Queloide na orelha: como é feito o tratamento, causas e como evitar

julho 2022

O queloide na orelha é um nódulo que é formado devido a um aumento da atividade das células que participam da cicatrização de feridas, geralmente após trauma ou irritação da pele, resultando em uma cicatriz anormal e que pode causar alteração da cor ou dor no local e crescer com o tempo. 

Embora algumas vezes não haja motivo aparente, o queloide na orelha pode acontecer após picadas de inseto, colocação de piercings ou brincos.

Em caso de queloide na orelha, é importante consultar o dermatologista para que seja feita uma avaliação e iniciado o tratamento. O tratamento para queloide na orelha pode envolver a  aplicação de pomada corticoide no local, tratamentos estéticos ou a sua remoção por meio de cirurgia. 

Como é feito o tratamento

As principais opções de tratamento que podem ser recomendadas em caso de queloide na orelha são:

1. Injeção de corticoide

A injeção de corticoide dentro do queloide geralmente é a primeira opção de tratamento e pode ser realizada em combinação com outras opções disponíveis. Além disso, várias aplicações em intervalos de 4 a 6 semanas podem ser indicadas e o tratamento pode ser complementado com o uso de pomadas de corticoide. 

2. Pomadas de corticoide

As pomadas de corticoide podem ser indicadas em conjunto a injeção de corticoide para o tratamento do queloide e podem ajudar a aliviar sintomas como coceira e queimação. Veja outras opções de pomadas para o tratamento do queloide.

3. Crioterapia

A crioterapia geralmente consiste na aplicação de uma substância fria no queloide por meio de um spray ou agulha. O objetivo desse tratamento é danificar os vasos que nutrem o queloide e causar a sua regressão, podendo ser necessárias várias sessões que podem ocorrer com um intervalo de 3 a 4 semanas para concluir o tratamento.

Embora possa ser eficaz, é possível que ocorra alteração da cor da pele no local da aplicação.  

4. Remoção por meio de cirurgia

A remoção do queloide por meio de cirurgia geralmente é realizada em combinação com outras opções de tratamento devido a um elevado risco de recorrência do quelóide após a sua remoção. 

Geralmente, a cirurgia é útil para reduzir o tamanho do queloide e permitir que outros tratamentos, como a radioterapia ou a injeção de corticoide, tenham maior efeito.

5. Radioterapia

A radioterapia, quando indicada, geralmente é realizada cerca de 24 horas após a remoção do queloide por meio de cirurgia. No entanto, esta opção de tratamento é menos indicada para pessoas com menos de 18 anos de idade e no caso do queloide da orelha, devido ao risco de desenvolvimento de tumores associado ao uso de radiação. Conheça mais detalhes sobre a radioterapia e seus efeitos colaterais.

6. Terapia com laser

O uso de laser pode ser indicado em alguns casos e acredita-se que possa danificar os vasos que nutrem o queloide, diminuir a produção de colágeno e de substâncias que estimulam a atividade de fibroblastos no local.

Dependendo do tipo de laser utilizado, também podem ser necessárias várias sessões para completar o tratamento. Além disso, é possível que alterações importantes no tamanho e cor do queloide possam começar a ser observadas após 4 e 6 sessões.

7. Terapia compressiva

A terapia compressiva consiste na aplicação de pressão no local do queloide na orelha,  geralmente após a sua remoção por meio de cirurgia. Para isso, costumam ser utilizados moldes para a orelha, ímãs ou mesmo brincos e acredita-se que dessa forma seja possível diminuir a atividade dos fibroblastos, promover a degradação do excesso de colágeno e, assim, evitar que o queloide volte a crescer no local.

8. Medicamentos imunossupressores e antitumorais

Medicamentos como interferons, sulfato de bleomicina e mitomicina C têm sido estudados e utilizados no tratamento do queloide da orelha devido aos seus efeitos na inibição da atividade dos fibroblastos e síntese de colágeno, também podendo ser indicados em alguns casos.

Possíveis causas

O queloide na orelha é causado por um aumento da atividade de fibroblastos, um tipo de célula que participa no processo de cicatrização de feridas, geralmente após trauma ou irritação da pele, como devido a picadas de inseto, colocação de piercing ou brincos, espinhas, queimaduras ou cirurgias anteriores no local, resultando numa produção elevada de colágeno e formação de uma cicatriz anormal, que é chamada de queloide.

Além disso, pessoas com pele mais escura, gestantes, adolescentes na puberdade e com histórico familiar de queloides têm maior risco de desenvolver um queloide na orelha.

Como evitar queloides na orelha

A formação de queloides na orelha pode ser prevenida evitando-se traumas e irritação na pele sempre que possível, como aqueles causados por procedimentos como furar a orelha, colocar piercings ou fazer tatuagens, principalmente em pessoas que possuem maior risco de desenvolver queloides.

Além disso, sempre que forem realizadas cirurgias na orelha, é importante seguir as orientações de cuidados pelo médico após a cirurgia, para que a cicatrização ocorra sem problemas. Caso tenha sido feita a remoção de um queloide, a terapia compressiva pode ser indicada para ajudar a diminuir o risco de sua recorrência.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Jonathan Panoeiro - Neuropediatra, em julho de 2022.

Bibliografia

  • BETARBET, Udayan; BLALOCK, Travis W. Keloids: A Review of Etiology, Prevention, and Treatment. J Clin Aesthet Dermatol. Vol.13, n.2. 33–43, 2020
  • STATPEARLS. Keloid. 2021. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK507899/>. Acesso em 19 jul 2022
Mostrar bibliografia completa
  • SOBEC, Raluca et al. Ear keloids: a review and update of treatment options. Clujul Medical. Vol.86, n.4. 313-317, 2013
  • JONES, Michael E. et al. Advancing Keloid Treatment: A Novel Multimodal Approach to Ear Keloids. Dermatol Surg. Vol.43, n.9. 1164-1169, 2017
Equipe editorial constituída por médicos e profissionais de saúde de diversas áreas como enfermagem, nutrição, fisioterapia, análises clínicas e farmácia.