Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

Microcefalia: o que é, sintomas, causas e tratamento

A microcefalia é uma doença em que a cabeça e o cérebro das crianças são menores que o normal para a sua idade e isto pode ser causado por malformação durante a gestação provocada pelo uso de substâncias químicas ou por infecções por bactérias ou vírus, como o zika vírus, por exemplo.

Esta doença pode alterar o desenvolvimento mental da criança, porque os ossos da cabeça, que ao nascimento estão separados, se unem muito cedo, impedindo que o cérebro cresça e desenvolva suas capacidades normalmente. Por causa disso, a criança com microcefalia pode precisar de cuidados por toda a vida, porém isso é geralmente confirmado depois do primeiro ano de vida e irá depender muito do quanto o cérebro conseguiu se desenvolver e que partes do cérebro estão mais comprometidas.

Microcefalia: o que é, sintomas, causas e tratamento

Principais sintomas

A principal característica de microcefalia é a cabeça e o cérebro menor do que o normal para a idade da criança, o que não gera sintomas, no entanto pode comprometer o desenvolvimento da criança, podendo haver:

  • Problemas visuais;
  • Perda de audição;
  • Atraso mental;
  • Déficit intelectual;
  • Paralisia;
  • Convulsões;
  • Epilepsia;
  • Autismo.

Esta condição também pode levar ao surgimento de rigidez dos músculos do corpo, conhecida cientificamente como espasticidade, pois esses músculos são controlados pelo cérebro e no caso da microcefalia esta função fica prejudicada.

Entenda mais o que é microcefalia e como cuidar de um bebê com esse problema assistindo ao vídeo a seguir:

Possíveis causas

Uma das principais causa relacionadas com a microcefalia é a infecção pelos vírus Zika e Chikungunya durante a gravidez, especialmente no primeiro trimestre de gestação. No entanto, essa situação também pode acontecer devido à:

  • Infecções como rubéola, citomegalovírus e toxoplasmose;
  • Consumo de cigarro, álcool ou drogas, como cocaína e heroína durante a gravidez;
  • Síndrome de Rett;
  • Envenenamento por mercúrio ou cobre;
  • Meningite;
  • Desnutrição;
  • HIV materno;
  • Doenças metabólicas na mãe, como fenilcetonúria;
  • Exposição à radiação durante a gestação;
  • Uso de medicamentos contra epilepsia, hepatite ou câncer, nos primeiros 3 meses de gravidez.

A microcefalia também pode ser genética e acontece em crianças que possuem outras doenças como síndrome de West, síndrome de Down e síndrome de Edwards, por exemplo. Por isso, a criança com microcefalia que também possui alguma destas síndromes pode ter outras características físicas, incapacidades e ainda mais complicações do que as crianças que possuem somente microcefalia.

Como confirmar o diagnóstico

O diagnóstico da microcefalia pode ser feito durante a gestação, com os exames do pré-natal, como o ultrassom por exemplo, e pode ser confirmado logo após o parto através da medição do tamanho da cabeça do bebê, feita por um enfermeiro ou médico. Saiba mais quando deve realizar o ultrassom durante a gravidez.

Além disso, exames como tomografia computadorizada ou ressonância magnética cerebral também ajudam a medir a gravidade da microcefalia e quais serão suas possíveis consequências para o desenvolvimento do bebê.

Tipos de microcefalia

Alguns estudos dividem a microcefalia em alguns tipos, como:

  • Microcefalia primária: este tipo ocorre quando existem falhas na produção de neurônios, que são células cerebrais, durante o desenvolvimento fetal;
  • Microcefalia pós-natal: é o tipo em que a criança nasce com o tamanho do crânio e do cérebro adequado, mas o desenvolvimento destas partes não acompanha o crescimento da criança;
  • Microcefalia familiar: acontece quando a criança nasce com o crânio menor, mas não apresenta alterações neurológicas, sendo que isto ocorre porque os pais da criança também têm a cabeça menor.

Existe ainda um outro tipo chamada microcefalia relativa, em que crianças com problemas neurológicos apresentam problemas de crescimento do crânio, porém é uma classificação muito pouca utilizada pelos médicos.

E ainda, alguns estudos classificam a microcefalia como primária, quando os ossos do crânio do bebê se fecham durante a gestação, até os 7 meses, ou secundária, quando os ossos se fecham na fase final da gravidez ou após o nascimento do bebê.

Microcefalia: o que é, sintomas, causas e tratamento

Como é feito o tratamento

O tratamento da microcefalia deve ser orientado por um pediatra e neurologista, porém é necessária a intervenção de vários outros profissionais como enfermeiros, fisioterapeutas e terapeutas ocupacionais, que irão ajudar a criança a se desenvolver com o mínimo de limitações possíveis de forma a ter uma maior qualidade de vida.

O tratamento varia, então, de acordo com cada caso, especialmente de acordo com as limitações de cada criança. Ainda assim, as formas de tratamento mais utilizadas incluem:

1. Terapia da fala

Para melhorar a capacidade para falar a criança deve ter acompanhamento de um fonoaudiólogo pelo menos 3 vezes por semana.

Além disso, os pais devem cantar com a criança pequenas músicas e falar com ela olhando nos olhos durante todo o dia, mesmo que ela não responda ao estímulo. Também deve-se usar gestos para facilitar o entendimento do que está dizendo e captar melhor a atenção da criança. Confira outras brincadeiras que podem ser feitas para estimular a fala.

2. Sessões de fisioterapia

Para melhorar o desenvolvimento motor, aumentar o equilíbrio e evitar atrofia dos músculos e os espasmos musculares é importante fazer o máximo de sessões de fisioterapia possível, pelo menos 3 vezes por semana, realizando exercícios simples com bola de Pilates, alongamentos, sessões de psicomotricidade e hidroterapia podem ser úteis.

A fisioterapia é indicada porque pode ter resultados no desenvolvimento físico da criança, mas também porque ajuda no desenvolvimento mental.

3. Terapia ocupacional

No caso de crianças mais velhas e com o objetivo de aumentar a autonomia pode ainda ser indicado pelo médico a participação em sessões de terapia ocupacional, nas quais se pode treinar as atividades diárias, como escovar os dentes ou comer, com o uso de aparelhos especiais, por exemplo.

Para melhorar a capacidade de socialização deve-se também avaliar a possibilidade de manter a criança em uma escola normal para que possa interagir com outras crianças que não possuem microcefalia, podendo participar de jogos e brincadeiras que promovem a interação social. No entanto, se houver atraso no desenvolvimento mental, a criança provavelmente não irá aprender a ler ou escrever, embora possa ir para a escola para ter contato com outras crianças.

Em casa, os pais devem estimular a criança o máximo possível, fazendo brincadeiras de frente para o espelho, estando do lado da criança e participar sempre que possível em reuniões de família e amigos para tentar manter o cérebro da criança sempre ativo.

4. Uso de remédios

A criança com microcefalia pode precisar tomar medicamentos indicados pelo médico segundo os sintomas que apresenta, como anticonvulsivante para reduzir as convulsões ou para tratar a hiperatividade, como Diazepam ou Ritalina, além de analgésicos, como Paracetamol, para diminuir a dor nos músculos, devido à tensão excessiva.

5. Injeções de Botox

As injeções de Botox podem ser indicadas no tratamento de algumas crianças com microcefalia, porque podem ajudar a diminuir a rigidez dos músculos e melhorar os reflexos naturais do corpo, facilitando as sessões de fisioterapia e os cuidados diários.

Geralmente as injeções de Botox são indicadas quando a criança fica sempre com os músculos intensamente contraídos, involuntariamente, o que dificulta coisas simples como dar banho ou trocar a fralda. O uso do botox é considerado seguro e praticamente não apresenta riscos para saúde, desde que seja utilizado na dose adequada e sempre sob indicação do médico.

6. Cirurgia na cabeça

Em alguns casos, pode-se realizar uma cirurgia sendo feito um corte na cabeça para permitir o crescimento do cérebro, reduzindo as sequelas da doença. Porém, esta cirurgia para ter resultado deve ser feita até aos 2 meses do bebê e não é indicada para todos os casos, somente quando podem existir muitos benefícios e poucos riscos associados.

Bibliografia >

  • MINISTÉRIO DA SAÚDE. Microcefalia: causas, sintomas, tratamento e prevenção. Disponível em: <https://www.saude.gov.br/saude-de-a-z/microcefalia>. Acesso em 21 Fev 2020
  • UPTODATE. Microcephaly: A clinical genetics approach. Disponível em: <https://www.uptodate.com/contents/microcephaly-a-clinical-genetics-approach?search=microcephaly&source=search_result&selectedTitle=2~138&usage_type=default&display_rank=2>. Acesso em 21 Fev 2020
  • CENTERS FOR DISEASE CONTROL AND PREVENTION. Facts about Microcephaly. Disponível em: <https://www.cdc.gov/ncbddd/birthdefects/microcephaly.html>. Acesso em 21 Fev 2020
  • ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Microcephaly. Disponível em: <https://www.who.int/news-room/fact-sheets/detail/microcephaly>. Acesso em 21 Fev 2020
  • PASSEMARD, Sandrine; KAINDL, Angela M.; VERLOES, Alain. Microcephaly. Handbook of Clinical Neurology. Vol. 111. 129-141, 2013
Esta informação foi útil?   
Sim  /  Não

Ficou alguma dúvida. Deixe aqui a sua questão para que possamos melhorar o nosso texto:

Atenção! Só poderemos responder diretamente se deixar o seu email.
Irá receber um email com um link que deverá aceder para confirmar que o email lhe pertence.
Mais sobre este assunto:

Publicidade
Carregando
...
Fechar Simbolo de finalizado

Pode perguntar

Fechar
É hora de acabar com todas as suas dúvidas!
Erro
Erro
Erro
Marque a caixa de verificação acima.
Enviar Mensagem