Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.

Emendar a cartela de anticoncepcional: quando fazer e possíveis efeitos

A mulher pode emendar duas cartelas anticoncepcionais, sem nenhum risco para saúde e sem interferir na capacidade reprodutiva. No entanto, quem deseja acabar com a menstruação deve trocar a pílula por uma de uso contínuo, que não precisa de pausa, nem há menstruação.

Não existe um consenso entre os ginecologistas sobre até quantas cartelas de anticoncepcionais se pode emendar, no entanto alguns médicos indicam que é comum que a partir da 4ª cartela é possível haver sangramentos de escape. Além disso, nem todos os anticoncepcionais podem ser emendados, pois pode haver aumento do risco de problemas de coagulação.

Emendar a cartela de anticoncepcional: quando fazer e possíveis efeitos

Possíveis efeitos colaterais

De forma geral, não são relatados efeitos colaterais relacionados com o fato de emendar as cartelas do anticoncepcional, no entanto é possível haver sangramento de escape, que corresponde a um pequeno sangramento de cor marrom. Isso porque devido ao nível constante de hormônios, há diminuição da espessura do endométrio, tornando-o mais fino e mais sensível, o que pode favorecer a ocorrência de pequenos sangramentos. Saiba mais sobre o sangramento de escape.

Além disso, algumas mulheres relatam que o fato de não fazer a pausa do anticoncepcional sentem-se mais inchadas e com as mamas mais doloridas, além dos sintomas comuns do uso de anticoncepcionais. Dependendo da cartela de anticoncepcional emendado é possível haver maior risco de problema de coagulação e pressão alta. Por isso, é importante que o ginecologista seja consultado antes de emendar as cartelas e quando surgirem sinais e sintomas que possam estar relacionados com a ausência de pausa.

Quando emendar a cartela do anticoncepcional

Não fazer a pausa dos anticoncepcionais pode ser indicado pelo ginecologista quando a mulher não deseja menstruar ou deseja controlar os sintomas da TPM. Como não há variação dos níveis hormonais, não acontece desequilíbrio dos neurotransmissores, prevenindo os sintomas da TPM. Além disso, alguns estudos indicam que o uso contínuo do anticoncepcional diminui, a longo prazo, o risco de câncer de ovário e de endométrio.

Apesar de ter algumas vantagens, é importante que o ginecologista seja consultado, isso porque alguns anticoncepcionais foram desenvolvidos para que existisse uma pausa entre as cartelas, de forma a evitar níveis constantes de hormônios, o que poderia aumentar o risco de complicações. Assim, é fundamental que o ginecologista seja consultado para que seja indicado o melhor anticoncepcional para esse objetivo.

Emendar a cartela de anticoncepcional: quando fazer e possíveis efeitos

Por que fazer a pausa do anticoncepcional?

A pausa da pílula anticoncepcional deve ser respeitada para permitir a limpeza do útero, pois, embora os ovários não estejam amadurecendo óvulos, o útero continua se preparando, todos os meses, para uma possível gravidez, tornando-se mais espesso devido ao endométrio. 

Assim, o sangramento que acontece durante a pausa não é uma verdadeira menstruação, pois não contém nenhum óvulo, e só existe para permitir a limpeza do útero e para imitar o ciclo natural da mulher, facilitando identificar possíveis casos de gravidez, quando a menstruação não desce, por exemplo.

Como fazer a pausa corretamente

O tempo da pausa entre pílulas varia de acordo com o tipo de pílula anticoncepcional que se está tomando. Assim:

  • Pílulas de 21 dias, como Yasmim, Selene ou Diane 35: a pausa, normalmente, é de 7 dias e, nesses dias, a mulher não deve tomar comprimidos. A nova cartela deve ser iniciada no 8º dia da pausa;
  • Pílulas de 24 dias, como Yaz ou Mirelle: a pausa é de 4 dias sem anticoncepcional, devendo a nova cartela ser iniciada no 5º dia. Algumas cartelas possuem, além das 24 pílulas, 4 comprimidos de outra cor, que não possuem hormônios e que funcionam como pausa. Nesses casos, a nova cartela deve ser iniciada logo no dia seguinte que acaba e o último comprimido colorido da cartela.
  • Pílulas de 28 dias, como Cerazette: não precisam de pausa, pois são de uso contínuo. Neste tipo de pílula não existe menstruação mas podem surgir pequenos sangramentos em qualquer dia do mês.

Ao esquecer de tomar o primeiro comprimido da nova cartela após a pausa, os ovários podem voltar a funcionar normalmente e amadurecer um óvulo, o que pode aumentar as chances de engravidar, especialmente se teve alguma relação sexual sem caminha durante o período de pausa. Saiba o que fazer se esquecer de tomar o anticoncepcional.

Em alguns casos, o tempo de pausa também pode variar de acordo com a marca da pílula e, por isso, é muito importante ler a bula e esclarecer todas as dúvidas com o ginecologista, antes iniciar o uso das pílulas anticoncepcionais.

Esta informação foi útil?

Bibliografia

  • MACHADO, Rogério B.; MAGALHÃES, Jarbas; POMPEI, Luciano M.; FILHO, Hugo M. Anticoncepcionais orais combinados em regime estendido. FEMINA. Vol 39. 10 ed; 471-477, 2011
  • AMÉRICO, Camila F.; NOGUEIRA, Paula S. F.; VIEIRA, Rebeca P. R. et al. Conhecimento de usuárias de anticoncepcional oral combinado de baixa dose sobre o método. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2013
  • SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS. Anticoncepcional: dúvidas e cuidados. Disponível em: <https://secom.ufg.br/p/13270-anticoncepcional-duvidas-e-cuidados>. Acesso em 17 Jun 2021
Mais sobre este assunto:

Carregando
...