Marcapasso: o que é, para que serve e quando é indicado

julho 2022

O marcapasso cardíaco é um pequeno aparelho que monitora o ritmo cardíaco e estimula o coração, caso os batimentos fiquem abaixo dos valores normais, que variam entre 60 a 100 batimentos por minuto em repouso.

O marcapasso é colocado cirurgicamente junto ao coração e é uma das principais formas de tratamento de algumas doenças cardíacas, permitindo aliviar sintomas como cansaço excessivo ou dificuldade para respirar, que surgem quando o coração não está batendo no ritmo ideal.

O marcapasso pode ser provisório, quando colocado apenas por um período de tempo para tratar uma alteração cardíaca, ou pode ser definitivo, quando é colocado para controlar doenças crônicas.

Para que serve

O marcapasso monitora o coração continuamente e identifica batimentos irregulares, lentos ou interrompidos. Quando isso acontece, o marcapasso envia um estímulo elétrico ao coração, que permite regularizar os batimentos.

Quando é indicado

A colocação do marcapasso é indicada quando a pessoa possui alguma doença que cause diminuição dos batimentos cardíacos para menos de 40 batimentos por minuto, como:

  • Doença do nó sinusal;
  • Bloqueio atrioventricular;
  • Bloqueio bifascicular crônico;
  • Síncope neurocardiogênica;
  • Síndrome do seio carotídeo;
  • Cardiomiopatia hipertrófica;
  • Insuficiência cardíaca grave;
  • Doença cardíaca congênita.

Além disso, o marcapasso também pode ser indicado pelo cardiologista noutras situações como após o infarto do miocárdio, depois do transplante cardíaco, para detectar ou encerrar a taquicardia, ou para tratar alguma alteração cardíaca causada pela overdose de medicamentos ou drogas.

Como funciona o marcapasso

O marcapasso funciona a pilhas, que duram em média 5 a 15 anos, mas existem casos em que a sua duração é um pouco menor. Sempre que a pilha estiver próxima do fim deve-se trocá-la através de uma pequena cirurgia local.

Tipos de marcapasso

Os principais tipos de marcapasso são:

  • Marcapasso definitivo: é o marcapasso implantado de forma definitiva no peito da pessoa sobre a pele e os fios condutores são colocados no átrio e no ventrículo do coração, através de cirurgia;
  • Marcapasso transcutâneo ou transtorácico: possui 2 pás de eletrodos que são colocadas sobre a pele no tórax e no dorso da pessoa, conectadas a um desfibrilador, que é um equipamento que gera descargas elétricas, para fazer o coração voltar a bater, sendo usado em emergências médicas em casos de bradiarritmias ou bloqueios atrioventriculares, por exemplo;
  • Marcapasso transvenoso: possui um cabo-eletrodo que é colocado dentro do ventrículo direito do coração, através de um corte feito na artéria jugular ou subclávia, e conectado em uma bateria externa. Esse tipo de marcapasso é indicado para emergências médicas no caso de bradicardias graves.

Os marcapassos utilizados apenas em emergências médicas, não são marcapassos definitivos, sendo usados de forma temporária.

Como se preparar para a cirurgia

Alguns cuidados são importantes para se preparar para a cirurgia como esclarecer com o cirurgião todas as dúvidas sobre a cirurgia e a recuperação, além de informar todos os medicamentos, vitaminas e suplementos nutricionais que toma com frequência, pois alguns podem afetar a recuperação, interferir na anestesia ou aumentar o risco de formação de coágulos ou de sangramento. Deve informar também se tem alguma alergia ou outro problema de saúde.

Além disso, é recomendado não fumar e nem consumir bebidas alcoólicas antes da cirurgia, tomar banho com o sabonete recomendado pelo médico, não aplicar hidratantes, loções, perfumes ou desodorante e retirar todas as jóias, piercing e lentes de contato antes da cirurgia.

É importante fazer o jejum que deve ser de pelo menos 4 horas, no horário programado pelo médico no dia anterior à cirurgia e tomar os medicamentos no dia da cirurgia apenas com um gole de água.

Como é feita a cirurgia

A cirurgia para colocação do marcapasso cardíaco é feita pelo cirurgião cardíaco e é simples e rápida, geralmente leva de uma ou duas horas.

Antes de iniciar a cirurgia, é administrado soro fisiológico na veia, pelo enfermeiro, para hidratar e administrar medicamentos e também para que seja feita a anestesia geral ou sedação leve.

Em seguida, é feito um pequeno corte perto do ombro para alcançar a veia subclávia e inserir um fio fino até que o mesmo atinja o ventrículo direito do coração, onde será colocado o eletrodo do marcapasso. A outra extremidade do fio é conectada ao gerador de impulsos elétricos do marcapasso que ficará sobre a pele próximo à clavícula no ombro.

Durante toda a cirurgia, o médico observa a inserção e a posição do marcapasso através do raio-x, para saber por onde está passando e para garantir que o marcapasso seja colocado no local correto.

Cuidados após a cirurgia

Como é um procedimento simples, a pessoa já pode ir para casa no dia seguinte à cirurgia. No entanto, é importante que a pessoa com marcapasso faça repouso no primeiro mês após a cirurgia, além de fazer as consultas de retorno com o cardiologista, para avaliar o estado geral de saúde.

Além disso, são necessários cuidados especiais durante a recuperação e algumas mudanças nos hábitos de vida, como:

  • Manter na carteira o cartão com as informações do marcapasso e dos contatos para emergências;
  • Tomar os remédios nos horários certos conforme indicado pelo médico;
  • Evitar movimentos bruscos envolvendo o braço do lado em foi colocado o marcapasso;
  • Evitar praticar atividades físicas, dirigir ou fazer esforços como pular, carregar bebês no colo e levantar ou empurrar objetos pesados, por exemplo;
  • Evitar usar o celular do mesmo lado em que está o marcapasso e nunca colocar o celular dentro do bolso da camisa ou da calça, por exemplo;
  • Colocar aparelhos eletrônicos de música, rádio, controle remoto, televisão, torradeira, furadeira, barbeador ou cobertor elétrico, ou celular a uma distância de 15 cm do corpo;
  • Avisar nas áreas de segurança como aeroporto ou bancos, sobre o marcapasso, para evitar passar pelo raio-X. É importante lembrar que o raio-X não interfere com o marcapasso, mas pode acusar a presença de metal no corpo, sendo ideal passar pela revista manual para evitar problemas com a fiscalização;
  • Ficar a pelo menos 2 metros distante do micro-ondas, equipamentos de solda, transformadores de alta tensão ou geradores de energia;
  • Evitar choques físicos e pancadas sobre o marcapasso;
  • Evitar fazer exames ou procedimentos médicos como ressonância magnética, ablação por radiofrequência, radioterapia, litotripsia ou mapeamento eletroanatômico, pois podem interferir no funcionamento do marcapasso;

Além disso, alguns instrumentos também estão contraindicados para esses pacientes, como o bisturi elétrico e o desfibrilador, devendo-se avisar a familiares e profissionais de saúde sobre o marcapasso, para que o aparelho seja desativado antes de qualquer procedimento que possa causar interferência.

As pessoas que possuem um marcapasso no peito podem ter uma vida normal, somente evitando grandes esforços nos primeiros 3 meses após a sua colocação, no entanto ao entrar numa academia de ginástica, sempre que for a uma consulta médica de qualquer especialidade ou se for fazer fisioterapia deve mencionar que possui o marcapasso, pois esse aparelho pode sofrer interferência na proximidade de algumas máquinas.

Possíveis complicações

As principais complicações da cirurgia de colocação de marcapasso são infecção no local da cicatriz, sangramento ou hematoma no local em que foi feito o corte da pele.

É importante comunicar ao médico ou procurar o pronto socorro mais próximo caso a pessoa apresente febre acima de 37,5ºC, pele ou unhas com cor azulada, falta de ar ou dor no peito.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Manuel Reis - Enfermeiro, em julho de 2022.

Bibliografia

  • UDO, E. O. et al. Pacemaker follow-up: Are the latest guidelines in line with modern pacemaker practice?. Eurospace. Vol 15, n.2. 243-251, 2013
  • UNIVERSITY OF MICHIGAN HEALTH SYSTEM (UMHS). How to Care for Yourself after Pacemaker Insertion. 2017. Disponível em: <http://www.med.umich.edu/1libr/CVC/PacemakerAfterCare.pdf>. Acesso em 07 jul 2021
Mostrar bibliografia completa
  • TOOGOOD, G. Pacemaker therapies in cardiology. Aust Fam Physician. 36. 7; 518-9, 521-4, 2007
  • AMERICAN HEART ASSOCIATION. Living With Your Pacemaker. Disponível em: <https://www.heart.org/en/health-topics/arrhythmia/prevention--treatment-of-arrhythmia/living-with-your-pacemaker>. Acesso em 07 jul 2021
  • KENNEDY, A.; et al. The Cardiac Conduction System: Generation and Conduction of the Cardiac Impulse. Crit Care Nurs Clin North Am. 28. 3; 269-79, 2016
  • MULPURU, S. K.; et al. Cardiac Pacemakers: Function, Troubleshooting, and Management: Part 1 of a 2-Part Series. J Am Coll Cardiol. 69. 2; 189-210, 2017
  • MADHAVAN, M.; et al. Advances and Future Directions in Cardiac Pacemakers: Part 2 of a 2-Part Series. J Am Coll Cardiol. 69. 2; 211-235, 2017
  • ISRAEL, C. W.; EKOSSO-EJANGUE, L. Problems, complications, and emergencies during pacemaker implantation. Importance of access. Herzschrittmacherther Elektrophysiol. 26. 4; 309-19, 2015
  • LEE, J. Z.; MULPURU, S. K.; SHEN, W. K. Leadless pacemaker: Performance and complications. Trends Cardiovasc Med. 28. 2; 130-141, 2018
  • DALIA, T.; AMR, B. S. IN: STATPEARLS [INTERNET]. TREASURE ISLAND (FL): STATPEARLS PUBLISHING. Pacemaker Indications. 2020. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK507823/>. Acesso em 07 jul 2021
Equipe editorial constituída por médicos e profissionais de saúde de diversas áreas como enfermagem, nutrição, fisioterapia, análises clínicas e farmácia.

Tuasaude no Youtube

  • O que comer para EVITAR INFARTO

    04:31 | 75081 visualizações
  • Insuficiência Cardíaca | Alimentação para Controlar

    09:24 | 126748 visualizações