Retenção de líquido: o que é, sintomas, causas e o que fazer

A retenção de líquido corresponde ao acúmulo anormal de líquidos dentro dos tecidos do organismo e pode surgir devido a alterações hormonais na TPM ou gravidez, consumo excessivo de sal, ficar parado muito tempo na mesma posição ou falta de atividade física regular, causando sintomas como inchaço nas pernas, mãos ou abdômen, por exemplo.

Geralmente, a retenção de líquido pode ser aliviada com medidas simples como elevar as pernas, ou levantar os braços abrindo e fechando as mãos, mas em alguns casos pode ser sintoma de doenças como diabetes, pressão alta ou insuficiência hepática ou renal, sendo necessário fazer acompanhamento médico.

Além disso, é preciso estar atento aos sintomas que podem acompanhar a retenção de líquido como inchaço repentino das pernas, pés ou mãos, vermelhidão no local inchado, falta de ar ou dor no peito e buscar ajuda médica imediatamente ou o pronto socorro mais próximo, para que seja identificada a causa da retenção de líquido e indicado o tratamento mais adequado.

Retenção de líquido: o que é, sintomas, causas e o que fazer

Principais sintomas

A retenção de líquido pode ser percebida por meio do inchaço de uma ou mais partes do corpo, sendo mais frequente de acontecer no rosto, barriga, pernas, braços e costas. Além disso, é comum que na retenção de líquido exista diminuição da quantidade de urina produzida e liberada por dia.

Uma forma de saber que é retenção de líquido é pressionando o local que está inchado por cerca de 30 segundos, caso a região fique marcada é indicativo de que há o acúmulo de líquidos no local. 

Possíveis causas

As principais causas de retenção de líquido incluem: 

1. Alimentação rica em sal

A alimentação rica em sal pode causar retenção de líquido no corpo e isto ocorre porque o sal contém muito sódio que retém água e, por isso, se tiver em grandes quantidades no corpo, aumenta a retenção de líquidos. 

O que fazer: uma boa opção para evitar a retenção de líquido é usar sal com baixo teor de sódio ou usar ervas aromáticas para reduzir o consumo do sal ou evitar adicionar sal às refeições.

Assista o vídeo de como preparar o sal de ervas:

2. Gravidez

A retenção de líquido na gravidez é um sintoma normal, pois durante a gestação existe um aumento de produção do hormônio relaxina que provoca a dilatação dos vasos sanguíneos e levando ao inchaço nas pernas e nos tornozelos, principalmente.

Isso acontece porque quando o sangue chega nas pernas não consegue retornar ao coração com tanta facilidade, estimulando o acúmulo de líquidos no espaço entre as células, o que dá origem ao inchaço.

O que fazer: beber pelo menos 8 copos de água durante o dia, elevar as pernas sempre que possível, diminuir o consumo sal ou fazer atividades físicas leves como a caminhada ou hidroginástica, por exemplo, desde que liberadas pelo obstetra, para melhorar a circulação sanguínea e aumentar a eliminação de líquidos. Veja outras formas de aliviar com a retenção de líquidos na gravidez.

3. Não beber água durante o dia

Manter o corpo hidratado é fundamental para manter as funções das células e o funcionamento dos rins, ajudando a eliminar o excesso de sódio do organismo, e, por isso, não beber água é um dos motivos da retenção de líquido.

Além disso, a desidratação faz com que o corpo retenha mais água para compensar a falta de água, o que leva à retenção de líquidos e inchaço.

O que fazer: consumir pelo menos 1,5 a 3 litros de água por dia na sua forma natural, com gás, aromatizada ou em chás sem açúcar. 

Assista o vídeo com a nutricionista Tatiana Zanin com dicas de como aumentar o consumo de água para ajudar a reduzir a retenção de líquidos: 

4. Falta de atividade física

A falta de atividade física influencia na circulação sanguínea que se torna mais lenta, o que pode causar retenção de líquidos no corpo, especialmente nas pernas, nos tornozelos e nos pés. 

O que fazer: a prática regular de atividade física ajuda a prevenir e melhorar a retenção de líquidos por melhorar a circulação sanguínea, fazendo com que o sangue circule de forma mais eficiente no corpo. Por isso, deve-se fazer atividades físicas, pelo menos 30 minutos, 3 vezes por semana como caminhada leve, natação ou hidroginástica, por exemplo.

5. Permanecer muito tempo parado na mesma posição

Ficar longos períodos de tempo em pé ou sentado, como no trabalho ou em viagens longas, por exemplo, pode ser uma causa de retenção de líquidos, pois permanecer muito tempo parado na mesma posição, dificulta o retorno do sangue das pernas ou braços para o coração e pode causar inchaço das pernas, pés, tornozelos, mãos ou braços.

O que fazer: no caso de ficar muito tempo sentado, deve-se movimentar os pés para cima e para baixo, a cada hora ou andar a cada 5 minutos, e levantar os braços, abrindo e fechando as mãos para estimular a circulação sanguínea, por exemplo. No caso de ficar muito tempo em pé, deve-se dobrar as pernas e tornozelos, fazer movimentos circulares com os pés e levantar os braços abrindo e fechando as mãos, pode ajudar a evitar retenção de líquidos. Pode-se também fazer massagem ou drenagem linfática para ativar a circulação. Saiba como fazer drenagem linfática em casa.

Assista o vídeo com a fisioterapeuta Marcelle Pinheiro com essas e outras medidas para aliviar a retenção de líquido causada por permanecer muito tempo parado na mesma posição:

   

6. Uso de medicamentos

O uso de alguns medicamentos pode causar retenção de líquidos e inchaço nas mãos e nos pés, como os corticóides, minoxidil, ou remédios para tratamento da pressão alta como captopril, enalapril, lisinopril, anlodipino, nimodipina, por exemplo.

O que fazer: deve-se fazer acompanhamento com o médico que receitou um desses medicamentos para avaliar a dose ou se é necessário mudar o tratamento, por exemplo. No entanto, medidas simples podem ser feitas em casa, como elevar as pernas, levantar os braços, fazer massagem ou drenagem linfática ou caminhadas leves para melhorar a circulação sanguínea e aliviar a retenção de líquido.

7. Alterações hormonais

A retenção de líquidos é muito frequente nas mulheres devido às alterações hormonais do ciclo menstrual, principalmente durante a TPM, e é percebida por meio do inchaço abdominal ou das mamas. Além disso, a menopausa também pode causar retenção de líquidos .

Algumas doenças hormonais também podem causar retenção de líquidos, como o hipotireoidismo ou síndrome de Cushing, devido às variações na quantidade de hormônios T3, T4 ou esteróides, que são importantes para manter os níveis de líquidos no corpo, podendo causar inchaço abdominal, nas pernas, braços ou rosto, por exemplo.

O que fazer: deve-se consultar um ginecologista ou endocrinologista para fazer uma avaliação dos hormônios femininos como estrógeno e progesterona, ou hormônios da tireoide ou esteróides, para iniciar o tratamento mais adequado que pode ser feito com o uso de medicamentos indicados pelo médico. Veja como é feito o tratamento do hipotireoidismo

8. Problemas cardiovasculares

A retenção de líquidos pode ocorrer por problemas cardíacos como pressão alta, insuficiência cardíaca ou insuficiência venosa, devido a dificuldade de bombeamento de sangue pelo coração, ou por as válvulas das veias não funcionarem de forma adequada dificultando o retorno do sangue para o coração, o que pode levar ao acúmulo líquidos e causar inchaço nas pernas, pés, mãos, braços ou abdômen, por exemplo.

O que fazer: deve-se consultar o cardiologista ou angiologista para avaliar a causa da retenção de líquidos e iniciar o tratamento que pode ser feito com remédios anti-hipertensivos ou diuréticos, no caso da pressão lata ou insuficiência cardíaca. Já no caso da insuficiência venosa, o médico pode indicar o uso de meias de compressão ou até cirurgia. Além disso, é aconselhado fazer atividades físicas leves liberadas pelo médico, como caminhada, e movimentar as pernas e os braços durante o dia, deitar e elevar as pernas acima do nível do coração antes de dormir por 20 minutos.

9. Insuficiência renal

A insuficiência renal é uma condição em que os rins não funcionam de forma adequada e por isso, não eliminam os líquidos do corpo pela urina, o que pode levar à retenção de líquidos e inchaço dos pés, das mãos e do rosto.

O que fazer: a insuficiência renal deve ser acompanhada por um médico nefrologista para que seja feito o tratamento mais adequado. Em alguns casos em que a insuficiência renal está em estágio mais avançado, pode ser necessário fazer hemodiálise, prescrita pelo médico. Veja todas as opções de tratamento para a insuficiência renal

10. Insuficiência hepática

A insuficiência hepática é uma diminuição da função do fígado e pode causar retenção de líquidos principalmente nas mãos, nos pés e no abdômen, devido a diminuição de uma proteína no sangue, a albumina, que ajuda a manter o sangue dentro dos vasos. 

Esta doença pode ser causada por alcoolismo, hepatite ou até mesmo uso de medicamento com o paracetamol. 

O que fazer: a insuficiência hepática deve ser tratada pelo médico hepatologista. Além disso, deve-se interromper o consumo de álcool e diminuir o consumo de sal e proteínas na alimentação para evitar o inchaço das mãos e dos pés, e o acúmulo de líquido no abdômen. Confira como é feito o tratamento da insuficiência hepática.

Quando ir ao médico

Alguns sintomas podem acompanhar a retenção de líquido e necessitam de atendimento médico o mais rápido possível e incluem:

  • Falta de ar;
  • Tosse ou expectoração;
  • Dor no peito;
  • Dor de cabeça;
  • Dor abaixo das costelas;
  • Dor ou inchaço persistente nas pernas;
  • Inchaço repentino;
  • Pele esticada ou brilhante;
  • Inchaço somente em um pé ou uma mão;
  • Vermelhidão da região inchada;
  • Febre;
  • Formigamento dos pés, pernas, braços ou mãos.

Além disso, deve-se procurar ajuda médica imediatamente ou o pronto-socorro mais próximo caso a pessoa apresentar dor ou inchaço nas pernas após viagens de avião ou quando ficam muito tempo sentadas, pois pode ser sintoma de trombose. Saiba identificar todos os sintomas de trombose.  

Esta informação foi útil?

Bibliografia

  • CLARK, A. L.; CLELAND, J. G. Causes and treatment of oedema in patients with heart failure. Nat Rev Cardiol. 10. 3; 156-70, 2013
  • COURTNADGE, C.; MADSEN, F.; BYGUM, A. Idiopathic oedema. Ugeskr Laeger. 179. 48; 2017
  • For-Szabo N, Ralph S. . Chronic oedema in the community: an overview. Br J Community Nurs. 22. 6; 266-270, 2017
  • COOPER, G. The impact of chronic oedema on quality of life in the elderly. Br J Community Nurs. 23. 4; S10-S12, 2018
  • STACHENFELD, N. S. Hormonal changes during menopause and the impact on fluid regulation. Reprod Sci. 21. 5; 555-61, 2014
  • MOTTELSON, Mathis N.; et al. Mechanisms in fluid retention – towards a mutual concept. Clinical Physiology and Nuclear Medicine. 40. 2; 67–75, 2019
Mais sobre este assunto: