O que fazer em caso de luxação (do pé, dedo, cotovelo...)

setembro 2022

Algumas medidas podem ser feitas quando a pessoa apresenta luxação em alguma articulação, até que receba atendimento médico, como colocar compressas frias no local, elevar o membro afetado, quando possível, e não forçar a articulação para evitar danos nos tecidos, vasos sanguíneos ou nervos em volta da articulação.

A luxação acontece quando os ossos que formam uma articulação ficam deslocados da sua posição natural, devido a traumatismos como uma pancada forte ou quedas, por exemplo, e pode acontecer em qualquer articulação, sendo mais frequente nos dedos, tornozelos, cotovelos, ombros, quadril ou pés. Veja outras causas da luxação

A luxação é considerada uma urgência médica e, por isso, é importante procurar atendimento médico o mais rápido possível, para que seja feito o diagnostico e iniciado o tratamento mais adequado, de forma a evitar complicações da luxação, como hemorragia na articulação ou problemas de cicatrização, por exemplo.

Como identificar uma luxação

A luxação pode ser confirmada quando existem estes 4 sinais:

  • Dor muito forte na articulação;
  • Dificuldade para movimentar o membro afetado;
  • Inchaço ou manchas roxas na articulação;
  • Deformação do membro afetado.

Dependendo do tipo da pancada e da intensidade, a luxação também pode surgir com uma fratura do osso. Nesse caso, também se deve evitar corrigir a fratura, sendo aconselhado ir rapidamente para o pronto-socorro. Saiba como identificar uma luxação.

O que fazer

No caso de ocorrer uma luxação, deve-se procurar o pronto-socorro, o hospital mais próximo ou ligar para o serviço de atendimento médico de emergência (SAMU), no número 192.

No entanto, até que o atendimento médico ocorra, é importante ter alguns cuidados, como: 

1. Não forçar o membro afetado

Quando ocorre uma luxação em qualquer articulação do corpo, como dedo, mão, cotovelo, ombro, joelho, quadril pé ou tornozelo, por exemplo, não se deve forçar o membro afetado e nem tentar movimentá-lo, pois pode causar complicações como rompimento de vasos sanguíneos ou lesão nos nervos próximos da articulação.

2. Imobilizar o membro afetado

Para impedir a articulação de mexer e causar complicações, é importante imobilizar o membro afetado, usando uma tipóia, utilizando tecido, uma faixa ou um cinto, ou usar tala ou almofada, por exemplo.

3. Elevar o membro

Quando a luxação ocorre no cotovelo ou mãos, deve-se elevar o membro afetado, acima da altura do coração, o que pode ser feito mantendo a mão para cima ou apoiando em alguma almofada ou travesseiro, por exemplo. Ao elevar o membro afetado, reduz-se o inchaço que pode surgir.

No entanto, caso se suspeite de uma lesão nas pernas, quadris, pelve, costas ou quadris, não se deve elevar as pernas ou tentar mover a pessoa, até que o socorro chegue ao local.

4. Aplicar compressas frias

É importante aplicar a compressa fria imediatamente assim que acontecer a luxação, para ajudar a reduzir a inflamação, a dor e o inchaço da região afetada.

Para fazer a compressa fria, deve-se colocar gelo dentro de uma bolsa térmica ou saco plástico, e depois envolver a bolsa ou o saco em uma toalha limpa e seca e aplicar na região afetada.

5. Não tentar colocar a articulação no lugar

Quando ocorre uma luxação em qualquer articulação, é fundamental não tentar colocar a articulação no lugar por conta própria, pois pode causar complicações graves, como danos nos nervos, vasos sanguíneos ou infecção na articulação afetada.

Além disso, pode também ocorrer danos nas cartilagens da articulação. Por isso, o reposicionamento da articulação deve ser feito somente pelo médico no hospital.

6. Lavar o membro afetado

Lavar o membro afetado é recomendado quando existe lesão ou rompimento da pele no local da luxação, de forma a remover sujeiras que podem aumentar o risco de infecção.

Para lavar a região afetada, deve-se lavar em água corrente, sem esfregar a pele na região afetada. Em seguida, é recomendado cobrir com uma gaze estéril, antes de imobilizar o membro afetado.

7. Não movimentar a pessoa com luxação

No caso de luxação no quadril, pelve ou parte superior da perna, ou quando existe o risco de lesão ou feridas nas costas, pernas ou pescoço, é importante não movimentar a pessoa até que a ambulância chegue, de forma a evitar complicações.

Nesse caso, deve-se acalmar a pessoa e tentar mantê-la confortável.

Como é feito o tratamento

O tratamento é indicado pelo médico de acordo com o tipo de luxação, no entanto na maioria dos casos é recomendado o uso de medicamento analgésicos para aliviar os sintomas. Além disso, o médico coloca a articulação no lugar com o objetivo de acelerar o processo de recuperação da pessoa. Veja como é feito o tratamento dos principais tipos de luxação no hospital.

Como evitar uma luxação

A melhor forma de evitar uma luxação consiste em utilizar os equipamentos de segurança recomendados para atividades perigosas. Por exemplo, no caso de esportes de alto impacto é aconselhável utilizar sempre os protetores de joelho e cotovelo ou luvas de proteção.

Já no caso das crianças, também se deve evitar puxá-las pelos braços, mãos, pernas ou pés, pois pode provocar força excessiva na articulação, que acaba provocando uma luxação.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Flávia Costa - Farmacêutica, em setembro de 2022. Revisão clínica por Manuel Reis - Enfermeiro, em setembro de 2022.

Bibliografia

  • REZAIE, N.; et al. Elbow Dislocation. Clin Sports Med. 39. 3; 637-655, 2020
  • KANE, P.; et al. Approach to the treatment of primary anterior shoulder dislocation: A review. Phys Sportsmed. 43. 1; 54-64, 2015
Mostrar bibliografia completa
  • DAWSON-AMOAH, K.; et al. Dislocation of the Hip: A Review of Types, Causes, and Treatment. Ochsner J. 18. 3; 242-252, 2018
  • WEBER, A. E.; et al. An Algorithmic Approach to the Management of Recurrent Lateral Patellar Dislocation. J Bone Joint Surg Am. 98. 5; 417-27, 2016
  • DONG, H.; et al. Closed reduction techniques for acute anterior shoulder dislocation: a systematic review and meta-analysis. Eur J Trauma Emerg Surg. 47. 2; 407-421, 2021
Revisão clínica:
Manuel Reis
Enfermeiro
Pós-graduado em fitoterapia clínica e formado pela Escola Superior de Enfermagem do Porto, em 2013. Membro nº 79026 da Ordem dos Enfermeiros.