Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

Pneumonia hospitalar: o que é, causas e como tratar

A pneumonia hospitalar é um tipo que pneumonia que surge 48 horas após a internação da pessoa ou até 72 horas após a alta e que o microrganismo responsável pela infecção não estava em incubação no momento da entrada no hospital, tendo sido adquirida em ambiente hospitalar.

Esse tipo de pneumonia pode estar relacionada com procedimentos realizados no hospital e pode ser causada, principalmente, por bactérias que estão presentes no ambiente hospitalar e que podem se instalar nos pulmões da pessoa, diminuindo a quantidade de oxigênio e produzindo infecção respiratória.

É importante que a pneumonia hospitalar seja identificada e tratada rapidamente para que possam ser prevenidas complicações e exista maior chance de alcançar a cura. Assim, o clínico geral ou pneumologista ou infectologista pode indicar o uso de antibióticos com o objetivo de eliminar o microrganismo responsável e promover melhora dos sintomas.

Pneumonia hospitalar: o que é, causas e como tratar

Causas de pneumonia hospitalar

A pneumonia hospitalar é causada por microrganismos que podem ser encontrados com maior facilidade no hospital devido a fatores de virulência que possuem que permitem que permaneçam mais tempo no ambiente hospitalar e que não sejam removidos pelos desinfetantes normalmente utilizados no ambiente hospitalar.

Esse tipo de pneumonia acontece com maior facilidade em pessoas que estão sendo submetidas à ventilação mecânica, recebendo então o nome de pneumonia associado à ventilação mecânica, e que possuem menor atividade do sistema imunológico ou que têm dificuldades para deglutir, havendo maior probabilidade de haver aspiração das bactérias que colonizam naturalmente o trato respiratório superior.

Assim, os principais microrganismos associados com a pneumonia hospitalar são:

  • Klebsiella pneumoniae;
  • Enterobacter sp;
  • Pseudomonas aeruginosa;
  • Acinetobacter baumannii;
  • Staphylococcus aureus;
  • Streptococcus pneumoniae;
  • Legionella sp.;

Para confirmar a pneumonia hospitalar, é preciso confirmar que a infecção aconteceu 48 horas após o internamento ou até 72 horas após a alta, além de ser necessária a realização de exames laboratoriais e de imagem que ajudem a confirmar a pneumonia e o microrganismo associado com a infecção. Saiba mais sobre a infecção hospitalar.

Principais sintomas

Os sintomas de pneumonia hospitalar são semelhantes aos da pneumonia comunitária, podendo ser observada febre alta, tosse seca que pode evoluir para tosse com secreção amarela ou com sangue, cansaço fácil, falta de apetite, dor no tórax e dificuldade para respirar.

Como a maioria dos casos de pneumonia hospitalar acontecem com a pessoa ainda em internamento, os sintomas costumam ser logo observados pela equipe responsável pela pessoa, sendo o tratamento iniciado logo em seguida. No entanto, caso os sintomas de pneumonia hospitalar surjam após a alta hospitalar, é importante que a pessoa consulte o médico que a acompanhou para que seja feita uma avaliação, indicada a realização de exames e, caso seja necessário, inciado o tratamento mais adequado.

Saiba reconhecer os sintomas de pneumonia.

Tratamento para pneumonia hospitalar

O tratamento da pneumonia hospitalar deve ser indicado pelo pneumologista de acordo com o estado geral de saúde da pessoa e com o microrganismo responsável pela pneumonia, sendo normalmente indicado uso de antibióticos para combater o microrganismo e reduzir a inflamação.

Os sinais de melhora costumam aparecer por volta do 7º dia de tratamento, no entanto, dependendo da gravidade da pneumonia, a pessoa pode continuar internado durante o tratamento ou, em alguns casos, ter alta. No último caso, os portadores da doença podem utilizar antibióticos orais em casa.

Em alguns casos, pode ser também indicada fisioterapia, com exercícios respiratórios pode complementar o tratamento com remédios, ajudando na retirada de secreções infectadas e impedindo que novas bactérias cheguem no pulmão, sendo também utilizado em pacientes que estão internados por muito tempo, como forma de prevenção da pneumonia hospitalar. Entenda como é feita a fisioterapia respiratória.

A pneumonia hospitalar pode ser contagiosa e, por isso, é importante que a pessoa evite espaços públicos como o trabalho, parques ou escola, até estar curado. Porém, se for necessário ir a estes locais, é recomendado que seja utilizada máscara de proteção, que pode ser comprada em qualquer farmácia, ou colocar a mão, ou lenço, em frente ao nariz e à boca quando espirrar ou tossir.

Veja também alguns exercícios que ajudam a fortalecer o pulmão e acelerar a recuperação da pneumonia:

Bibliografia >

  • BARER, Michael R. et al. Medical Microbiology - A guide to Microbial Infections: Pathogenesis, immunity, laboratory investigation and control. 19 ed. Elsevier, 2018. 643.
  • UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO - CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR. Pneumonia hospitalar. Disponível em: <http://www2.ebserh.gov.br/documents/147715/148046/protocolo+de+tratamento.pdf/96a344db-8561-4838-aaf5-c233ff026a4a>. Acesso em 17 Jul 2020
Esta informação foi útil?   
Sim  /  Não

Ficou alguma dúvida. Deixe aqui a sua questão para que possamos melhorar o nosso texto:

Atenção! Só poderemos responder diretamente se deixar o seu email.
Irá receber um email com um link que deverá aceder para confirmar que o email lhe pertence.
Mais sobre este assunto:

Carregando
...
Fechar Simbolo de finalizado

Pode perguntar

Fechar
É hora de acabar com todas as suas dúvidas!
Erro
Erro
Erro
Marque a caixa de verificação acima.
Enviar Mensagem