Mancha mongólica: o que é, sintomas, causas e tratamento

outubro 2022

A mancha mongólica é uma alteração congênita que surge na pele do recém nascido ou em bebês nas primeiras semanas de vida, caracterizada pelo aparecimento de manchas azuladas, acinzentadas ou ligeiramente esverdeadas, sendo mais comum na região inferior das costas ou nas nádegas.

A mancha mongólica, também conhecida como melanocitose dérmica congênita ou nevos cinza ardósia, são mais comuns em bebês asiáticos, causada pelo acúmulo de melanócitos na camada mais interna da pele, que são responsáveis pela produção de melanina, que é o pigmento que dá cor à pele.

Geralmente, a mancha mongólica não representa qualquer problema de saúde e não é resultado de traumatismo, sendo diagnosticada pelo pediatra logo após o nascimento e, geralmente, desaparecem no primeiro ano de vida do bebê, sem necessidade de qualquer tratamento. 

Sintomas da mancha mongólica

Os principais sintomas da mancha mongólica são:

  • Mancha única ou múltiplas manchas de cor azul, cinza escuro ou ligeiramente esverdeada;
  • Manchas planas, com textura normal da pele;
  • Manchas arredondas, ovais ou com bordas irregulares, geralmente medindo cerca de 2 a 10 centímetros de diâmetro.

A mancha mongólica é mais comum de surgir nas nádegas ou na região lombar, mas também pode surgir nos ombros, braços, pernas, virilha ou tórax, sendo conhecidas como lesões extrassacrais.

Como confirmar o diagnóstico

O diagnóstico da mancha mongólica é feito pelo pediatra logo que o bebê nasce, através de um exame físico detalhado da pele do bebê e normalmente não é necessário fazer nenhum exame específico. 

Durante a avaliação da mancha, das suas características e da sua localização, o médico também pode descartar outros problemas de saúde, como o nevo de Ota, em que as manchas geralmente surgem no rosto ou em volta dos olhos, ou o nevo de Ito, caracterizado por manchas na região do pescoço ou na parte superior das costas. 

No caso da mancha surgir após as primeiras semanas de vida do bebê ou estar presente em outras regiões do corpo, o médico deve perguntar aos pais ou cuidadores quando quando a mancha surgiu, além de fazer uma avaliação do aspecto da mancha, cor e características, de forma a identificar o tipo de mancha e descartar outras condições que podem levar ao seu surgimento, como hematoma, que pode surgir por traumas não acidentais ou ocorrer devido a violência contra o bebê. 

Possíveis causas

A mancha mongólica é causada por uma alteração congênita da pele que surge durante o desenvolvimento do embrião.

Nas primeiras 10 semanas de gestação, os melanócitos, que são as células que produzem a melanina que é um pigmento que dá cor à pele, encontram-se na camada mais interna da pele, chamada derme. Normalmente, entre as semanas 11 a 14 da gestação, esses melanócitos migram para camadas mais externas da pele (epiderme).

Quando esses melanócitos não migram para a epiderme até no máximo 20 semanas de gestação, ficam acumulados na derme, produzindo ativamente a melanina, e formando a mancha mongólica.

Como é feito o tratamento

As manchas mongólicas, geralmente, desaparecem dentro de 1 ano de idade, sem necessidade de tratamento, e raramente persistem até os 6 anos de idade.

Essas manchas desaparecem aos poucos, ficando cada vez mais claras conforme o crescimento do bebê. Algumas áreas podem clarear mais rapidamente que as outras, mas uma vez que já está mais clara, não voltará a ficar escura novamente.

No entanto, em alguns casos, as manchas podem persistir até a vida adulta, e neste caso é denominada como mancha mongólica persistente, e podem acometer outras áreas do corpo como rosto, braços, mãos e pés. Nesses casos, o tratamento deve ser feito com orientação do dermatologista, que pode indicar o tratamento com laser de alexandrita. 

Como cuidar da pele do bebê

Como a coloração da pele é mais escura, naturalmente existe uma maior proteção solar nas áreas cobertas pelas manchas mongólicas. No entanto, é sempre importante proteger a pele do bebê com protetor solar sempre que ele estiver exposto ao sol. Veja como expor o bebê ao sol sem riscos para saúde.

Apesar disso, todos os bebês precisam fazer um banho de sol, ficando exposto ao sol durante cerca de 15 a 20 minutos, logo no início da manhã, até as 10h, sem nenhum tipo de proteção solar para que o seu corpo possa produzir a vitamina D, que é importante para o crescimento e fortalecimento dos ossos.

Durante este breve banho de sol, o bebê não deve estar sozinho, nem com muita roupa porque pode ficar muito quente. O ideal é que o rosto, os braços e as pernas do bebê estejam expostas ao sol. Se achar que o bebê está com calor ou com frio, verifique sempre sua temperatura colocando a mão no pescoço e nas costas do bebe.

As manchas mongólicas podem virar câncer?

As manchas mongólicas não representam nenhum problema de pele e não se transformam em câncer. No entanto, foi relatado um caso de apenas um paciente que possuía manchas mongólicas persistentes e foi diagnosticado com melanoma maligno, mas a ligação entre o câncer e as manchas mongólicas não foi confirmada.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Flávia Costa - Farmacêutica, em outubro de 2022. Revisão médica por Dr.ª Sani Santos Ribeiro - Pediatra e Pneumologista infantil, em setembro de 2022.

Bibliografia

  • CHUA, R. F.; PICO, J. IN: STATPEARLS [INTERNET]. TREASURE ISLAND (FL): STATPEARLS PUBLISHING. Dermal Melanocytosis. 2022. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK557408/>. Acesso em 16 ago 2022
  • KOLBE, V.; et al. Mongolian Spots - A challenging clinical sign. Forensic Sci Int. 327. 110964, 2021
Mostrar bibliografia completa
  • ALIMI, Y.; et al. A comprehensive review of Mongolian spots with an update on atypical presentations. Childs Nerv Syst. 34. 12; 2371-2376, 2018
  • KETTNRER, M.; et al. Mongolian spots as a finding in forensic examinations of possible child abuse-implications for case work. Int J Legal Med. 134. 3; 1141-1148, 2020
  • GUPTA, D.; et al. Mongolian spots: How important are they?. World J Clin Cases. 1. 8; 230–232, 2013
Revisão médica:
Dr.ª Sani Santos Ribeiro
Pediatra e Pneumologista infantil
Médica formada pela Universidade Federal do Rio Grande com CRM nº 28364 e especialista em Pediatria pela Sociedade Brasileira de Pediatria.