Histeroscopia cirúrgica: o que é, como é feita e recuperação

Revisão médica: Drª. Sheila Sedicias
Ginecologista
abril 2021

A histeroscopia cirúrgica é um procedimento ginecológico realizado em mulheres que possuem sangramento uterino abundante e cuja causa já foi identificada. Assim, por meio desse procedimento é possível remover pólipos uterinos, miomas submucosos, corrigir alterações da cavidade do útero e remover aderências do útero.

Como se trata de um procedimento cirúrgico, é necessário que seja feita com anestesia, no entanto o tipo de anestesia varia de acordo com a extensão do procedimento a ser realizado. Além disso, é um procedimento simples, que não necessita de muitos preparos e que não possui recuperação complicada.

Apesar de ser um procedimento seguro, a histeroscopia cirúrgica não é indicada para mulheres com câncer do colo do útero, doença inflamatória pélvica ou que estejam grávidas.

Quando é indicada

A histeroscopia cirúrgica é indicada pelo ginecologista quando já foi identificada a causa do sangramento abundante, sendo realizado para:

  • Remover miomas submucosos;
  • Remover pólipos uterinos;
  • Tratar alterações da cavidade uterina, como útero bicorno, unicorno, didelfo e septado;
  • Retirar aderências no útero;
  • Reduzir a espessura do endométrio;
  • Laqueadura das tubas uterinas.

Além disso, a histeroscopia cirúrgica pode ser realizada para retirar o DIU quando este não possui fios visíveis.

Preparação da histeroscopia cirúrgica

Não são necessários muitos preparos para a realização da histeroscopia cirúrgica, sendo recomendado que a mulher fique em jejum devido ao uso da anestesia.

Em alguns casos, o médico pode indicar que a mulher tome um comprimido anti-inflamatório 1 horas antes do procedimento e no caso de ser verificado espessamento do canal uterino, pode ser necessário colocar um comprimido na vagina de acordo com a recomendação médica.

Como é feita

A histeroscopia cirúrgica é feita pelo ginecologista e tem como objetivo tratar as alterações que foram identificadas no útero e, para isso, deve ser feita sob anestesia geral ou raquidiana para que não haja dor.

Nesse procedimento, após a administração da anestesia, o histeroscópio, que é um equipamento fino que contém uma microcâmera acoplada em sua extremidade, é introduzido pelo canal vaginal até o útero para que sejam visualizadas as estruturas. Em seguida, para expandir o útero e permitir a realização do procedimento cirúrgico, é colocado dióxido de carbono em forma de gás ou fluido, com auxílio do histeroscópio, dentro do útero, promovendo a sua expansão.

A partir do momento que o útero adquire tamanho ideal, os equipamentos cirúrgicos também são introduzidos e o médico realiza o procedimento, que dura entre 30 minutos a 1 hora dependendo da extensão da cirurgia. Como não existem cortes para inserir os dispositivos necessários para o procedimento, não é necessário levar pontos.

Saiba mais sobre a histeroscopia.

Como é a recuperação

O pós-operatório da histeroscopia cirúrgica normalmente é simples. Depois da mulher acordar da anestesia, ela fica em observação por cerca de 30 a 60 minutos. Assim que estiver bem acordada e não sentir qualquer desconforto, pode ir para casa. No entanto, em alguns casos pode ser necessário que a mulher fique internada por no máximo 24 horas.

A recuperação da histeroscopia cirúrgica é geralmente imediata. A mulher pode sentir dor, semelhante à cólica menstrual nos primeiros dias e podem ocorrer perdas de sangue pela vagina, que podem prolongar-se por 3 semanas ou até à menstruação seguinte. Caso a mulher sinta febre, calafrios ou o sangramento for muito intenso, é importante voltar ao médico para que seja feita nova avaliação.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Equipe Editorial do Tua Saúde, em abril de 2021. Revisão médica por Drª. Sheila Sedicias - Ginecologista, em fevereiro de 2016.

Bibliografia

  • THE AMERICAN COLLEGE OF OBSTETRICIANS AND GYNECOLOGISTS. Hysteroscopy. Disponível em: <https://www.acog.org/Patients/FAQs/Hysteroscopy?IsMobileSet=false>. Acesso em 04 dez 2019
Revisão médica:
Drª. Sheila Sedicias
Ginecologista
Médica mastologista e ginecologista formada pela Universidade Federal de Pernambuco, em 2008 com registro profissional no CRM PE 17459.