Mioma submucoso: o que é, sintomas, causas e tratamento

setembro 2022

O mioma submucoso é um tumor benigno que se desenvolve dentro da parede muscular do útero (miométrio), e próximo ao endométrio, devido à proliferação proliferação de células do miométrio, levando à formação de nódulos no interior do útero e que podem causar dor pélvica e sangramentos excessivos.

A causa exata do mioma submucoso não é completamente conhecida, no entanto, é mais comum em mulheres negras ou que têm histórico familiar de mioma, além de que alguns fatores podem aumentar o risco do seu desenvolvimento, como primeira menstruação muito cedo, obesidade ou deficiência de vitamina D. Entenda o que é mioma e suas causas.

O tratamento do mioma submucoso deve ser feito com orientação do ginecologista, que pode indicar uso de remédios para aliviar os sintomas, ou cirurgia.

Sintomas do mioma submucoso

Os principais sintomas relacionados ao mioma submucoso são:

  • Sangramento fora do período menstrual;
  • Fluxo sanguíneo abundante durante a menstruação, podendo ser observado também a presença de coágulos;
  • Períodos menstruais que duram mais de uma semana;
  • Dor, desconforto ou sensação de pressão na pelve;
  • Cólicas uterinas;
  • Anemia ferropriva, devido ao sangramento excessivo;
  • Dor no fundo das costas;
  • Prisão de ventre.

Além disso, o mioma submucoso, principalmente quando é grande, pode provocar aumento da frequência urinária ou dificuldade de esvaziar a bexiga completamente, devido a compressão da bexiga, por exemplo.

Mioma submucoso e gravidez

Na presença de mioma submucoso, a fertilidade da mulher fica comprometida. Isso porque há o comprometimento do endométrio, que é a parede do útero em que há a implantação do embrião. Assim, as mulheres que apresentam esse tipo de mioma têm mais dificuldade para engravidar e mais chance de sofrerem abortos espontâneos.

Como confirmar o diagnóstico

O diagnóstico do mioma submucoso é feito pelo ginecologista através da avaliação dos sintomas e por meio de exames de imagem, principalmente ultrassonografia e a histeroscopia diagnóstica, que é considerada o principal exame para detecção do mioma submucoso, isso porque permite a visualização interna do útero e classificação do mioma em relação ao endométrio. Entenda como é feita a histeroscopia diagnóstica.

Classificação do mioma submucoso

Esse tipo de mioma está localizado dentro da cavidade uterina e pode ser classificado em:

  • Nível 0, quando o mioma encontra-se totalmente na cavidade uterina, sem que haja projeção para o miométrio, comprometendo apenas o endométrio;
  • Nível 1, quando mais de 50% do mioma encontra-se na cavidade uterina;
  • Nível 2, quando mais de 50% do nódulo está no miométrio.

A classificação do mioma submucoso é feita pelo médico através dos exames de diagnóstico. Conheça também o mioma intramural.

Possíveis causas

O mioma submucoso não tem uma causa muito bem estabelecida, no entanto, parece estar relacionados a alterações hormonais, como estrogênio e progesterona, e a fatores de crescimento, como EGF e IGF, fazendo com que as células do tecido muscular liso que formam o útero se multiplicam de forma desordenada, levando ao aparecimento do tumor.

Alguns fatores podem contribuir para aumentar o risco de desenvolvimento do mioma submucoso, como:

  • Histórico familiar de mioma;
  • Etnia, sendo mais comum em mulheres negras;
  • Radioterapia;
  • Menarca precoce;
  • Obesidade;
  • Deficiência de vitamina D;
  • Consumo excessivo de bebidas alcoólicas.

Além disso, mulheres que nunca tiveram filhos, também parecem ter um risco aumentado de desenvolvimento do mioma submucoso.

Como é feito o tratamento

O tratamento para o mioma submucoso é estabelecido pelo ginecologista e é feito através da histeroscopia, que corresponde a um procedimento cirúrgico, feito sob anestesia ou sedação, e que tem como objetivo remover o mioma. Saiba mais sobre a histeroscopia cirúrgica.

Além disso, o ginecologista pode indicar o uso de alguns medicamentos para aliviar os sintomas a partir da redução do tamanho do mioma ou do sangramento, além de melhorar as condições gerais da mulher para que a cirurgia seja menos invasiva.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Flávia Costa - Farmacêutica, em setembro de 2022.

Bibliografia

  • AAGL: ADVANCING MINIMALLY INVASIVE GYNECOLOGY WORLDWIDE. AAGL Practice Report: Practice Guidelines for the Diagnosis and Management of Submucous Leiomyomas. The Journal of Minimally Invasive Gynecology. 19. 2; 151-171, 2012
  • LIANG, B.; et al. Diagnosis and treatment of submucous myoma of the uterus with interventional ultrasound. Oncol Lett. 15. 5; 6189–6194, 2018
Mostrar bibliografia completa
  • THURKOW, A. L.; et al. Submucous myomas: diagnosis and therapy. Gynecological Surgery. 5. 93–102, 2008
Equipe editorial constituída por médicos e profissionais de saúde de diversas áreas como enfermagem, nutrição, fisioterapia, análises clínicas e farmácia.