Somos REDE D'OR
icon de informação icon de telefone 3003-3230
Número disponível apenas em território brasileiro, com custo de chamada local.

Maxilar deslocado: sintomas, causas e tratamento

Revisão clínica: Manuel Reis
Enfermeiro
fevereiro 2023

O maxilar deslocado acontece quando a articulação da mandíbula, a ATM, sai do lugar, fazendo com que a parte arredondada do osso da mandíbula, o côndilo, se mova, causando sintomas como dor e desconforto, endurecimento da mandíbula, dificuldade para falar e abrir e fechar a boca.

O deslocamento do maxilar pode acontecer quando se abre muito a boca como ao bocejar ou durante um procedimento dentário, por exemplo, ou quando existe algum problema na articulação temporomandibular. Se isso acontecer, e a mandíbula não regressar ao local correto, deve-se ir imediatamente ao hospital e não tentar reposicioná-la em casa.

O tratamento consiste no uso de uma técnica correta para reposicionar o maxilar no lugar correto, que só deve ser feita por um médico. Porém, em casos mais graves, pode também ser necessário recorrer a cirurgia.

Imagem ilustrativa número 3

Principais sintomas

Os principais sintomas de mandíbula deslocada são:

  • Dor intensa no rosto, principalmente na região do maxilar;
  • Desconforto e maior sensibilidade no rosto;
  • Endurecimento na região do maxilar;
  • Dificuldade para falar;
  • Incapacidade para abrir ou fechar a boca;
  • Mandíbula torcida para um dos lados, dando a sensação de que os dentes estão desalinhados.

É importante que a pessoa vá à urgência mais próxima para que seja feita uma avaliação do maxilar pelo ortopedista e, assim, seja feito o reposicionamento corretamente.

Possíveis causas

O deslocamento da mandíbula acontece quando a articulação da mandíbula, chamada de ATM, sai do lugar, o que pode acontecer devido a lesões e pancadas no rosto ou quando se abre muito a boca, como ao bocejar, vomitar ou durante procedimentos dentários.

Além disso, o maxilar deslocado pode acontecer em pessoas que tem má formação dos ossos da mandíbula, ou problemas na articulação temporomandibular, que tenham tido lesões anteriores na mandíbula ou que sofram de síndrome de hipermobilidade, que é uma condição na qual ocorre frouxidão nos ligamentos e articulações.

O deslocamento também é mais provável de acontecer em pessoas que tiveram deslocamentos anteriores.

Como é feito o tratamento

Em alguns casos, a mandíbula pode voltar ao lugar sem que seja necessário tratamento, no entanto, se isso não acontecer, pode ser necessária a intervenção de um dentista ou do ortopedista, que vai colocar a mandíbula de volta no local, puxando-a para baixo e inclinando o queixo para cima, de forma a reposicionar o côndilo.

Logo que a mandíbula esteja de volta ao lugar, o médico pode colocar uma bandagem de forma a limitar o movimento do maxilar e evitar outro deslocamento. Além disso, deve-se evitar a abertura exagerada da boca por, pelo menos, 6 semanas, e deve-se também evitar comer alimentos duros que exijam muita mastigação como carne, cenoura ou tostas, e dar preferência a alimentos moles como sopas e mingau.

Caso o deslocamento do maxilar se torne muito frequente, pode ser necessário recorrer a cirurgia para fixar o côndilo com fios cirúrgicos de forma a evitar que a articulação temporomandibular trave novamente, e reduzir o risco de deslocamentos futuros.

Como prevenir

Em pessoas com risco de sofrer um deslocamento do maxilar, o dentista pode indicar o uso de uma plaquinha para ser usada ao longo do dia ou apenas durante a noite ao dormir, que ajuda a mandíbula a movimentar-se corretamente. Existem também procedimentos cirúrgicos que podem ajudar a prevenir um novo deslocamento da mandíbula.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Marcela Lemos - Biomédica, em fevereiro de 2023. Revisão clínica por Manuel Reis - Enfermeiro, em fevereiro de 2023.
Revisão clínica:
Manuel Reis
Enfermeiro
Pós-graduado em fitoterapia clínica e formado pela Escola Superior de Enfermagem do Porto, em 2013. Membro nº 79026 da Ordem dos Enfermeiros.