Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

O que é a paralisia facial de Bell e como tratar

A paralisia facial periférica, também conhecida como paralisia facial de Bell, é uma alteração neurológica que acontece quando o nervo facial é afetado por alguma razão, levando ao surgimento de sintomas como dificuldade para movimentar o rosto, falta de expressão em uma parte da face ou apenas a sensação de formigamento.

Na maioria das vezes, a paralisia facial é temporária, surgindo por uma inflamação ao redor do nervo facial gerando uma compressão no nervo e desencadeando os sintomas, sendo mais comum após uma infecção pelo vírus da herpes simples e herpes-zoster, mas também por citomegalovirus (CMV), Epstein-Barr (EBV), rubéola, caxumba, ou por doenças imunes, como a doença de Lyme.

Assim, se observar a paralisia é importante consultar um clínico geral para identificar se existe algum outro problema que precise de tratamento. Além disso, se surgirem outros sintomas como desorientação, fraqueza em outras partes do corpo, febre ou desmaio é importante ir imediatamente ao médico.

O que é a paralisia facial de Bell e como tratar

Principais sintomas

Os sintomas mais frequentes da paralisia facial de Bell são:

  • Boca torta, que é mais evidente quando se tenta sorrir;
  • Boca seca;
  • Falta de expressão num dos lados da face;
  • Incapacidade de fechar completamente um dos olhos, de levantar uma das sobrancelhas ou de franzir a testa;
  • Dor ou formigamento na cabeça ou na mandíbula;
  • Aumento da sensibilidade do som num dos ouvidos.

O diagnóstico da paralisia facial é feito através da observação do médico e, na maioria das vezes, não é necessário realizar exames complementares. Contudo, para certificar-se de que se trata somente de uma paralisia facial periférica, pode-se recorrer à ressonância magnética, eletroneuromiografia e exames de sangue, por exemplo, para encontrar o diagnóstico exato.

Como é feito o tratamento

Geralmente, o tratamento para paralisia facial consiste na administração de medicamentos corticoides, como a prednisona, ao qual pode ser associado um antiviral, como o valaciclovir, porém, o médico só o recomenda em alguns casos.

Além disso, também é necessário fazer fisioterapia e aplicar colírios lubrificantes para prevenir a secura ocular. O uso de colírios ou de lágrimas artificiais é essencial para manter o olho afetado devidamente hidratado e diminuir o risco de lesões na córnea. Para dormir, deve-se aplicar uma pomada receitada pelo médico e usar uma proteção nos olhos, como uma venda, por exemplo.

As pessoas que sentem dor associada à paralisia, podem também usar um analgésico ou anti-inflamatório, como o paracetamol ou o ibuprofeno, por exemplo.

Como é feita a fisioterapia

A fisioterapia utiliza exercícios faciais para fortalecer os músculos e melhorar os movimentos e expressões do rosto. No entanto, é importante que esses exercícios sejam realizados várias vezes ao dia, todos os dias, para potencializar o tratamento. Por isso, além das sessões com o fisioterapeuta é essencial fazer os exercícios em casa, e algumas vezes pode-se fazer sessões com fonoaudiólogo também.

Confira alguns exemplos de exercícios que podem ser feitos para a paralisia de Bell.

O que pode causar a paralisia

A paralisia facial ocorre devido ao comprometimento dos nervos da face que deixa os músculos faciais paralisados. Algumas das possíveis causas da paralisia são:

  • Alteração brusca de temperatura;
  • Estresse;
  • Traumatismo;
  • Infecção viral com herpes simplex, herpes zóster, Citomegalovírus ou outros;
  • Raramente, pode ser consequência de outras doenças.

Assim, a paralisia pode ocorrer no trajeto do nervo facial ainda dentro do cérebro ou fora dele. Quando ocorre dentro do cérebro é uma consequência do AVC e vem acompanhado com outros sintomas e sequelas. Já quando ocorre fora do cérebro, no trajeto da face, é mais fácil de ser tratada e, neste caso, é chamada de paralisia facial periférica ou de Bell.

Bibliografia >

  • BRITISH JOURNAL OF FAMILY MEDICINE. BELL’S PALSY: A REVIEW. 2015. Disponível em: <https://www.bjfm.co.uk/media/5112/bjfm_may-2015_23-26_bells_palsy.pdf>. Acesso em 12 Dez 2019
  • BERKSHIRE HEALTHCARE - NHS FOUNDATION TRUST. Bell’s palsy Information and advice. 2017. Disponível em: <https://www.berkshirehealthcare.nhs.uk/media/168323/bells_palsy_leaflet.pdf>. Acesso em 12 Dez 2019
Esta informação foi útil?   
Sim  /  Não

Ficou alguma dúvida. Deixe aqui a sua questão para que possamos melhorar o nosso texto:

Atenção! Só poderemos responder diretamente se deixar o seu email.
Mais sobre este assunto:


Publicidade
Carregando
...
Fechar

Pode perguntar

Fechar
É hora de acabar com todas as suas dúvidas!
Erro
Erro
Erro
Marque a caixa de verificação acima.
Enviar Mensagem