Somos REDE D'OR
icon de informação icon de telefone 3003-3230
Número disponível apenas em território brasileiro, com custo de chamada local.

Mania de perseguição: o que é, como identificar e tratamento

Revisão médica: Dr. Gonzalo Ramirez
Psicólogo e Clínico Geral
janeiro 2023

A mania de perseguição é a sensação frequente de que se está sendo observado, comentado pelas costas ou é vítima de uma intriga ou perseguição, podendo causar desconfiança constante de outras pessoas, isolamento e insegurança.

Geralmente, a mania de perseguição é causada devido à baixa auto-estima e pouca autoconfiança, antecedentes de abuso físico o emocional, criança demasiado exigente o perfeccionista, no entanto, especialmente quando existem outros sintomas, como pensamento desorganizado, alucinações e impulsividade, pode indicar psicose. Entenda melhor o que é psicose.

A melhor forma de tratar a mania de perseguição é por meio de acompanhamento psicológico ou psiquiátrico, em que será investigada a sua causa e, assim, adotadas medidas para combater essa sensação que causa desconforto e mal-estar para a pessoa. Além disso, podem ser indicados pelo psiquiatra o tratamento com remédios, como antipsicóticos ou antidepressivos, e hospitalização, nos casos mais graves.

Imagem ilustrativa número 1

Como identificar a mania de perseguição

As principais características da pessoa com mania de perseguição são:

  • Frequentemente achar que está sendo observada ou ouvida por outras pessoas;
  • Acreditar que sempre estão falando dela pelas costas, especialmente fazendo comentários ruins, julgamentos ou intrigas com intenção de prejudicá-la;
  • Desconfiança excessiva de outras pessoas, evitando conversar ou compartilhar informações importantes e ideias;
  • Pensar com frequência e sem motivo aparente que estão tentando prejudicá-la, tramando contra ela, perseguindo ou mentindo, por exemplo;
  • Achar que é culpada por todos os problemas, mesmo que não relacionados com a pessoa;
  • Criticar excessivamente a si mesmo, fazendo comparações frequentes com outras pessoas.

Além disso, a pessoa pode não perceber que não existem motivos verdadeiros que justifiquem a sua desconfiança, o que pode causar ressentimento, raiva ou sensação de insegurança e fazer com que se isole.

Algumas vezes, além da mania de perseguição, podem estar presentes outros sintomas como alucinações, confusão mental e agitação, podendo indicar esquizofrenia ou delírio, por exemplo. Conheça outros sintomas de delírio.

Como é feito o tratamento

O tratamento da mania de perseguição geralmente é feito com psicoterapia e, especialmente em caso de doenças como esquizofrenia, delírio ou ansiedade, é importante o acompanhamento de um psiquiatra, podendo ser indicados medicamentos, como antipsicóticos e antidepressivos.

Principalmente quando a mania de perseguição é causada por baixa auto-estima e pouca autoconfiança, é recomendado praticar atividade física regularmente e procurar ambientes e pessoas que trazem a sensação de segurança. Veja algumas atitudes para aumentar a auto-estima.

Além disso, a psicoterapia é fundamental para vencer a dificuldade de se relacionar com outras pessoas, criar relacionamentos de confiança e lidar com sentimentos de ansiedade e frustração.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Flávia Costa - Farmacêutica, em janeiro de 2023. Revisão médica por Dr. Gonzalo Ramirez - Psicólogo e Clínico Geral, em janeiro de 2023.

Bibliografia

  • American Psychiatric Association. Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais: DSM-5. 5ed. Porto Alegre: Artmed, 2014.
  • STATPEARLS. Psychosis. 2022. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK546579/>. Acesso em 12 jan 2023
Mostrar bibliografia completa
  • FREEMAN, Daniel. Persecutory delusions: a cognitive perspective on understanding and treatment. Lancet Psychiatry. Vol.3, n.7. 685-692, 2016
  • FREEMAN, Daniel; GARETY, Philippa. Advances in understanding and treating persecutory delusions: a review. Soc Psychiatry Psychiatr Epidemiol. Vol.49, n.8. 1179-1189, 2014
Revisão médica:
Dr. Gonzalo Ramirez
Psicólogo e Clínico Geral
Clínico geral pela UPAEP com cédula profissional nº 12420918 e licenciado em Psicologia Clínica pela UDLAP nº 10101998.