Nanismo: o que é, altura, causas e tratamento

agosto 2022

O nanismo é um transtorno que causa baixa estatura, devido a alterações genéticas, hormonais, nutricionais ou ambientais, que fazem com que o corpo não cresça e se desenvolva como deveria.

Existem alguns tipos de nanismo, que são classificados de acordo com as características do corpo, como o nanismo proporcional ou o nanismo desproporcional, que além da baixa estatura, podem causar membros e dedos curtos, tronco longo e estreito, pernas arqueadas, cabeça relativamente grande, testa proeminente e cifose e lordose acentuadas, por exemplo.

O tratamento do nanismo deve ser feito com orientação do pediatra ou do ortopedista com o objetivo de evitar algumas das complicações ou corrigir deformidades que podem surgir com o desenvolvimento da criança.

A partir de que altura é nanismo?

O nanismo é caracterizado por uma estatura menor do que a média, sendo considerado nanismo um adulto com uma altura menor que 1,45 m para homens e 1,40 m para mulher.

Sintomas do nanismo

O principal sintoma do nanismo é a baixa estatura, que pode estar acompanhada de outros sintomas, de acordo com as características do corpo, que inclui:

1. Nanismo proporcional

No nanismo proporcional todas as partes do corpo são menores que o normal e parecem proporcionais para a altura. Normalmente os sintomas deste tipo de nanismo aparecem nos primeiros anos de vida, estando presente desde o nascimento e sendo identificado pelo pediatra através de sintomas como:

  • Crescimento da criança menor do que terceira curva de percentil na tabela de curva de crescimento;
  • Desenvolvimento geral da criança inferior ao normal;
  • Atraso no desenvolvimento sexual durante a adolescência.

Na maioria dos casos, o diagnóstico é feito pelo pediatra logo após o nascimento ou durante as consultas da infância.

2. Nanismo desproporcional

No nanismo desproporcional, algumas partes do corpo possuem tamanho igual ou superior ao que seria esperado, criando uma sensação de desproporcionalidade para a altura. Nestes casos, os principais sintomas são:

  • Tronco de tamanho normal;
  • Pernas e braços curtos, especialmente na região do antebraço e coxas;
  • Dedos pequenos com espaço maior entre o dedo médio e anelar;
  • Dificuldade para dobrar os cotovelos;
  • Cabeça muito grande para o resto do corpo,
  • Nariz achatado;
  • Testa proeminente;
  • Pernas arqueadas.

Além disso, o nanismo desproporcional também pode provocar pescoço curto, peito arredondado, deformidades dos lábios, problemas de visão ou deformidades dos pés.

Como confirmar o diagnóstico

O diagnóstico do nanismo é feito pelo pediatra ou ortopedista, através do histórico clínico, incluindo dados sobre a gestação até o nascimento e desenvolvimento até a puberdade, além do histórico familiar.

Além disso, o pediatra deve fazer regularmente uma avaliação antropométrica, que é a verificação do peso corporal, altura do corpo e do tronco, comprimento dos braços e pernas e perímetro cefálico, e registrar em um gráfico de curva de crescimento, de forma a verificar e acompanhar o crescimento da criança.

Outro exame que pode ser solicitado pelo médico é o exame radiológico, que normalmente é suficiente para a confirmação do nanismo. 

Possíveis causas

O nanismo pode ser causado por alterações genéticas, metabólicas ou hormonais, sendo classificado em diferentes tipos de acordo com sua causa, que inclui:

  • Acondroplasia: é um tipo mais comum de nanismo desproporcional, causado por uma alteração genética por uma mutação no gene do receptor do fator de crescimento de fibroblastos-3 (FGFR-3), que limita a transformação da cartilagem em osso, ocorrendo principalmente em ossos longos; 
  • Displasia espondiloepifisária: é um tipo raro de nanismo desproporcional, que pode se desenvolver em adolescentes ou adultos, devido a mutações no gene TRAPPC2, levando ao surgimento de escoliose ou cifose, hiperlordose lombar, pescoço curto e osteoartrite;
  • Síndrome de Turner: é um tipo de nanismo caracterizada pela ausência total ou parcial de um dos dois cromossomos X, o que leva a uma baixa estatura na vida adulta;  
  • Deficiência do hormônio do crescimento: esse tipo de nanismo ocorre por uma menor produção do hormônio do crescimento (GH) pela glândula hipófise ou hipotálamo, mas também pode ocorrer por deficiência de outros hormônios, como os hormônios da tireóide ou hormônios sexuais, alterações genéticas, ou lesão no cérebro, por exemplo.

Além disso, o nanismo também pode ser causado por devido a presença de outras condições de saúde, como má nutrição durante a gravidez ou na infância, artrite idiopática, doença celíaca ou doença inflamatória intestinal, por exemplo, ou outras síndromes, como síndrome de Down, síndrome de Noonan, síndrome de Prader-Willi ou síndrome de Silver-Russell.

O que é nanismo primordial

O nanismo primordial é um tipo muito raro de nanismo, causado pela ausência da produção de uma proteína, chamada pericentrina, que é responsável pela reprodução e desenvolvimento das células do corpo. Esse tipo de nanismo muitas vezes pode ser identificado antes do nascimento, uma vez que o crescimento do feto é muito lento, sendo menor que o esperado para a idade gestacional.

Normalmente, a criança nasce com muito baixo peso e continua crescendo de forma muito lenta, embora seu desenvolvimento seja normal e, por isso, o diagnóstico normalmente é feito nos primeiros meses de vida.

Como é feito o tratamento

O tratamento do nanismo deve ser orientado pelo pediatra ou ortopedista, de forma a identificar possíveis complicações ou deformidades que precisem ser corrigidas. No entanto, alguns dos tratamentos mais indicados incluem:

  • Cirurgia: deve ser realizada pelo ortopedista e ajuda a corrigir alterações na direção de crescimento de alguns ossos e promover o alongamento ósseo;
  • Terapia hormonal: é usada nos casos de nanismo por deficiência do hormônio de crescimento e é feita com injeções diárias do hormônio, que podem ajudar a diminuir a diferença de altura;
  • Aumento dos braços ou pernas: é um tratamento pouco usado no qual o médico faz uma cirurgia para tentar alongar os membros caso esteja desproporcionais com o resto do corpo.

Além disso, quem sofre com nanismo deve fazer consultas regulares, especialmente durante a infância, para avaliar o surgimento de complicações, como complicações neurológicas, deformidades ósseas e infecções recorrentes nos ouvidos, por exemplo, que possam ser tratadas, de forma a manter uma boa qualidade de vida.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Manuel Reis - Enfermeiro, em agosto de 2022. Revisão médica por Dr. Francisco Couto Valente - Ortopedista, em julho de 2022.

Bibliografia

  • ALKURAYA, F. S. Primordial dwarfism: an update. Curr Opin Endocrinol Diabetes Obes. 22. 1; 55-64, 2015
  • LIN, S.; et al. Growth Hormone Receptor Mutations Related to Individual Dwarfism. Int J Mol Sci. 19. 5; 1433, 2018
Mostrar bibliografia completa
  • ŞIKLAR, Z.; BERBEROGLU, M. Syndromic disorders with short stature. J Clin Res Pediatr Endocrinol. 6. 1; 1-8, 2014
  • WIT, J. M.; et al. Idiopathic short stature: definition, epidemiology, and diagnostic evaluation. Growth Horm IGF Res. 18. 2; 89-110, 2008
  • ORNITZ, D. M.; LEGEAI-MALLET, L. Achondroplasia: Development, pathogenesis, and therapy. Dev Dyn. 246. 4; 291-309, 2017
  • JAIN, M.; SABER, A. Y. IN: STATPEARLS [INTERNET]. TREASURE ISLAND (FL): STATPEARLS PUBLISHING. Dwarfism. 2022. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK563282/>. Acesso em 05 jul 2022
Ortopedista
Médico ortopedista formado pela Faculdade Souza Marques em 2011, com CRM.RJ 52.92679-5 e Membro da Sociedade Brasileira de Ortopedia.