscessos;
  • Infecções, como herpes zoster, sífilis, HIV, citomegalovírus ou tuberculose, por exemplo;
  • Radiculopatia diabética;
  • Isquemia, provocada por alterações no fluxo de sangue, em vasculites, por exemplo;
  • Inflamações, como as que ocorrem em casos de polirradiculoneuropatia desmielinizante inflamatória aguda e crônica ou na sarcoidose, por exemplo.

Além disso, a radiculopatia pode ser provocada após um acidente que cause um traumatismo grave da coluna.

Como é feito o diagnóstico

Para diagnosticar a radiculopatia, médico deverá identificar os sintomas, fazer a avaliação física, detectando os principais pontos de dor, e solicitar exames, como radiografia ou ressonância magnética da coluna para detectar alterações na coluna, identificando o nervo afetado e a sua causa.

O exame de eletroneuromiografia (ENMG) pode ser útil em muitos casos, pois avalia a presença de lesões que afetam os nervos e músculos, sendo capaz de registrar a condução de um impulso elétrico em um nervo. Este exame é especialmente indicado quando há dúvidas sobre a causa dos sintomas, podendo confirmar se há mesmo uma lesão no nervo ou se há outros tipos de doenças neurológicas associadas. Saiba mais sobre como é feito e as indicações da eletroneuromiografia.

Tratamento para radiculopatia

O tratamento da radiculopatia depende da sua causa, indicado pelo ortopedista ou neurocirurgião, e inclui a realização de fisioterapia, com exercícios de alongamento, manipulação das vértebras e fortalecimento muscular, por exemplo, o que pode levar à cura dos sintomas ou, pelo menos, aliviá-los.

Além disso, o médico poderá indicar o uso de medicamentos analgésicos, como Paracetamol, Dipirona, Tramal ou Codeína, ou anti-inflamatórios, como Diclofenaco, Cetoprofeno ou Nimesulida, por exemplo, para controlar a dor e o desconforto.

Tratamento para radiculopatia crônica

Em pessoas com dor crônica pode-se ainda associar outras medicações para potencializar o controle da dor e de outras condições associadas, como insônia e depressão, e são elas: antidepressivos, como a Amitriptilina; anticonvulsivantes, como a gabapentina e pregabalina; ou relaxantes musculares, como a ciclobenzaprina.

Em casos mais graves, o médico poderá indicar a realização de cirurgia, principalmente para a descompressão da raiz nervosa.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Marcela Lemos - Biomédica, em julho de 2022. Revisão médica por Dr.ª Clarisse Bezerra - Médica de Saúde Familiar, em novembro de 2019.
Revisão médica:
Dr.ª Clarisse Bezerra
Médica de Saúde Familiar
Formada em Medicina pelo Centro Universitário Christus e especialista em Saúde da Família pela Universidade Estácio de Sá. Registro CRM-CE nº 16976.